quinta-feira, 26 de julho de 2012

Ouvindo a Deus no deserto !!!




O deserto é um lugar especial no coração de Deus e, não há um filho Seu que ainda não tenha passa por essa situação. Para entender o deserto e o seu significado, é preciso que nos posicionemos, para que possamos compreender, de fato, qual a importância e a relevância que temos. Mas você pode se perguntar: quem sou eu? E que importância tenho?

Você foi criado à imagem e à semelhança de Deus e, isso quer dizer que não há nada mais importante nessa vida do que você; só Deus é mais proeminente do que o homem, porque Ele é a essência de todas as coisas. Os anjos, por exemplo, não tiveram esse privilégio. Foram criados como seres espirituais especiais para estarem à disposição do Altíssimo. Porém teve um ser, Satanás, que desejou tanto esse direito e, buscando a posição de ser igual a Deus, tornou-se maldição para sempre. Eu e você, contudo, somos a imagem e semelhança do Pai.

Outro aspecto significativo é o fato de que somos filhos de Deus e ocupamos um lugar distinto no coração desse Pai. Qual o pai que não deseja o melhor para o seu filho? Todos aqueles que são pais sabem que, ao nascerem os filhos, sua dedicação a eles é quase exclusiva. E, embora os filhos cometam alguns deslizes, alguns erros, jamais deixarão de ser filhos; seus pais, em tempo algum, os abandonarão. Pai é pai! Eles sabem o que é o melhor para os seus filhos.

O deserto é um lugar de escassez, onde os elementos vitais, como água e alimento, características básicas, quase não existem. Isso não parece antagônico? Começar a ministração falando de algo tão bom, especial e ter esse significado: escassez? Depende do seu ponto de vista. Só há um deserto que não é bom na vida de uma pessoa: o deserto do pecado, da rebelião, do coração distante de Deus; o deserto da quebra de princípios.

Em Mateus 4:11 lemos a narrativa de Jesus no deserto. O deserto é uma marca inerente aos grandes homens de Deus. E, se você acredita ser um líder ou alguém que recebeu um chamado, um comissionamento da parte de Deus, há de passar por um grande deserto. Esse lugar passará a ser um lugar especial no seu coração. Pois não há nada de Deus para nós que deixemos de gostar. O que existe, na verdade, é uma ignorância, um desconhecimento de causa.


Quando Deus leva um filho Seu para o deserto, Ele não tem uma visão circunstancial; Ele sempre tem em mente o resultado que quer produzir. Deus lhe conduzirá para o deserto, mas também lhe levará para a terra que mana leite e mel, um lugar de glória, um caminho maior. O Pai perfeito, com quem você tem aliança, só tem pensamentos bons para os seus filhos. Ele é um Deus bom e nEle não habita injustiça.

Deus colocou Abraão no deserto e não teve dó da sua economia, nem do seu contexto familiar, pois o Senhor o estava chamando para uma obra maior, um contexto melhor. Deus sabe que os propósitos do coração dEle são maiores do que aqueles qualquer homem possa projetar. Precisamos ter essa consciência, porque assim deixaremos que o Senhor nos leve por onde Ele quiser.

O Senhor tirou Moisés dos palácios, do melhor que Faraó poderia oferecer no Egito e o lançou no deserto de Midiã para tratar o seu coração. Depois o fez retornar ao Egito para resgatar um povo para o qual Deus projetou um sonho especial. Agora Moisés é levado a atravessar o deserto, não mais sozinho, mas com toda a sua família, todo o seu povo. Era uma tarefa maior. O alvo era a terra que mana leite e mel.

Ora, se o desejo era do coração de Deus, se era propósito específico do coração do Pai levar o povo para uma terra que mana leite e mel, por que o Senhor não os transfigurou? Era possível fazê-los sumir do Egito e fazê-los aparecer diretamente na terra prometida? Sim, Deus é o Todo-poderoso. Mas, Deus determinou que Moisés e Israel atravessariam todo um deserto por causa de um propósito divino. O Senhor precisava tratar o povo (Dt. 8). O novo de Deus na nossa vida não pode ter a forma do velho. Deus não pode derramar o seu novo numa forma velha. É por isso que Ele precisa quebrar a forma velha e fazer uma forma nova para que o novo seja feito como Ele sonhou e desejou. Assim será na sua vida. Desprenda-se da forma velha e deixe Deus fazer o novo em você, pois o novo é mais precioso, mais poderoso, mais especial.

