domingo, 21 de julho de 2013

Tesouro em Vasos de Barro.


"Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós." 2 Co 4.7

Esse texto escrito por Paulo é uma belíssima revelação de como o Senhor opera no ser humano a sua revelação. O tesouro aqui de acordo com os versículos 5 e 6 é a revelação de Cristo dada por Deus aos homens veja:

"Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo. 2 Co 4.6

Dessa forma o vaso de barro somos nós que sendo falhos guardamos a revelação de glória de Cristo Jesus. Veja que na segunda parte do verso 7 temos o motivo pelo qual Deus opera dessa forma:

"...para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós." 2 Co 4.7b

Segundo o manual bíblico da SBB, Paulo provavelmente faz uma alusão a um certo costume dos cortejos romanos que conduziam as riquezas em vasos de barros para ressaltar o contraste com o conteúdo dos recipientes.

Matheu Henri afirma que o Senhor poderia ter escolhido os anjos com suas forças para levarem aos homens o conhecimento da revelação de Cristo, mas Ele escolheu os ministros mais humildes e sujeitos as mesmas fraquezas que os demais homens. Dessa maneira toda a glória vai para Deus e não para o vaso.

Algo interessante é que a partir do versículo 8 até ao 12 Paulo fala como somos perseguidos e como estamos entregues a morte por amor de Jesus Cristo.

E nesse contexto observo que as usinas siderúrgicas utilizam o barro como recipientes para conter o ferro derretido pelo fogo na produção do aço, pois o barro é o material que quanto mais calor lhe for aplicado, mais ele fica resistente.

Assim somos nós vasos de barro, que quanto mais passamos pelo fogo das provações, mais ficamos resistentes para guardar e passar aos outros o tesouro da revelação de Cristo Jesus.