terça-feira, 21 de agosto de 2012

Maçonaria - Saiba a Verdade...



Maçonaria - Saiba a Verdade


A Maçonaria tem sido um dos maiores alvos da curiosidade de várias pessoas há tempos. É considerada a maior fraternidade secreta do mundo. A sua influência no mundo (comunidades, nações e organizações internacionais) tem sido alarmante e de significativa envergadura. Calcula-se que haja em torno de 6 milhões de membros no mundo e cerca de 150 mil no Brasil, é o maior número de maçons na América Latina, sendo em maior número que na Itália, Espanha, Portugal. Ao que dizem, a influência da maçonaria no Brasil é cada vez maior, bem o contrário do que ocorre em outras partes do mundo.

Sendo uma sociedade fechada, ela se autodefine como segmento filantrópico, filosófico, educativo progressista. O interesse pelo que está oculto têm atraído muitos a ela como insetos em plantas carnívoras.

“O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento”. (Os 4.6)


I. ORIGEM E FUNDADORES
Muito se fala sobre a origem da maçonaria. Alguns consideram a Tubalcaim como o primeiro maçom (este foi o pai dos que trabalham com cobre e ferro, Gn 4.22). Depois segue a Ninrode, fundador de Babilônia (Gn 10.8,9; 11.1-9). Um dos mais venerados é Hiram Abif, que ajudou na construção do templo de Salomão e do qual a Bíblia diz ser ele um especialista em bronze, mas aos olhos da maçonaria ele é considerado como sendo um arquiteto. Ele é tido como Mestre (3o grau maçom) e seus ajudantes como Companheiros (2o grau), sendo que estes o assassinaram em busca do Segredo da Palavra. Há uma conturbada história de uma suposta ressurreição e diz-se que os segredos do Mestre são guardados até o seu descobrimento na Idade Média. A maioria dos eruditos, no entanto, afirmam que sua origem deve-se aos itinerantes artífices da pedra,os quais foram libertos da servidão de seus mestres a partir dos séculos XIII e XIV.


Uma outra crença, uma das mais difundidas diz que teve início em 24 de junho de 1717, em Londres, Inglaterra. Sendo os seus fundadores, dois pastores: James Anderson (anglicano) e Jean Theophile Desaguilliers (huguenote). Esse acontecimento se deu mediante a união de quatro lojas, formando a Grande Loja, da qual todas as demais lojas restantes do mundo devem sua origem.


Os maçons (pedreiro em francês) deixaram de se restringirem a apenas artesãos e colocaram uma abertura a outros também. Com isso, seu crescimento deu-se de forma extraordinariamente rápida. Sendo que na França, Itália, Espanha, Portugal, Prússia e em vários outros países, a maçonaria se tornou o centro de intelectuais e aristocratas, bem como de religiosos e de políticos da alta sociedade (às vezes permitido, às vezes de forma clandestina). Vindo a se tornar uma das influências mais poderosas e intocáveis dos séculos XVIII e XIX, sendo que por sua força gerou inúmeras mudanças políticas no mundo. Mas mesmo tendo pessoas ilustres assim, não os livra de terem muita coisa herdada do paganismo e religiões ocultistas medievais.


No Congresso Maçônico Internacional realizado em 1899 foi afirmado que a fraternidade assumira o lugar central de todos os movimentos revolucionários do mundo no século XIX. É tido pelos historiadores que a maçonaria fornecia as estruturas clandestinas para planejar e financiar as lutas revolucionárias para a independência. Os movimentos da Inconfidência Mineira, Carioca e Baiana vêm de cunho maçônico.


Líderes de grande destaque foram maçons: D. Pedro I (Grão-Mestre) e conforme um historiador do 33o, “tanto a libertação do Brasil do domínio português quanto a passagem da Monarquia para a República ‘foram movimentos idealizados, preparados e tornados realidade’ pelas lojas da maçonaria”.[1] Outros líderes: José Bonifácio, Frei Caneca, Aleijadinho, Tiradentes, Castro Alves, Rui Barbosa, José Garibaldi, Marechal Deodoro da Fonseca, Marechal Floriano, Duque de Caxias, Campos Sales, Padre Diogo Feijó. Entre autoridades internacionais estão: George Washington, Voltaire, Goethe, Lessing, Beethoven, Haydn, Mozart, Frederico, o Grande, Napoleão Bonaparte.



