sábado, 19 de abril de 2014

O Profeta Enoque ...


Em meio um tempo de completa devassidão existiu um homem chamado Enoque filho de Jarede e pai de Matusalém. Gn 5:18-21 Opondo-se as atitudes dos seus contemporâneos obteve bom testemunho porque tinha uma intima comunhão com Deus, enquanto as pessoas estavam ocupadas com as suas atividades, uns pastoreando ovelhas no campo, uns cultivando plantações, uns mercantilizando, Enoque estava face a face com Deus, obviamente tinha as suas funções como os demais, no entanto, passava o dia todo conversando com Deus, tonou-se amigo de Deus. Diferente de Enoque, quando as pessoas terminavam as suas atividades cotidianas era comum elas se reunirem e fazerem grandes banquetes em suas casas, nessas celebrações pagãs havia muitas coisas abomináveis aos olhos de Deus, porém, Enoque por conhecer a vontade de Deus se desviava de todas essas coisas. Então, por Deus ver que essa geração era má e perversa decidiu fazer juízo contra todos que andavam na pratica da iniquidade derramando sobre eles o grande cálice do diluvio. No entanto, Deus com a sua infinita bondade e rica misericórdia propôs no seu coração um período de tempo específico para que as pessoas se arrependessem dos seus pecados. Então, Deus levantou Enoque como voz profética para que aquele povo ouvisse a mensagem do arrependimento e mudassem a sua conduta, porém Enoque sabia que a missão que o Senhor lhe tinha outorgado era muito difícil, porque ele conhecia as práticas pecaminosas do povo, eles eram murmuradores (reclamavam de tudo, não sabiam ser servos uns dos outros, pelo contrario sempre queriam tirar proveito das situações, enganando com mentiras planejadas para prejudicar o seu próximo), queixosos (eram ressentidos, se magoavam com facilidade, eram muito melindrosos, andando segundo as suas concupiscências (sempre estavam buscando satisfazer os seus desejos carnais, correndo desenfreadamente atrás de agradar as suas vontades a qualquer custo); e a sua boca diz coisas muito arrogantes (quando eles falavam eram completamente ignorantes, não respeitavam ninguém, usavam de palavras obscenas todo tempo), adulando pessoas por causa do interesse (quando se tratava de tirar proveito da situação eles eram profissionais em bajular pessoas que lhe poderiam oferecer benefícios no futuro). Jd 16

Contudo, Enoque não se intimidou e começou a exercer o seu ministério profético na sua época, em seu coração reinou a coragem e o amor por aquelepovo, já na sua mocidade decidiu assumir o risco de morte, assim, prosseguiu nessa ousadia, não por acreditar em suas habilidades para cumprir o seu chamado, mas por crê que Deus o ajudaria em sua missão foi que Enoquemesmo correndo risco de ser destruído pela população profetizou dizendo: Eis que veio o Senhor com os seus milhares de santos, para executar juízo sobre todos e convencer a todos os ímpios de todas as obras de impiedade, que impiamente cometeram, e de todas as duras palavras que ímpios pecadores contra ele proferiram. Jd 14,15

Assim, como todos aqueles que amaram mais a Palavra de Deus do que a suas próprias vidas Enoque passou a ser perseguido pela população por conta da dureza da mensagem a qual proclamava, todos os ouvintes da pregação deEnoque endureceram os seus corações e quiseram mata-lo. Porém, pela fé,Enoque foi trasladado para não ver a morte; não foi achado, porque Deus o trasladara. Pois, antes da sua trasladação, obteve testemunho de haver agradado a Deus. Hb 11;5,6

Enoque foi poupado por Deus de seu martírio, devido haver poucas informações contidas nas Escrituras Sagradas sobre a vida desse jovem que marcou a sua geração com a pregação da Palavra de Deus e uma vida de plena justiça, não se sabe ao certo se ele foi arrebatado para o céu ou foi levado para um lugar bem longe dos seus perseguidores, apesar disso, tudo que se sabe é que Enoque andou com Deus e já não era, porque Deus o tomou para si. Gn 5:24.