A Bíblia mostra-nos também que os profetas foram ao deserto. Vemos Elias no deserto, Eliseu no deserto. Grandes homens de Deus! Deserto não é sinônimo de derrota para ninguém que tem o chamado de Deus. Deserto é lugar de formação de caráter, formação de propósitos e objetivos.

Para que não nos restasse dúvidas, Deus pegou o seu único filho e o enviou para o deserto.
O texto de Mateus 4 nos diz que depois do batismo, depois que o Pai dá o testemunho que Jesus é Seu filho, o Espírito Santo o conduz ao deserto para ser tentado pelo diabo. Você poderia perguntar: que pai desnaturado é esse, que pega o filho pela mão e o leva ao deserto? Essa é a leitura comum, é a leitura que Satanás quer que façamos. Mas, a leitura correta é: Deus é tão tremendo e tão bom, acredita tanto nos seus filhos que é capaz de pegá-los pela mão para atravessarem um deserto, mesmo sabendo que Satanás está lá com todas as armadilhas.

Filhos de Deus não foram feitos para caírem em armadilhas malignas. Não foram feitos para perecerem no deserto. Nós estávamos na velha vida e Deus nos levou para a nova vida. Esse período de reconstrução é um deserto. Mas, Deus está lhe dando o modelo de vencer o deserto. Ele lhe dará algumas percepções para vencer no deserto.

1. Quando somos filhos de Deus, quem nos coloca no deserto é o próprio Deus
Você pode não gostar, mas é isso mesmo! É Ele quem lhe leva para o deserto, porque o diabo não manda nem conduz vida de filho de Deus para lugar nenhum. O diabo não tem bússola, nem rota para conduzir filho de Deus. Em filho de Deus quem manda é Deus. O nosso Deus não tem os receios que temos. Se precisarmos de tratamento, Ele vai nos tratar. Se há alguma coisa que precisa ser arrancada, Ele vai arrancar. Deus não quer proteger as coisas ruins que estão dentro de você. Ele quer lhe tratar e o fará mesmo que tenha que lhe colocar no deserto. Mas, saiba que mesmo no deserto o Senhor está com você todos os dias da sua vida.

2. O deserto é um lugar que Deus escolheu para sermos provados e aprovados
Você pode se questionar: como podemos ser levados para o deserto para sermos provados? Isso não é a pior coisa para o filho de Deus. A pior coisa é para satanás, porque nesse exato momento Deus põe o diabo numa fria. Quando você entrar no deserto, pule, sorria e grite: diabo, você está perdido! Você vai me tentar, mas eu serei aprovado!

Vida de filho de Deus é a mesma vida que Deus tem. A Bíblia nos instrui que Deus é fogo consumidor e vida de crente é fogo que consome (Dt. 4:24). Deus, então, envia seu filho para o deserto para dizer: vou te consumir, satanás. O diabo prova que filho de Deus tem natureza de Deus. Isso é muito amargo para o diabo.

Quando Jesus entrou no deserto, o diabo esperou quarenta dias para tentá-lo. Deus estava impondo um castigo para o diabo, porque Jesus tinha uma vida em plena comunhão com o Pai. Jesus venceu o diabo e mais uma vez o inimigo sentiu o gosto amargo da derrota. Todos que vencem a satanás terão autoridade inconteste no planeta Terra. Quando Deus lhe coloca no deserto é para lhe graduar e para fazer com que você ande nesta terra numa autoridade poderosa sobre as trevas.

Você acha que Deus ia colocar Jesus no deserto para entrar numa fria? A fria é para satanás! Quando Jesus entrou no deserto, mais uma sentença de derrota estava estabelecida para o diabo. Deserto é o lugar que Deus escolheu para que Seus filhos sejam provados e aprovados!