II. QUESTÕES BÁSICAS

São geralmente conhecidos com o nome de Loja Maçônica. Aproximadamente 4 milhões somente nos Estados Unidos e 2 milhões no restante do mundo. Sua meta é a conversão do mundo aos ideais maçônicos.


Tem como teologia o politeísmo, o sincretismo e o monismo. Sua prática é a de ritual secreto, busca espiritual particular. Seus antecedentes históricos são os chamados de mistérios pagãos antigos, sindicatos comerciais medievais e práticas ocultas, como: cabala, numerologia, astrologia, mitologia. A esfera de influência alcançada: Igreja, educação, comércio, política, entidades filantrópicas. A sua dinâmica oculta: misticismo da Nova Era, potencial para desenvolver estados alterados de consciência ou espiritismo.


Tem como fonte de autoridade: Ritual (ou doutrina) maçônico (a); Grandes Lojas: Líderes maçônicos de destaques. Não tem um líder geral, uma voz oficial, praticam a liberdade de pensamento e expressão.


A atitude para com as demais religiões é a de condescendência. É uma religião ecumênica, aceitando pessoas de todas as crenças.


Muito embora que declaradamente a Franco Maçonaria não assuma ser uma religião, ela é dotada de uma visão politeísta, é sincretista e monista.Tem como base a Loja Azul, que podemos chamar de a "capa do livro". É dividida em três hierarquias: 1) Aprendiz, 2) Companheiro e 3) Mestre, sendo que estes são rasos conhecedores da verdadeira doutrina. Saindo da loja, passamos a divisão em dois ritos: o de Iorque e Escocês. O grau mais elevado é o 33º, que no Brasil é chamado Grande Inspetor Geral.


Possuem como estratégia de crescimento uma arma poderosa. “A Maçonaria tem em mãos um grande trunfo para crescimento numérico: os segredos. A maioria dos adeptos adentram a Maçonaria por curiosidade. A promessa de revelação de grandes segredos atraem muitos como açúcar atrai formiga.Quando alguém detém mais conhecimento que outros, tem sobre este, certo poder. Não é por menos que a maioria dos maçons são homens de destaque social, o que constitui também um atrativo. A coisa toda funciona como uma teia de aranha, onde as moscas cada vez mais se prendem. (grito deles). Para que haja um alcance maior na sociedade criou-se segmentos entre as mulheres, moços e moças. São eles: Estrela do Oriente - mulheres parentes de maçons. Demolay - para rapazes. Filhos de Jó - para moças”.[2]


A liturgia (ritual) maçônica diz ser a vestimenta de sua doutrina. Ele não é fácil de se definir, pois varia de jurisdição e rito. Passando por uma evolução constante, não se prendeu mas a um, mas a muitos rituais. As reuniões, ou capítulos, constituem-se em uma abertura com cânticos. Declara-se então postos e funções dos oficiais, os quais são honrosamente apresentados. São lidas as minutas, membros doentes são mencionados e se há algum a ser iniciado, assim se faz. Isso leva em média duas horas, sendo seguida de uma hora social. Estes rituais tem um claro intuito de aliciar mais membros. O que passar disso é secundário.


A iniciação na maçonaria somente se dá por meio de indicação por um maçom, no mínimo. Não é aceito se a pessoa quiser por si mesma se apresentar voluntariamente. Após ser indicado, o candidato deverá apresentar uma série de documentos, dentre eles, as certidões negativas de cartórios de protestos e de distribuidores judiciais. Feita a proposta, se a Loja escolhida quiser levar o processo adiante, o candidato será indicado por três maçons, nesse processo evidentemente já se saberá se ele possui as qualidades necessárias para se tornar um bom maçom, ou, segundo o jargão maçônico, se ele é “um homem livre e de bons costumes”.


As doutrinas são chamadas Landmarks (antigas leis que regem a maçonaria universal), e de forma geral resumem-se a três pontos: Paternidade universal de Deus, Fraternidade Universal dos Homens e a crença na Imortalidade da alma.


Apoio Maçônico à Igreja. Nota-se que no início da obra evangélica no Brasil, a maçonaria apoiou mediante sua força política econômica, a implantação de alguns grupos protestantes, como os batistas e os presbiterianos em nosso país. Esse apoio ajudou os pioneiros protestantes a conquistarem um espaço numa cultura predominantemente romanista. Agora, isto não quer dizer que sem o apoio deles as igrejas protestantes não teriam tido sucesso, pois Deus poderia ter usado outros meios como seus instrumentos. A Bíblia está repleta de exemplos de como Deus utilizou pessoas incrédulas para o cumprimento de seus propósitos em relação ao seu povo. (Is 45.1-4; Jr 25.9; 27.6-8).