Após Enoque ter anunciado o juízo de Deus para aquele povo iníquo, foilevado embora por Deus. As pessoas por terem rejeitado a Palavra continuaram agindo dissolutamente caminhando segundo os seus desejos malignos. Passaram-se o período determinado por Deus e a iniquidade se multiplicava porque aqueles que eram da linhagem da santidade se uniram com aquelas que eram da linhagem do pecado e geraram filhos, esses nefilins eram os valentes, os homens de renome, que houve na antiguidade. Gn 6:4

Por esse tempo apareceu Noé, homem justo e perfeito em suas gerações, e andava com Deus. Gn 6:9 Então, o Senhor disse que iria destruí a todos aqueles que não se arrependeram dos seus pecados, determinou que o Seu Espirito não mas habitaria no homem porque esse era carnal e o tempo que tinham para se arrepender do mal era cento e vinte anos. Gn 6:3 Porem, Noé obteve a graça deDeus, e teve o auxilio Divino para construir a grande arca pela qual foi salvo junto com a sua esposa, seus filhos, as mulheres dos seus filhos e um par de animas de cada espécie. No entanto, todos os que não andaram com Deus foram completamente destruídos pelas águas de um diluvio universal. Porque a salvação de Deus é para todos aqueles que andam dia e noite até o fim de suas vidas em intimidade com Ele.

“Andar com Deus significa ser rejeitado pelo mundo.”

Milagres ou a Palavra de Deus?


Mateus 8.34 relata: “Então, a cidade toda saiu para encontrar-se com Jesus; e, vendo-o, lhe rogaram que se retirasse da terra deles”. Por outro lado, Lucas 24.28-29 descreve uma reação totalmente oposta: “Quando se aproximavam da aldeia para onde iam, fez ele menção de passar adiante. Mas eles o constrangeram, dizendo: Fica conosco, porque é tarde, e o dia declina. E entrou para ficar com eles”.

Esses dois textos estão registrados na Bíblia, completamente independentes um do outro. Vemos uma cidade inteira dizendo “não” a Jesus e mandando-O embora. E vemos dois caminhantes solitários tentando fazer com que Ele ficasse em sua companhia. Perguntemo-nos em que circunstâncias uma cidade quer Jesus longe de seus domínios e o que levou dois homens a rogarem por Sua presença. Vejamos o que os diferenciou tão fortemente:

A cidade mandou Jesus embora logo depois de um grande milagre que Ele fez: “Tendo ele chegado à outra margem, à terra dos gadarenos, vieram-lhe ao encontro dois endemoninhados, saindo dentre os sepulcros, e a tal ponto furiosos, que ninguém podia passar por aquele caminho. E eis que gritaram: Que temos nós contigo, ó Filho de Deus! Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo? Então, os demônios lhe rogavam: Se nos expeles, manda-nos para a manada de porcos. Pois, ide, ordenou-lhes Jesus. E eles, saindo, passaram para os porcos; e eis que toda a manada se precipitou, despenhadeiro abaixo, para dentro do mar, e nas águas pereceram. Fugiram os porqueiros e, chegando à cidade, contaram todas estas coisas e o que acontecera aos endemoninhados. Então, a cidade toda saiu para encontrar-se com Jesus; e, vendo-o, lhe rogaram que se retirasse da terra deles” (Mt 8.28-34).

Já os dois caminhantes queriam segurar o Senhor Jesus depois que Ele lhes dissera: “Então, lhes disse Jesus: Ó néscios e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! Porventura, não convinha que o Cristo padecesse e entrasse na sua glória? E, começando por Moisés, discorrendo por todos os Profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras. Quando se aproximavam da aldeia para onde iam, fez ele menção de passar adiante. Mas eles o constrangeram, dizendo: Fica conosco, porque é tarde, e o dia já declina. E entrou para ficar com eles” (Lc 24.25-29).

