quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Armadilhas do pensamento pós-moderno


Nesses últimos anos os ativistas e ideólogos gays, através da mídia, vem nesses últimos anos, acusando os cristãos de toda espécie de inverdades, somos acusados de intolerantes, de promotores de violência física e psicológica, de fundamentalistas, de fanáticos, usam a manipulação da linguagem como por exemplo o neologismo “homofobia” para nos acusar de criminosos.  Uma mentira vergonhosa. Vejamos a verdade dos fatos:

As escrituras deixam claro que a força física não é uma ferramenta legitima para o avanço do Reino de Deus. A igreja não recebeu, da parte do seu Senhor, nenhuma autoridade para brandir a espada, por qualquer motivo que seja e certamente, não para a expansão de sua influência, nem mesmo para se defender de seus inimigos. Essas coisas têm sido perfeitamente claras e quase universalmente afirmadas por cristãos piedosos que crêem na Bíblia, desde a em que o Senhor Jesus foi traído e ordenou a Pedro: “Embainha a tua espada; pois todos os que lançam mão da espada a espada pereceram”. (Mateus 26:52)


O que estou ressaltando é que a permissão para empregar a força física nunca é outorgada pela igreja; porque o povo de Deus, corporativamente, tem um tipo diferente e mais importante de guerra a travar.  Não é um conflito por territórios e nações. Não é uma batalha por terras. Não é uma guerra de clãs ou um conflito de personalidade entre indivíduos. Não é uma luta por influência religiosa. Não é um combate por bens matarias. É uma batalha pela verdade. É uma guerra a respeito de idéias. É um conflito pelo domínio da mente, uma batalha contra falsas doutrinas, ideologias perniciosas e crenças errôneas. É uma guerra pele verdade com ordens de destruir fortalezas ideológicas e derrubar as mentiras e enganos engrenados pela força do mal. Como afirma a Palavra de Deus: “Porque não temos que lutar contra carne e sangue, mais, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas desde séculos, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais”. ( Efésios 6:12) Nossa missão como soldado é destruir idéias falsas e não as pessoas.

A Palavra de Deus deixa isso claro em 2º coríntios 10: 4-5. Nesta passagem a Palavra define o objetivo final da guerra pela verdade: “Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas; destruindo os conselhos e todas altivez que se levanta contra o conhecimento de, e levando cativo todo entendimento à obediência de Cristo”. Como percebemos o campo de batalha é a mente, o alvo é o triunfo absoluto da verdade; os inestimáveis despojos da conquista são almas resgatadas do pecado. A luta continuará até que todos os pensamentos sejam levados cativos à obediência a Cristo. 
Vejamos o que a Palavra de Deus nos fala sobre esse assunto: “Porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.” ( Efésios 6:12)


Na realidade, a aceitação generalizada do homossexualismo, do aborto, da rebeldia e de todas as formas de iniqüidade que vemos em nossa sociedade é um cumprimento literal daquilo que romanos diz que sempre acontece quando uma sociedade nega e suprime a conexão essencial entre Deus e a verdade e como afirma Efésios é uma luta  espiritual, ou seja,  não é contra o homossexual ( pessoa) mais contra o homossexualismo ( ideologia).


A Bíblia é a pedra de toque pela qual devem ser testadas todas as afirmações concernentes à verdade e pela qual todas as outras verdades têm de ser avaliadas, em última instância e não o certo e o errado serem definidos em termos de sentimentos subjetivos e de perspectivas pessoais. Amém!



Mariana Valadão