quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Dois reis buscam grandeza !!!


Jeremias fala de dois reis que buscaram grandeza (Jeremias 22:13-16). O primeiro rei, Jeoaquim, tinha uma abordagem interessante: Amplie suas casas, remodele seus edifícios, pinte-os com vermelhão, rodeie-se de luxo, e mostre-se um grande rei. Seu conceito óbvio:Grandeza é para ser encontrada nas coisas externas. A pergunta desafiadora de Jeremias a Jeoaquim foi: "Reinarás tu, só porque rivalizas com outro em cedro?" (Jeremias 22:15).

O pai de Jeoaquim --nosso segundo rei-- tinha demonstrado um conceito de grandeza diferente. Josias não tinha negligenciado "comer e beber", mas tinha mostrado uma preocupação muito maior com juízo e justiça, julgando a causa dos aflitos e necessitados, e chegando a conhecer a Deus (Jeremias 22:15-16). Seu conceito tinha sido: As coisas externas têm o seu lugar, mas a verdadeira grandeza tem que ser encontrada na justiça, na compaixão e no serviço humilde a Deus e ao homem.

O conceito de Jeoaquim pode facilmente seguir seu caminho até a igreja. Um pregador, desejando fazer um nome para si, cuidadosamente cultiva as ligações certas, desenvolve só a personalidade e o vestir corretos e começa a seguir o seu caminho em direção à "grandeza". Buscando uma solução para os períodos de adoração enfadonhos e desanimados, os homens poderão mudar a ordem do culto, escurecer as luzes, encorajar o cântico "espontâneo", até mesmo mudar os hinários, procurando excelência através da manipulação das coisas externas. Uma congregação aumenta o edifício, pinta o salão, inicia novos programas, desenvolve fraseados mais modernos para dar aos seus programas um brilho de sofisticação quando quer chegar a uma qualificação de "primeira classe" aos olhos dos homens. Emprestando o estilo de Jeremias, perguntamos: Você se torna um pregador por moda, estilo e manobra política? Uma igreja se torna grande porque está competindo em tijolo e argamassa? Você faz pessoas ficarem espirituais diminuindo as luzes e mdando a ordem do culto?

Não estamos sugerindo que as coisas externas devam ser ignoradas. Elas tem seu lugar. Limpeza na aparência e afabilidade de modos podem ter algum valor no trabalho de um pregador. Prédios limpos e bem conservados e o estado das áreas em volta refletem, geralmente, a diligência em outros aspectos do trabalho de uma igreja. E o Senhor certamente nos ensinou com respeito aos períodos de adoração, "Tudo, porém, seja feito com decência e ordem" (1 Coríntios 14:40).

Mas a verdadeira grandeza por parte de um pregador ou de uma igreja será encontrada, não no exterior, mas na autenticidade, humildade, conhecimento, espiritualidade, amor à verdade, preocupação pelos perdidos, fé, coragem, esperança, obediência, confiança, serviço a Deus e ao homem. Estas são qualidades que fazem a grandeza à vista de Deus. A solução real para os períodos de adoração enfadonhos, desanimados, deve ser encontrada nos adoradores reverentes, gratos, amorosos. Transforme as pessoas, e os períodos de adoração cuidarão de si mesmos.

A grandeza, na verdade, deve ser buscada, mas não confundamos a admiração efêmera de homens inconstantes e instáveis com a verdadeira grandeza.