Milagres ou a Palavra?Esses dois acontecimentos explicitam uma grande verdade da vida espiritual: jamais os milagres ou quaisquer grandes eventos podem impressionar as pessoas de forma duradoura. Mas a Palavra de Deus pode! A Bíblia tem a força de nos deixar admirados de maneira sempre renovada, de fazer nossos corações arder e de nos fascinar com suas palavras. Por isso, deveríamos parar de buscar momentos de forte emoção, deveríamos deixar de lado a procura por fortes experiências, mesmo que em roupagem piedosa e espiritual. O que precisamos sempre, repetidamente, é nos voltar para a Palavra de Deus revelada e para a sua luz infalível. Só à luz da Bíblia nossos corações arderão, e nós sempre nos quedaremos admirados e surpresos diante da presença do Senhor, que nos fala pelo Seu Espírito Santo. Isso é verdadeira experiência espiritual. No Salmo 119.130 está escrito: “A revelação das tuas palavras esclarece...”

O grandioso milagre que Jesus fez não iluminou os gadarenos para que reconhecessem quem Ele era; ao contrário, seus corações ficaram ainda mais em trevas. Mas a Palavra falada trouxe grande luz aos corações dos caminhantes solitários, muito tristes e desanimados. A luz irradiada pela Palavra que Jesus lhes expôs foi tão intensa e brilhante que mais tarde disseram um ao outro: “Porventura, não nos ardia o coração, quando ele, pelo caminho, nos falava, quando nos expunha as Escrituras?” (Lc 24.32).

Como seria bom se todos compreendêssemos, de uma vez por todas, que só a Palavra de Deus pode nos fascinar de forma permanente! Todo o resto é passageiro e efêmero! Jamais coloque alguma coisa acima das Escrituras – mesmo que sejam grandiosas experiências espirituais.

A Voz que Ouvimos!!!

Todos nós ouvimos vozes. Não estou falando de um louco que imagina conversas, nem da noção de alguma voz sobrenatural que sussurra mensagens ao subconsciente. Ouvimos vozes quando damos atenção à influência de pessoas e idéias.

Davi escreveu: “Há no coração do ímpio a voz da transgressão; não há temor de Deus diante de seus olhos. Porque a transgressão o lisonjeia a seus olhos e lhe diz que a sua iniqüidade não há de ser descoberta, nem detestada” (Salmo 36:1-2). O triste fato é que muitos de nós ouvimos a voz da transgressão. Ela oferece o atraente fruto proibido, e promete a liberdade para pecar sem conseqüência. Apesar das abundantes advertências contra o pecado, ela tenta nos convencer que nosso caso será diferente. Nosso pecado não será descoberto e, afinal de contas, não é nada tão grave. Deus não nos castigará por alguns prazeres “inocentes” na vida. Ela pode até tentar nos convencer que o pecado trará benefícios, que seja a melhor escolha para nosso bem (cf. Gênesis 3:4-6). A voz da transgressão nos engana!

Provérbios capítulo 8 fala de uma outra voz que nos chama. A sabedoria é personificada neste capítulo, e ela levanta a sua voz e chama as pessoas a escutarem: “A vós outros, ó homens, clamo; e a minha voz se dirige aos filhos dos homens.... Ouvi, pois falarei coisas excelentes; os meus lábios proferirão coisas retas. Porque a minha boca proclamará a verdade; os meus lábios abominam a impiedade.... Melhor é o meu fruto do que o ouro, do que o ouro refinado” (Provérbios 8:4,6,7,19). A sabedoria se baseia no temor do Senhor (Provérbios 8:13). Como já observamos em Salmo 36:1, o ímpio foge deste temor e recusa ouvir a voz da sabedoria. “O temor do Senhor é o princípio do saber, mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino” (Provérbios 1:7).

Para muitas pessoas, a busca da sabedoria de Deus parece uma tarefa chata e tediosa, enquanto os prazeres da carne e as atrações do mundo parecem interessantes e agradáveis. Decidimos ouvir uma voz e rejeitar a outra. Não se engane: a sua decisão terá implicações eternas!

Dúvida Bíblica Somos o Templo de Deus?

"Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo" (1Co 3.17)

Em 1 Coríntios 6.19, está escrito que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo: 

“Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo”. I Coríntios 6.19

..Ratificamos isso também no versículo 16:

“Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?”. I Coríntios 6.16

Mas se o nosso corpo é o templo do Espírito Santo e o Espírito Santo habita em nós, como entender o texto de 1Coríntios 3.17? Ambos serão destruídos? Ou um ou outro?
Cada crente, individualmente, possui o Espírito Santo: 

“Se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele” Romanos 8.9

Entretanto, a igreja como comunidade, no sentido coletivo, é também templo, habitação do Espírito Santo (2Co 6.16). É exatamente a esse segundo aspecto que Paulo está-se referindo. Nem o membro da igreja, no sentido individual, nem o Espírito Santo seriam destruídos, mas os que estavam instigando a inveja, as contendas e as dissensões na igreja de Corinto, que, no texto em apreço, é vista como sendo o “templo de Deus”. A Bíblia de Estudo Almeida, ao comentar o texto em estudo, diz o seguinte:

“Analisando o capítulo 3 de 1Coríntios, vemos que a jactância filosófica de alguns era indício de infantilidade espiritual, produzindo facções e com tendências a destruir a igreja de Corinto. Visto que a comunidade de crentes é o santuário de Deus (v.16), os causadores da sua divisão (v. 3,4) a profanam e a destroem, por isso serão destruídos como castigo pelos seus atos de sacrilégio”.

O verbo destruir no grego, usado no texto em análise, é phtheirei, que pode significar “destruir”, “arruinar”, “corromper”, “estragar”. Ou seja, os tais, que estavam “profanando” o templo de Deus – a igreja em Corinto – não serão poupados de condenação por ocasião do juízo divino.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Radiantes de Alegria

Olharam para ele, e foram iluminados; e os seus rostos não ficaram confundidos.
Salmos 34:5 

Após se sentir liberto da ameaça fatal de Abimeleque, Davi escreveu um dos mais lindos salmos, cantando a fidelidade da salvação divina: “Os que olham para Ele estão radiantes de alegria; seus rostos jamais mostrarão decepção” (Salmo 34:5).

Não é raro encontrar, dentro de nossas igrejas, crentes ostentando um rosto marcado por tristezas, decepções, revoltas. Por onde passam, irradiam depressão e queixas. Ainda que tentemos mudar de assunto, em conversa com eles, o tema sempre continua girando em redor dos desapontamentos e dos sofrimentos deles.

No caminho de Emaús, os dois discípulos só falavam na tragédia da crucificação. Apesar do Jesus ressuscitado estar do lado deles, conversando com eles, os dois continuavam, teimosamente, olhando par si mesmos, para a dor de sua decepção religiosa.
Foi somente quando estavam à mesa e, finalmente, olharam para Aquele que partiu o pão e deu graças, que seus olhos espirituais se abriram. E a alegria espiritual voltou a invadir-lhes o coração. A receita é simples.
Não tirar do Senhor os nossos olhos, nossa atenção, nossa confiança. O resultado é viver radiantes de alegria.

Coração humilde

Uma reflexão baseada em Tiago 4.6-10 e 1 Samuel 17 As pessoas de coração humilde têm um lugar especial no coração de Deus.

O próprio mestre disse: “Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mateus 5.3). Em Tiago 4.6-10, o apóstolo estabelece uma relação entre a humildade, a sujeição a Deus e a resistência ao nosso inimigo.

De fato, só podemos nos sujeitar a Deus se formos humildes, e só podemos resistir ao diabo se tivermos humildade suficiente para identificarmos, em nós mesmos, os reflexos das setas que nos foram lançadas por ele.

Ainda no texto de Tiago, é dito que “Deus dá graça aos humildes”. Mas que graça seria esta? A graça que Deus nos concede é a força para, nos sujeitando a Ele, resistirmos ao inimigo de nossas almas. É graça para, nos chegando a Ele, termos sua presença conosco. É graça para sermos purificados, termos nossos corações limpos, e termos o bálsamo curador derramado sobre nossos corações. Para isto, precisamos primeiramente nos humilhar diante do Senhor.