Ideologia Maçônica:

Deus: Unitário, deísta, panteísta.
Nome de Deus: O Grande Arquiteto do Universo; Jabulon.
Cristo: Homem sumamente bom.
Homem: Interior divino.
Pecado: Falta de caráter ignorância da realidade espiritual.
Salvação: Pelas boas obras, caráter.
Bíblia: Símbolo da verdade divina.
Vida após a morte: Universalista.


Temas-chave: Paternidade universal de Deus – fraternidade universal do homem; imortalidade da alma; busca religiosa da iluminação espiritual.



III. ENSINOS E REFUTAÇÃO BÍBLICA

1) Bíblia

A Bíblia uma das três grandes luzes (o esquadro e o compasso, são as demais). É dito como símbolo da vontade de Deus e é colocada apenas como objeto de decoração na loja. É colocada lado a lado com livros pagãos, como: Alcorão, Vedas, Livro de Mórmon.

O maçom usa a Cabala (uma interpretação oculta que os rabinos davam à Bíblia) para interpretar a Bíblia e ele a reinterpreta para significar o que ele deseja.

Tira-se o nome de Jesus Cristo da Bíblia quando a citam. Citando um escritor maçom: “A Maçonaria não tem nada que ver com a Bíblia; não está baseada na Bíblia, pois, se estivesse, não seria Maçonaria, seria alguma outra coisa”. [The Digest of Masonic Law, pg 207-209][3]

REFUTAÇÃO BÍBLICA: A Bíblia é inspirada por Deus e a única fonte para o cristão, somente nela encontramos o caminho para o Senhor Jesus Cristo e a salvação (2Tm 3.16,17; 1Ts 2.13; 2Pe 1.19-21; 2Co 11.3; Pv 30.4,5).


2) Deus

Crêem na paternidade universal de Deus, portanto, Deus é o Pai de toda humanidade, independente de crença religiosa, sendo que Deus não se revela de forma específica, mas tão somente através da natureza e da consciência do homem. Ele é inatingível, incognitível e distante. Tendo pouco a se dizer sobre Ele, pouco também haverá para se discordar a seu respeito. Não importa em que você crê, pois em nada alterará sua posição para com o Pai. Afirmam que está aberto um leque de escolhas onde você pode chegar-se a Ele através de Buda, Maomé, etc.

Chamam a Deus de G.A.D.U. (Grande Arquiteto do Universo). Esta definição engloba todos os conceitos de Deus sustentados por todas as religiões. Por causa disso pode-se chamar a Deus da maneira como quiser: Deus, Grande Arquiteto do Universo, Grande Artífice, Grande Mestre da Grande Loja Celestial, Jeová, Alá, Buda, Brahma, Vishnu, Shiva, etc. Tem como nome segredo para Deus o de Jabulon, Jeovah, e juntamente com Bel ou Ball e Om formam a “Trindade Maçônica”. Veja: Ja (Jeová) – Bul (Baal Peor, o deus cananita) – Om (o deus sol dos egípcios ou Osíris).

Ensinam o panteísmo, Deus é tudo e tudo é deus. Para a maçonaria Deus não é o Criador da natureza, mas a própria natureza é Deus. Seus adeptos podem praticar o politeísmo.

Ensinam que o homem que é maçom é Deus. “No Livro ‘Grau de Aprendiz e seus Mistérios’ pg.16, consta: ‘O Maçom, o Super-homem’, pode dizer: No princípio era Eu, Eu era com Deus, e EU SOU DEUS”.[4]

REFUTAÇÃO BÍBLICA: O homem é uma criatura de Deus (Jo 1.12; Rm 8.15,15; Mc 16.15). Deus Se revela ao homem (Rm 1.19,20; Sl 19.1; Jo 1; Hb 1.2; Rm 2.15; Pv 20.27; Rm 15.4; 2Tm 3.16; Ex 3.14; Jo 2.3; Is 40.18; Ex 20.4; Is 42.8; 44.6; Sl 115.3,4; Jo 14.6). Deus é reconhecido em uma Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, não três deuses, mas um Deus em Três Pessoas distintas (Mt 3.16,17; 1Co 12.4-6; 2Co 13.14; Jd 20.21; Jo 10.30; 8.58; 1.1; At 5.3,4; 1Jo 5.20).