Qual é a base da pergunta de satanás para Jesus? "Se és filho de Deus..." Quem é que vence o deserto? Filho de Deus! Filho de Deus tem um destino: vencer no deserto. O deserto serve tão somente para atestar a nossa natureza. Se não é filho, perece vergonhosamente. Se é filho, satanás vai amargar uma derrota, pois vai provar e não vai gostar do que provou.

Caminhe pelo deserto seguindo os passos de Jesus. Sua rota tem que ser a rota de Cristo. Se você quer vencer o deserto, tem que falar a palavra de Cristo, tem que viver a vida de Cristo, tem que caminhar os passos de Cristo. Isso porque se há murmuração, a murmuração se coloca entre você e Cristo e você entrará por uma rota perigosa, que pode lhe levar à queda. Mas, Deus em Sua infinita misericórdia lhe levantará, mesmo que você caia. Nunca esqueça: para vencer o deserto é preciso estar em Cristo.

3. Existe um elemento que lhe ajuda a vencer o deserto: jejum

O jejum é arma para vencer o deserto. Jesus, no deserto, estava jejuando. Por quê? Porque ninguém vence o deserto cheio de si. Ninguém vence o deserto cheio de carnalidade. Só vence o deserto aquele que se esvazia de si mesmo para receber o conteúdo de Deus.

Jejum é uma arma de vitória no deserto. Você precisa viver jejuado. O jejum é uma linguagem de esvaziamento. É quando você está vive debaixo do seguinte princípio: eu não quero viver por mim mesmo, mas eu quero que Cristo viva em mim (Gl. 2:20).

4. O inimigo sempre atacará com grandes ardis quando você estiver próximo da vitória.

A Bíblia diz que Jesus jejuou por quarenta dias e ao final teve fome (Mt 4:2). Neste momento, surge o tentador. Parece até que é uma regra espiritual: quando estamos perto da vitória, surge algo ruim.

Mas, isso atesta que você precisa de um pouco mais de tratamento. Isso porque ninguém é aprovado por Conselho de Classe no deserto. No reino espiritual não tem como você ganhar alguns décimos "de graça", porque tem um bom comportamento, ou é esforçado. Deus quer que você passe com nota máxima. Ou é aprovado ou então terá que enfrentar o deserto novamente.

Deus não vai aliviar o deserto para você, porque desertos não vencidos são desertos repetidos. Se você não vence um gigante na sua vida, ele virá lhe enfrentar novamente. Mas, se você o vence e o destrói, nunca mais você verá a cara dele.

Decida por seguir a Jesus em qualquer situação. Quando as lutas estiverem grandes demais, tenha a certeza que a vitória está chegando. Não tire os olhos de Deus, não tire os olhos da promessa, fique firme, submeta-se a Deus, resista ao diabo e ele fugirá de você.

5. O inimigo lhe atacará quando perceber que você está profundamente desejoso ou extremamente necessitado.

Sentimento de necessidade, principalmente na área material, na maioria das vezes, é justificado por satanás. A ansiedade de ter as coisas leva a precipitação, a precipitação leva a atitudes erradas e atitudes erradas levam a derrota. É todo o esquema que o diabo monta para derrotar você no deserto.

Deserto é lugar de mover-se estrategicamente. O povo de Israel, quando passou pelo deserto, montava tendas nas horas do sol quente; quando o sol baixava, trabalhava, movimentava-se. Quando estamos no deserto, precisamos aprender a economia do deserto. Trabalhar no deserto é diferente de trabalhar na Terra de Canaã; o esquema de trabalho é outro. A forma de gerar recursos no deserto é muito diferente. A água que bebemos no deserto é apenas a quantidade necessária para o suprimento do dia. No deserto não temos como beber mais de dois litros diários de água para a pele ficar bonita. No deserto, não temos como fazer um enorme prato de comida. Você come o suficiente. O grande problema é que há muita gente no deserto querendo viver a vida de Canaã. Não se vence deserto com desordem, mas com estratégias.