Quando nos sujeitamos a Ele, podemos resistir ao diabo. E resistir não é fugir. Resistir não é ficar inerte, em apatia. Resistir é se opor, se posicionar contra, avançar em vitória. E não conseguimos nos posicionar contra nada se não reconhecermos que precisamos fazer isso.

É aí que entra a humildade. É necessário um coração humilde para reconhecermos nossas próprias falhas, dificuldades e lutas – seja diante de Deus, de outras pessoas ou de nós mesmos. A nossa tendência como seres humanos, é negarmos, minimizarmos, ocultarmos, escondermos, manipularmos, tentarmos resolver da nossa forma, ou mesmo avançarmos, porém na nossa própria força. Essas são atitudes de um coração que ainda não está andando em plena humildade.

No capítulo 17 de 1 Samuel lemos acerca da história do desafio do gigante Golias ao povo de Israel, e como o então jovem Davi, cheio do Senhor, obteve a vitória. Dentro do contexto desta breve meditação, não podemos deixar de notar um detalhe muito interessante, que nos mostra que, quando não nos posicionamos e não resistimos ao inimigo, ele avança em nossa direção.

Vejamos: A atitude nossa de cada dia “Golias parou e clamou às tropas de Israel e lhes disse: escolhei dentre vós um homem que desça contra mim”. (1 Samuel 17:8. Grifo meu) Este era o desafio diário que Golias, representando o exército dos filisteus, fazia contra o exército de Israel. Este desafio durou quarenta dias, quando então Davi se apresentou. A propósito, Davi fora ungido por Deus mediante o profeta Samuel, pouco tempo antes desse ocorrido. Ele, vi, tinha um coração humilde (1 Samuel 16:7).

Antes, porém, do desfecho desta conhecida história, a Bíblia nos diz o seguinte: “Os israelitas, vendo Golias, fugiam dele, temiam grandemente, e diziam uns aos outros: vistes aquele homem que subiu? Pois subiu para afrontar Israel”. (Grifo meu) Observe que, inicialmente, Golias desafia um homem para descer contra ele; e como não se achou homem no exército de Israel que aceitasse o desafio, é dito que Golias subiu para afrontar Israel. Em outras palavras, a esta altura Golias estava literalmente “instalado” dentro do espaço do exército de Israel naquela batalha. É isto que acontece quando não resistimos ao nosso inimigo: ele se instala. Mas há esperança de vencermos os “gigantes” de nossa vida: devemos nos sujeitar ao Senhor e sermos humildes em admitir nossas imperfeições. Davi sabia que ele não podia vencer aquele gigante pela sua própria força.

Por isso ele disse: “O Senhor me livrará da mão deste filisteu” (1 Samuel 17.37). E disse ainda a Golias: “Tu vens a mim com espada, lança e escudo; mas eu venho a ti em nome do Senhor dos Exércitos, a quem tens afrontado” (1 Samuel 17.45). É preciso reconhecer as nossas limitações e a nossa necessidade de cura. É necessário que nos cheguemos a Deus, nos purifiquemos e nos humilhemos na presença dele. Para muitos, a situação está sempre “tudo bem”. Alguns têm muita dificuldade de reconhecer que precisam de oração, de um ombro amigo, de cura ou apenas de alguém para o ouvir.

Alguns se acham sempre acima de qualquer situação. Existem pessoas envolvidas em vícios, falta de perdão, lutas de toda a espécie, que jamais se humilham e nunca reconhecem que só se sujeitando ao Senhor é que poderão vencer os gigantes desta vida... Por isso Deus diz, pela sua Palavra, que a graça de resistir ao diabo é para os humildes! Esta graça está disponível a todos, mas será concedida apenas para aqueles que tiverem o coração tão humilde, a ponto de chamar o pecado pelo nome, não mentir para si mesmos, não se auto-justificarem e nem tampouco tentar se ocultar do Senhor.