3) Jesus Cristo

Trata-se apenas de um fundador de religião, da mesma forma como Krishna, Maomé, Pitágoras, etc. Dizem que Ele pregou a mensagem da verdade única: todos somos filhos de Deus e Deus é o Pai de todos.

Seu nome é eliminado nas orações (é proibido orar em Seu Nome) e leituras das Escrituras na loja, sendo que a discussão sobre Cristo é proibida na Loja.

O que ofende os judeus é a declaração do cristianismo que Jesus Cristo é Deus, portanto, a maçonaria espertamente omite o Seu nome.

Quando usam datas em seus documentos, eles mudam o calendário, aliás não usam o nosso calendário aceito em todo o mundo, usam um sistema de referência que evita qualquer referência a Jesus: “Os maçons, ao fixar data nos seus documentos oficiais nunca fazem uso da época comum ou da era vulgar, mas têm uma que lhes é peculiar”.[5] Para os maçons, Cristo é considerado apenas “um grande mestre de moralidade”.

Não se pode mencionar os ensinos de Cristo sobre a vida futura.

Para os maçons, Jesus Cristo dos 12 aos 30 anos, permaneceu longos desses anos com os monges do Tibet sendo ali conhecido com o nome de Profeta Issa.

O cristão para se tornar membro da maçonaria tem que desobedecer a Cristo, ele tem que fazer juramentos de nunca revelar e ocultar os segredos da maçonaria. Há os seguintes juramentos, das diversas ordens: Juramento do Rito Escocês; Juramento do Rito Adoniramita e Juramento do Rito Francês. Ele deve obedecer ao Mestre e não a Cristo. O rito de iniciação exige indiretamente que o cristão renegue a sua fé em Jesus Cristo.

REFUTAÇÃO BÍBLICA: Jesus é o verdadeiro Deus e verdadeiro homem (Jo 1.1;14; Is 7.14; Mt 1.21-23; 1Jo 5.20; At 4.12; Jo 10.30-33). Devemos orar em Seu nome (Jo 14.13,14; 1Tm 2.5; Jo 14.6). Quem se envergonhar de Cristo será envergonhado (Mt 28.19; Mc 16.15; Mt 10.32,33; 1Jo 4.3). A Bíblia não menciona nada da vida de Cristo (12-30 anos), senão apenas que era carpinteiro e conhecido por todos cada assim (Mc 6.3). Juramentos praticados pela maçonaria é condenado na Bíblia (Mt 5.34,35; Tg 5.12). devemos tomar muito cuidado quanto pronunciamos qualquer palavra, especialmente se for dirigida a Deus (Ec 5). Deus exige e requer do cristão obediência irrestrita e exclusiva a Cristo (Jo 14.15; 1Jo 2.3; At 5.29).


4) Salvação

Para a maçonaria a salvação é obtida por meio das obras. Ensinam que o caminho para a salvação não é por meio de Jesus Cristo. Esse caminho de obras é representado por uma escada, que representa em seus três primeiros degraus: a fé, a esperança e a caridade, mostrando um meio de se avançar da terra ao céu, da morte para a vida, do mortal para o imortal. Para eles, o pé do iniciante é colocado no andar térreo da loja maçônica, a qual é o tipo do mundo e seu cume a loja, a qual é símbolo do céu.

É caracterizada pela ausência total de conceitos como pecado e arrependimento. O homem é visto apenas como imperfeito e não-iluminado. O homem por si mesmo desenvolve o seu próprio conceito de Deus, chegando assim a salvação. “A maçonaria promulga a idéia de que, através dos seus próprios esforços, o homem é aperfeiçoado e torna-se aceito perante o G.A.D.U. A regeneração, ou conversão, é essencialmente um processo da alma humana”.[6] O homem maçom, desse modo, atinge a Loja Celestial. Tem o conceito de que somente a maçonaria é capaz de redimir a humanidade.

Segundo eles, a salvação pela fé e pela redenção não era ensinada por Jesus Cristo e seguir este ensino que dizem ser recente é um crime. Portanto, a salvação se alcança sem Jesus.

Crêem na imortalidade da alma. Concluindo que Deus é o Pai de todos, e que assim somos todos irmãos, nada resta senão a salvação de toda a humanidade, rumo ao Oriente Eterno.

