segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Ensinamentos de uma oração...

“Faze com que saibamos como são poucos os dias da nossa vida para que tenhamos um coração sábio.” (Sl 90.12)

Mais um ano está terminando e a festa já está pronta. Ao menos é com isso que as pessoas estão ocupadas e preocupadas.

E ao término do ano precisamos fazer uma retrospectiva. Precisamos voltar as páginas de um ano que está terminando. Um ano cheio de bons e maus momentos. Qual período foi o melhor? Para muitos, foram os bons momentos. E ao contrário disso, digo-lhes que os melhores momentos foram os ruins. Como? Com os momentos ruins, amadurecemos, crescemos e passamos a valorizar os bons momentos.
Iniciando um novo ano, nossos pedidos são de “muito dinheiro no bolso, saúde e prosperidade”.

Não sei dizer o que irá acontecer na caminhada em 2012. Mas, sem medo de errar, afirmo: “com toda certeza vocês terão um ano de momentos bons e ruins”. E diante dessa constatação eu os convido a orar assim como orou Moisés: “Faze com que saibamos como são poucos os dias da nossa vida para que tenhamos um coração sábio.” (Sl 90.12)

Nessa oração nós aprendemos:

Como são poucos os dias da nossa vida: E nesses poucos dias da nossa vida, assim como parecem ser poucos os dias de um ano que está terminando, os momentos difíceis são de extrema importância. Pois, a exemplo de tantos personagens bíblicos, que após passarem por períodos difíceis modificaram seu jeito de ser, pensar e agir.
Vale o conselho dos idosos, os quais com propriedade podem afirmar: os meus dias passaram muito depressa, e que nos ensinam palavras sábias ao dizerem: “quando somos novos, tudo o que queremos é ganhar dinheiro, mas quando estamos velhos vemos que o mais importante é ter ficado mais com os filhos, com a esposa, etc.” Precisamos aprender a orar: Faze com que saibamos como são poucos os dias da nossa vida para que tenhamos um coração sábio.” (Sl 90.12), e tirar dessa oração o seu verdadeiro ensinamento.
Nossa vida é tão breve como a flor que nasce pela manhã, murcha durante o dia e cai no entardecer. E nessa realidade nos cabe a pergunta:Por que vivemos? Para que vivemos?

A vida é o dom de Deus a humanidade, o homem quando foi criado no jardim do Éden, foi criado para ser eterno. Mas o pecado entrou no mundo, e eis que com o pecado entrou o sofrimento, as dores, as discórdias, violência e a morte, como diz Paulo “O salário do pecado é a morte...” (Rm 6.23). Com isso lembramos que Deus nos fez do pó e ao pó retornaremos. E essa é a lição da oração de Moisés, “Faze com que saibamos como são poucos os dias da nossa vida para que tenhamos um coração sábio”, ou seja, nossa vida é curta, uma breve passagem, assim como é um ano que está terminando.
Sendo Moisés o autor do salmo, logo entendemos a razão dessas palavras. Ele aprendeu com os momentos difíceis da vida. Vejamos um pouquinho da sua biografia.

Até os 40 anos, viveu bem, se alimentava bem, vivia na melhor casa, estudou com os melhores professores da época. E nessa boa vida, Moisés aprendeu a ser arrogante e metido.
Dos 41 aos 80 anos, Moisés foi conduzido por Deus ao deserto. De membro mais importante de uma sociedade, passou a cuidar de ovelhas para seu sogro num deserto. E essa vida o levou a humildade, uma vida sem ganância, e até mais tranqüila. E foi nesse momento que Deus o chamou para libertar o povo de Israel da escravidão do Egito. O periodo dificil foi a preparação.
Dos 81 aos 120 anos: Moisés guiou o povo de Deus até as margens do rio Jordão.

Um precioso ensinamento de uma oração. Como são poucos os dias da nossa vida. Assim aprendemos a contar nossos dias.Ou seja, compreendemos os maus momentos da vida numa perspectiva diferente. Dizem que “com crise se cresce”. Nos maus momentos é que aprendemos grandes lições, assim, o cristão confessa conforme as palavras de Paulo “sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus...” (Rm 8.28).

Com a lição de contar nossos dias, precisamos meditar sobre a vida nos bons e maus momentos. Infelizmente se medita sobre a vida quando se perde um ente querido, ou quando se está a ponto de perder própria vida. Eis a chance que Deus nos dá para refletir sobre a vida, quando estamos fazendo a nossa retrospectiva.

Em sua misericórdia e amor, Deus deseja que vivamos bem a nossa vida. E esse viver a vida envolve ser responsável pelas nossas atitudes. Deus quer que desfrutemos dos bons momentos e superemos os maus momentos com a força que ele em Jesus nos dá. Para isso vale a preciosa dica: “não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes?” (Mt 6.25).

Deus é Deus da vida, por esse motivo, Jesus nasceu para morar (tabernacular) entre nós e morreu para nos dar a vida eterna. Nossa vida, mesmo que seja curta aqui nesse mundo, ela não se resume ao aqui e agora, por isso, Moisés em sua oração anuncia: “Os dias da nossa vida sobem a setenta anos ou, em havendo vigor, a oitenta; neste caso, o melhor deles é canseira e enfado, porque tudo passa rapidamente, e nós voamos” (Sl 90.10). E assim podemos descansar na certeza de que “...a vida eterna é um presente gratuito de Deus em Cristo Jesus para todo o homem.” E nessa vida, como pecador que somos, uma vida cheia de altos e baixos, o apóstolo João nos aconselha: “Não temas as coisas que tens de sofrer. Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós, para serdes postos à prova, e tereis tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida” (Ap 2.10).

Que nessa nossa vida tão curta e passageira assim como será o próximo ano, saibamos aproveitar a Palavra de Deus, os momentos de estudo e reflexão: “Porque o mandamento é lâmpada, e a instrução, luz; e as repreensões da disciplina são o caminho da vida;” (Pv 6.23).

Deus abençoe a cada um de nós a “Fazer com que saibamos como são poucos os dias da nossa vida para que tenhamos um coração sábio” e que vivamos na fé a cada novo dia em 2012. Amém!