Satanás olhou Jesus aos 40 dias de jejum e pensou: é agora que ele vai fazer qualquer coisa para comer. Jesus sentiu fome e sede desde o primeiro dia de jejum. Imagine, então, no sétimo dia, no trigésimo dia, no quadragésimo dia! Jesus estava muito fraco, muito debilitado. Jesus estava no extremo do seu limite, sentindo a fome que mata; ou ele comia, ou morria. O diabo sabia disso e aproveitou o momento de grande necessidade para tentar Jesus. Satanás mostra as pedras e testa Jesus dizendo: se tu és filho de Deus, transforma pedras em pão. Provavelmente Jesus imaginou aquele pão quentinho, sentiu aquele cheirinho gostoso de pão que terminou de assar. Mas, Jesus lhe respondeu: "Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus." (Mt. 4:4). Foi um a zero para Jesus.

Filho de Deus não se deixa corromper. Mesmo em meio a necessidade mais profunda, filho de Deus responde: nem só de pão viverá o homem. Não precisamos provar nada para ninguém. Só quer provar alguma coisa aquele que não tem segurança do que é. O diabo tenta jogar em Jesus dúvida com relação a sua natureza: SE tu és filho de Deus... O diabo estava dizendo: prove, Jesus, que você é filho de Deus. Mas, Jesus lembra a Satanás que no Trono não há crise de identidade. Deus não passa por crises de identidade e você está em Cristo. Quem tem que ficar em crise é o diabo.

Depois o diabo levou Jesus para o pináculo do templo. Neste momento o diabo tenta encher o coração de Jesus de vaidade. Quando Jesus estava sozinho e com fome naquele deserto o diabo disse: "pula daí porque está escrito: aos seus anjos darás ordens a teu respeito para te guardarem em todos os teus caminhos." Jesus respondeu dizendo: "também está escrito: Não tentarás ao Senhor teu Deus." Dois a zero para Jesus! O diabo não conseguiu tentar Jesus pelo orgulho e pela vaidade, porque a essência de um filho de Deus está nas mãos de Deus e não a serviço de satanás. Você é filho de Deus e não uma pessoa à venda; você não é alguém que está negociando o seu caráter. Você é filho de Deus e aquilo que você vai conquistar, quem vai lhe dar é Deus. Você não precisa dos favores das trevas. Filho de Deus precisa ter isto bem estabelecido dentro de si: você não precisa negociar o seu caráter nem a sua identidade; você não precisa dos favores das trevas.

Depois destas coisas, o diabo novamente tenta a Jesus dizendo: "Está vendo a glória deste mundo? Tudo isso te darei se prostrado me adorares." Jesus se indignou com aquela palavra que era completamente incabível. Quando isso ocorre, Jesus diz: "Chega! Vai-te satanás porque está escrito que somente ao Senhor teu Deus adorarás e somente a Ele servirás". Tudo o que satanás quer é serviço e adoração.

Diante de tudo isso que descrevemos, você pode perceber que quem está em crise é o diabo. No deserto, o diabo quer transferir as crises dele para você aproveitando-se da sua necessidade. Jovens solteiros, que estão com necessidades sexuais, ajoelhem-se e vão adorar a Deus, porque vai chegar o seu tempo; não prestem serviço a satanás. Mulheres que estão querendo afagos e carícias para se sentirem aceitas, vão abraçar a Jesus de Nazaré porque Ele vai mandar o seu ungido; não se entreguem! Não prestem favor a satanás e nem adorem a ele.

Não deixe o diabo lhe humilhar, pois isso não combina com filho de Deus. Quem tem que estar humilhado é o diabo, pois Deus estabeleceu que o diabo estará debaixo de seus pés. É você quem subjuga o inimigo. Ao repreender o diabo, Jesus diz: "Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás." Jesus não diz "ao Senhor MEU Deus...", porque Jesus não tem crise, não tem nenhum problema com relação a Deus. Ele diz para o diabo: você que está em crise, você não é Deus, por isso, vá adorar a Deus, o único criador dos céus e da terra. Entenda uma coisa: o diabo não é Deus e o deserto é o melhor lugar para vencer o inimigo, porque ele não é Deus. O diabo quer tentar mostrar que é dono de tudo, mas Jesus o desmascara e diz: diabo, você não é Deus.