REFUTAÇÃO BÍBLICA: A salvação não é por meio de obras. A fé, a esperança e a caridade da maçonaria não estão baseadas em Cristo e sim nas obras humanas, as quais não podem nos purificar (Ef 2.8,9; Tt 3.5). A salvação é por meio do novo nascimento (Jo 3.1-16), em nome de Cristo (Jo 14.6; Rm 10.9,10), um ato da graça de Deus (Rm 11.6). O homem é pecador e precisa se arrepender de seus pecados (Rm 3.23,24)


5) Fraternidade Universal

Acreditando na paternidade de Deus, torna-se conseqüente a crença de que todos os homens são irmãos espirituais. Demonstram aqui a natureza humanista de seus ensinos. O homem é considerado um ser divino, que através de seus próprios conhecimentos pode vir a chegar a ser Deus. Portanto, é incentivada a fé no próprio homem, fazendo dele ou o elevando ao nível de Deus e tornando-o passível de adoração.

REFUTAÇÃO BÍBLICA: Somos criaturas de Deus e feitos filhos de Deus somente quando aceitamos a Cristo como Senhor de nossas vidas (Jo 1.12; Mc 16.15; Rm 8.15). A idéia de ser Deus é originária do diabo (Gn 3; Is 14.12-17; Ez 28.11-19). Os anjos e os apóstolos recusaram adoração (Ap 22.9; At 10.25,26; 14.11-15). A fé depositada em si mesmo, traz ao homem apenas destruição (Is 2.22; Jr 17.5,6).


6) A Grande Ceia Mística

É realizada na quinta-feira da semana santa. Os seus participantes são apenas aqueles “irmãos” que estiverem os graus de 18 a 33 da fraternidade. A mesa é em forma de cruz, estando em cima dela rosas vermelhas, deste lugar o Mestre dirige a ceia maçônica, com o pão e o vinho. Na ceia proferem os dizeres: “Comei e daí de comer a quem tem fome... Bebei e daí de beber a quem tem sede”. Após ele apaga todas as velas de um candelabro, com exceção de uma. Feito isso, anuncia a morte do “Sapientíssimo e perfeito Mestre”, dizendo: “Ele está morto! Lamentai, pranteai e chorai, pois ele se foi”. Durante todo esse rito, anunciam a morte de Jesus Cristo e sequer dizem o Seu nome.

REFUTAÇÃO BÍBLICA: A ceia instituída por Cristo é em memória e até que Ele volte, não é um sacrifício e não é secreta (Mt 26.26-28; 1Co 11.23-26).


7) Ocultismo

Muitos dos grandes membros da maçonaria estão ou foram envolvidos com o ocultismo. Fato esse que escondem com firmeza.

Veja o que é recomendado ao maçom: “Adoramos a um deus, mas é um deus adorado sem supertição. ‘A vós, Soberanos Grande Inspetores Gerais’ [maçons de Grau 33], dizemos isto... para que repitais aos irmãos dos Graus 32, 31 e 30... A religião maçônica deve ser, por todos os iniciados nos graus mais elevados, mantida na pureza da doutrina luciferiana... Sim, Lúficer é Deus, e infelizmente, Adonai [Deus da Bíblia Sagrada] também é Deus... a doutrina do satanismo é uma heresia; e a religião pura e verdadeira é a crença em Lúcifer, que é igual a Adonai; mas Lúcifer, Deus da Luz, Deus do Bem, está lutando em favor da humanidade contra Adonai, o Deus das Trevas e do Mal”. [Lady Queenborough, Occult Theocracy, pg 220-221, citando uma carta de Albert Pike, aos Supremos Conselhos Mundiais, em 14/7/1889].[7]

Para a maçonaria Lúcifer é o “portador da luz” e o maçom não deve duvidar disto. É bom salientar aqui, que cerca de 95% dos maçônicos não sabem desta verdade. No entanto, acreditam cegamente em seus superiores. Esses são segredos ocultos revelados apenas aos que se encontram no 30o acima.

REFUTAÇÃO BÍBLICA: O ocultismo é claramente condenado na Bíblia e a prática de consultar tais crenças também é condenado (1Sm 15.23; Mq 5.12; Ap 9.21; Ex 22.18; Dt 18.9-14). Jesus Cristo é a verdadeira e a única luz (Jo 1.4-9; 8.12). Lúcifer é um anjo criado por Deus e inferior a Deus (Ez 28.11-19; Is 14.12-17; Ap 20.10).



