sábado, 6 de outubro de 2012

Importa que Ele cresça e que eu diminua...



Ninguém pode atribuir-se a si mesmo senão o que lhe foi dado do céu. Vós mesmos me sois testemunhas de que disse: Eu não sou o Cristo, mas fui enviado diante Dele. Aquele que tem a esposa é o esposo. O amigo do esposo, porém, que está presente e o ouve, regozija-se sobremodo com a voz do esposo. Nisso consiste a minha alegria, que agora se completa. Importa que ele cresça e que eu diminua.
Evangelho de João, 3, 27-30.
A humildade representada nas palavras de João Batista mostrava para quê aquele profeta viria. A finalidade da missão de João Batista não era a de dar glória a si mesmo, mas a de anunciar a Jesus Cristo. E essa missão, o próprio Jesus nos ensinou, exige a renúncia. “Se alguém quer vir após mim, renegue-se a si mesmo” (Lc 9,23). Aquele que quer seguir a Jesus Cristo não pode fazer a própria vontade, tem que sofrer assim como ele o fez, tem que começar a buscar a perfeição em suas atitudes relacionando essa qualidade com a Lei de Cristo e não com a sua consciência. 
Ninguém pode atribuir-se a si mesmo senão o que lhe foi dado do céu. São João Batista quer dizer: ninguém fique procurando aumentar suas glórias ou suas qualidades; ninguém queira ser o que não é. Não fiquemos procurando aumentar a nossa imagem diante do mundo. Isso é inútil. Não gera recompensa alguma. É possível inclusive fazer uma analogia com um ensinamento do Mestre: Ele assinalava que, quando formos realizar boas atitudes, não precisamos fazê-las na frente dos homens para que todos vejam. “O Pai, que vê o escondido, recompensar-te-á” (Mt 6,4). João veio ao mundo para anunciar Jesus Cristo. Nada mais que isso. Ele não buscou fazer de si uma imagem superior àquela que lhe foi dada. Obedecendo a exortação paulina (cf. 1 Cor7,17), permaneceu no estado em que o Pai o chamou. Ele ia falar. Mas as palavras não eram dele. Eram de Cristo.
A beleza do profeta está nisso. Ele não anuncia, não promove a si mesmo, mas ao próprio Deus porque Este o chamou para aquela missão. E interessante é que aquele não busca mais missões. Pelo contrário, busca exercer com qualidade o chamado de Deus. Não quer fazer muitas coisas ao mesmo tempo, pois sabe que ninguém pode atribuir-se a si mesmo senão a missão que lhe é confiada. Por isso São João diz: Eu não sou o Cristo. O profeta fiel não pode mentir. Não importa se o seu sucesso é grande e se ele é seguido por muitos. Ele precisa assumir o compromisso com a verdade da missão que Deus lhe deu. E ele não era o Cristo. Por isso, quando os seus seguidores vêm lhe dizer que Jesus está batizando muitos e coisas mais, São João sabiamente proclama: “Importa que ele cresça e que eu diminua”.
Veja: João Batista veio justamente para proclamar Jesus Cristo. Ele não podia exaltar a si mesmo. A sua missão era a mesma que São Paulo exercia: “Eu vivo, mas já não sou eu” (Gl 2,20). João Batista vive, mas não é ele. Nós vivemos, mas não somos nós. A beleza do cristianismo é justamente essa: eu preciso renunciar a mim mesmo, como Cristo, para que ele possa crescer em mim: “É Cristo que vive em mim” (Gl 2,20). Se eu vivo em mim e Cristo também, então existe uma batalha entre a minha vontade e a de Deus. O que eu preciso? Fazer crescer Jesus em minha vida e esquecer-me de minha vontade própria  Importa que Jesus cresça. É essa aquela batalha que Paulo tanto falava em suas cartas: a carne contra o espírito. O meu espírito pode até estar pronto, mas a carne é fraca. É preciso orar para que Jesus cresça, ou seja, meu espírito, que está sob o domínio do Senhor, tenha vontade maior sobre as minhas atividades. E que a minha carne se mortifique e sua vontade em mim diminua.
Aprendendo com João, em nossa vida travamos essa mesma luta. Mas queremos sempre dizer como Paulo: é Cristo que vive em mim. Porém isso é difícil. Seremos provados. Temos que ser fortes. Fortifiquemos nos e façamos crescer em nós o espírito Santo de Deus. Esqueçamos nos de nós mesmos. Esse corpo, no qual vivemos, experimentará corrupção e outras coisas que não nos faz crescer na presença do Senhor. Preocupemos nos, acima de tudo isso, com a nossa alma. Essa irá  para o céu ou para o inferno. Se Cristo em mim for maior, desfrutarei da vida Eterna. Se não, desfrutarei da morte, da morte eterna.
Cuidemos-nos para que não nos percamos no caminho que conduz a Salvação, vigiando todo o tempo e buscando a face do Senhor com alegria e zelo que só o espírito Santo de Deus pode nos dar.