Lembre-se: o inimigo vai atacar quando você estiver profundamente desejoso e necessitado. Mas, as suas necessidades não justificam suas transgressões. As suas necessidades mais ardentes não lhe eximem da responsabilidade de caminhar de acordo com a Palavra de Deus. Deus deixou Jesus num nível de fome que parecia o fim, a morte. Deus estava dizendo: Meus filhos podem ter as necessidades mais ardentes, mas não hão de Me negar, nem transgredir os Meus princípios, porque são Meus filhos e caminharão de acordo com a natureza que possuem.

No deserto, não confunda os objetos e os objetivos do seu propósito. No deserto não se transforma pedra em pão, come-se Palavra de Deus. No deserto não se prova poder, se é submisso a vontade de Deus. No deserto não se negocia autoridade espiritual nem se estabelece um deus diferente, no deserto provamos que Deus é o nosso Deus. Se Deus é o nosso Deus no deserto, Ele há de ser em qualquer lugar.

6. O deserto é um lugar de forjar a identidade.
Só vence no deserto quem sabe quem é. Se você vive na eterna dúvida se é crente ou não, se é líder ou não, se é amado ou não, se é próspero ou não, o seu deserto será aumentado. Deserto é lugar de forjar identidade. Se você sabe que é filho de Deus no deserto, você o é em qualquer lugar; você não negocia a sua identidade.

7. O deserto é o lugar de provar as intenções, os objetivos e os valores.

No deserto, o diabo diz: transforme pedra em pão; precipite-se daqui abaixo; prostre-se me adorando e eu lhe darei as riquezas desta terra. Há muito crente, infelizmente, negociando a sua autoridade, deixando que sua vida seja desvalorizada. Você é valoroso! É no deserto que você vai provar isso. Então, não negocie a sua autoridade espiritual. Fique firme! Tem muita gente que troca sua vida espiritual pela primeira oportunidade de fama, que deixa as células por causa de problemas que está passando, por causa de outras prioridades. Se você troca o Reino de Deus por coisas deste mundo, o seu próximo passo é perecer no deserto, pois prova que não tem valores. Mas, o Senhor tem a graça estendida para você e quando você levantar, ficará firme, pois deserto forja caráter e identidade. No deserto, os seus valores são provados. Se o Reino de Deus é prioridade na sua vida, no momento do deserto, há de ser em qualquer situação.

O diabo vai querer reivindicar muita coisa de você, vai querer sua rendição total. Mas você precisa entender que você, enquanto pessoa, representa tudo que você é, tudo que você tem e tudo que você poderá fazer e conquistar. Quando você se rende ao pecado ou ao diabo em alguma situação, você rende a você, rende tudo o que você tem e rende tudo que você poderá conquistar. É um comprometimento tão profundo que não vale a pena. Então, a sua atitude deve estar voltada para o diabo? Não! Para a tentação? Não! Para Deus? Sim, ainda que lhe custe a vida.

8. Você determina o tempo do seu deserto
O seu comportamento determina o seu tempo no deserto. Diante de Deus, tudo na nossa vida tem um tempo cronometrado, porque o Senhor é o Senhor do tempo na nossa vida. A primeira geração de Moisés morreu no deserto por causa da maledicência. Deus havia lhes falado que o caminho do deserto era de três dias. Todo deserto na vida de filho de Deus é cronometrado, tem um tempo certo, tem uma duração. Confie em Deus, marche firme com Ele porque os tempos se cumprirão e você vai pisar na terra de Canaã. Determine que nem um dia a mais você passará no deserto por sua conta, ou por causa da atitude do seu coração. O deserto de Jesus era de quarenta dias e ele o cumpriu exatamente. Deus sabe o tempo de deserto na sua vida. Fique firme! A sua atitude determinará o tempo que você passará no deserto.