IV. UMA RELIGIÃO IDOLÁTRICA, SINCRETISTA E PAGÃ

A seguir um texto na íntegra da internet:[8]

Assim diz Jorge Buarque Lira, pastor Presbiteriano, maçom, sobre o patrono da maçonaria: “o santo que a Maçonaria adotou como patrono... é São João Esmoler, filho do rei de Chipre... digno... por suas virtudes...”. Também, conhecido por São João de Jerusalém.

Todas as cerimônias são iniciadas no nome de um “santo” qualquer. Ferindo o mandamento de Ex. 20.3, ‘Não terás outros deuses diante de mim’.

Princípio Bíblico: toda adoração e confissão a qualquer deus além do Deus triúno é idolatria. (1Jo 5.20-21; 1Co 6.9-10).

A Enciclopédia Maçônica diz: “O germe e núcleo de toda a maçonaria está em ser funda nos três graus primitivos” (Pg. 753).

Aqui cito o livro: “O Que É A Maçonaria” de Curtis Masil. É um livro que tenho em minha biblioteca pessoal, cujas citações são diretamente dele.

Os 33 graus da maçonaria (segundo o Rito Escocês, o mesmo que domina a maçonaria inglesa, francesa e latino-americana, aonde está incluída a brasileira):

1) Aprendiz
2) Companheiro
3) Mestre
4) Mestre Secreto
5) Mestre Perfeito
6) Secretário Íntimo
7) Intendente Dos Edifícios
8) Mestre Em Israel
9) Eleito Dos Nove
10) Ilustre Eleito Dos Quinze
11) Sublime Cavalheiro Eleito
12) Grão Mestre Arquiteto
13) Real Arco
14) Grande Eleito
15) Cavaleiro Do Oriente
16) Grande Conselheiro (Príncipe De Jerusalém)
17) Cavalheiro Do Oriente E Do Ocidente
18) Soberano Príncipe Rosa-Cruz
19) Grande Pontífice
20) Venerável Grão Mestre
21) Cavaleiro Prussiano Ou Noaquita
22) Cavaleiro Real Machado, Ou Príncipe Do Líbano
23) Chefe Do Tabernáculo
24) Príncipe Do Tabernáculo
25) Cavaleiro Da Serpente De Bronze
26) Escocês Trinitário Ou Príncipe De Mercy
27) Grande Comendador Do Templo
28) Cavaleiro Do Sol Ou Sublime Eleito Da Verdade
29) Grande Escocês De Santo André Da Escócia, Ou Grão Mestre Da Luz
30) Grande Inquisitor, Cavaleiro Kadosh, Ou Cavaleiro Da Águia Branca E Negra
31) Grande Juiz Comendador Ou Inspetor Comendador
32) Sublime Príncipe Do Real Segredo
33) Soberano Grande Inspetor-Geral.

Nos três primeiros graus, nos quais a Enciclopédia Maçônica esta fundada a própria Maçonaria, tendo neles o seu germe e núcleo, exclui totalmente a pessoa de Cristo.

O Ritual de iniciação na Maçonaria: Entra-se para uma dessas lojas mediante um rito de iniciação, loja essa que possui, no mínimo, sete membros: o venerável mestre, dois vigilantes, o orador, o secretário, o companheiro e o aprendiz.

O noviço, para torna-se aprendiz, tem de submeter-se a certas provas e meditações, além de responder a certas perguntas e redigir um testamento. Depois, de olhos vendados, é admitido no templo; presta juramento, recebe o avental e um par de luvas.

Um ano depois, pode aspirar a ser eleito companheiro, depois o de mestre, assim em diante”. (livro: ‘O Que É A Maçonaria’ Pg. 21).

Toda reunião da Maçonaria começa e termina com oração, só que nenhuma oração pode ser feita em nome de Jesus Cristo, e até as leituras bíblicas são feitas sem mencionar o nome de Cristo, para não melindrar membros de outras religiões não cristãs.

O nome de Cristo é tirado não só dos três primeiros degraus, como só é permitido a Cristãos se reunirem para falar de Cristo em lugar reservado, no mesmo pé de igualdade com os budistas, maometanos, espíritas, e isto após ter passado pelos 3 primeiros degraus. Isto vai de encontro a preeminência devida só a Cristo (Cl.1.18).