10. Todo deserto tem um fim
Não existe deserto infinito. A única coisa infinita nesta vida é a eternidade que está nas mãos de Deus. Tudo tem limites. Deserto tem limite e o fim de todo deserto na vida de filho de Deus é terra que mana leite e mel. Ora, quando entramos no deserto não devemos ter os olhos fixos nos problemas do deserto, mas na terra de Canaã. Assim, você passará pelo deserto olhando para Canaã. Na vida de filho de Deus, deserto é lugar de passagem. A Bíblia lhe diz: "Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque Tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam." (Sl. 23)

11. A sua boca determina o tamanho do seu deserto
A sua confissão determinará o tamanho do seu deserto. Então, o que você precisa fazer é confessar a Palavra de Deus. Se você não tem forças, vá até seu discipulador, conte a sua situação e peça que ele lhe indique os textos bíblicos para que sua fé seja fortalecida. Jesus confessou a Palavra e venceu. Siga também o exemplo do Mestre.

12. O deserto é um lugar solitário
Moisés tinha um povo imenso no deserto, mas ele se sentia sozinho. No deserto Deus trata com você. Se você tentar cortar caminho no deserto, Deus vai fechar a porta, porque você precisa sair do deserto como vencedor, porque buscou em Deus os seus recursos. Às vezes você vai procurar pessoas para solucionar os seus problemas e não as encontra. É Deus fechando as portas para você aprender a procurar por Ele. É Deus que você tem que achar. Você é filho de Deus e é o Pai que envia os recursos para você. Deus é o seu refúgio e fortaleza, socorro bem presente na hora da angústia. Não queira levar outras pessoas para o seu deserto. Vá só, porque o tratamento é seu. É com você que Deus quer tratar; é o seu caráter que Ele quer forjar; é a sua maledicência que ele quer tirar para que você se manifeste como um filho genuíno dEle.

Todo deserto que nos leva a um encontro com Deus vale a pena. Não sei o que está lhe afligindo, não sei qual o seu deserto, mas tenho a certeza que o final disso é você conhecer um Deus maravilhoso. Deus vai lhe mostrar onde quer lhe tratar, porque Ele lhe criou para o louvor da Sua glória. Então lembre-se de que o deserto que você está é um lugar sozinho, não coloque a culpa em ninguém, olhe para Deus, Ele é o seu refúgio, a sua fortaleza, o seu socorro bem presente na hora da angústia.

Você tem um deserto? O lugar da direção do seu deserto é para Deus. Jó entrou num grande deserto e no final, ele pôde dizer: "antes eu te conhecia de ouvir falar, mas agora os meus olhos te vêem." No final do deserto de Jesus os anjos vieram e o serviram. Se você é filho de Deus, e você entrou em um deserto, o final desse deserto é você ver a Deus em sua glória e ser servido por anjos. Jó viu a Deus e Jesus foi servido por anjos.

Veja agora o seu deserto e tenha a certeza de que a partir de agora você pode caminhar pelos princípios do Senhor Deus e da Sua Palavra e ter a certeza que nada na vida de um filho de Deus vem por acaso, há um propósito de Deus. No deserto você terá um encontro com o Senhor da vida e o final do seu deserto é a terra de Canaã. Deserto na vida de crente é encontrar-se com o Senhor da vida, Jesus Cristo.

Deserto não é um lugar agradável. Não estamos fazendo apologia a deserto, mas temos a convicção que filho de Deus vence aonde quer que ele esteja, porque é filho de Deus.
Há formas de vencer o deserto. O deserto financeiro se vence com fé e fidelidade, com dízimos e ofertas. O deserto emocional se vence com amor. O deserto familiar se vence com amor, compreensão e renúncia. O deserto que Deus não colocou na sua vida se vence com arrependimento; esse é o deserto que Deus não estabeleceu para nós; é o deserto que o diabo e que nós procuramos, que o nosso erro causou; esse deserto se vence com confissão e arrependimento.

O deserto do vazio do coração se vence com a presença de Deus. O deserto dos traumas se vence com a cruz que vem da Cruz de Cristo. O deserto da rejeição se vence com aceitação. O deserto da mágoa se vence com perdão; não é simplesmente uma decisão de perdoar ou não, é de vencer o deserto ou não vencer, de prolongar o deserto ou não; perdoe! Perdoe primeiro com a força do mandamento, porque depois virá o perdão com a força do sentimento. Persista! Siga firme! Não desista, porque a vitória é para aqueles que persistem. E, uma vitória real se constrói com Jesus.

Autor: Espirito Santo de Deus.