Esta graça é para aqueles que simplesmente reconhecerem: “Pai, eis aí o meu gigante... E eu preciso do Senhor”. Que nesta hora nos sintamos fortalecidos pelo Espírito Santo a nos posicionarmos contra o nosso inimigo. Que nos sintamos encorajados a sermos “praticantes da palavra e não somente ouvintes” (Tiago 1.22) e a “confessarmos os nossos pecados uns aos outros para sermos curados” (Tiago 5.16).

Que não nos enganemos a nós mesmos, tentando camuflar diante de Deus nossas culpas, dificuldades e lutas, mas simplesmente reconheçamos humildemente que, sem Ele, nada somos e nada podemos fazer; e que, portanto, precisamos desesperadamente de sua presença e auxílio em nossas vidas. Que tenhamos um coração humilde diante de Deus, de nós mesmos e das pessoas que nos cercam, e assim veremos nossos gigantes caírem por terra e serem derrotados pelo Senhor.

MULHER SÁBIA

A mulher virtuosa é o elo que liga marido e filhos. A mulher virtuosa é a arca que Deus preparou para salvar o homem dos dilúvios da vida. A mulher virtuosa é o canal por onde flui a graça de Deus que encoraja marido e filhos. A mulher virtuosa é a resposta de Deus à necessidade do homem de carinho, aconchego e proteção. A mulher virtuosa é o espelho que ajuda o homem a melhorar, crescer e se desenvolver nas múltiplas áreas da vida.
A mulher virtuosa é o porto seguro para os filhos durante os vendavais da vida. A mulher virtuosa é promotora da alegria dentro do relacionamento familiar. A mulher é o instrumento que Deus escolheu para que cada um de nós viesse a existir. 

A mulher cristã tem vários papéis a desempenhar na sociedade, na igreja e principalmente no lar, onde ela tem um ministério específico. Ela pode edificar, e construir, aliás, foi para isto que o Senhor a criou. Contudo, se não for sábia, pode vir a destruí-lo, com suas próprias mãos.Porque tamanha responsabilidade para nós mulheres? 

Quando Deus criou o homem, disse: "Não é bom que o homem viva sozinho. Vou fazer alguém que o ajude como se fosse a sua outra metade." (Gn 2:18). Formou então Deus a primeira família, onde colocou a mulher como peça fundamental para esta formação e deixou em suas mãos a responsabilidade de ser o rochedo, o ponto de equilíbrio, a orientadora, a ajudadora junto ao marido, mais o privilégio único de ser mãe.

Todas as mulheres sabem da importância que a nossa mãe teve em nossa vida. Foi ela que passou a maior parte do tempo conosco. Obviamente todas nós queremos ser bem sucedidas na vida como esposa, mãe, dona de casa, etc. Talvez você esteja refletindo e avaliando sua vida e chega a conclusão que não tem tido muito sucesso na vida e se pergunta: o que está acontecendo? Será que é falta de sabedoria? O que fazer? Deus quer restaurar a sua vida, família e casamento.

Em Tiago 1:5 está escrito: "E, se alguém de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente." Vejo que o primeiro passo seria ter uma vida de total compromisso com Deus, querer ser segundo o coração de Deus. Em Lc 10:38 podemos perceber claramente em Maria o compromisso profundo, um desejo enorme de ouvir e de estar na presença do Senhor. Compromisso com Deus gera santificação.

E é isto que Deus espera de nós: "Sede santos, porque eu sou santo" (1 Pe 1:16). 

E o segundo passo seria pedir sabedoria a Deus. Por quê pedir sabedoria não é o primeiro passo? A questão é que se nós não tivermos compromisso com Deus, nós podemos até pedir, Deus pode até nos dar, mas nós não vamos saber usá-la e de nada vai adiantar, pois nos falta compromisso com Deus, controle do Espírito Santo e falta do senhorio de Cristo na vida. Portanto, para termos os nossos lares edificados, precisamos ser sábias.

E para obtermos esta sabedoria, faz-se necessário uma vida de compromisso total com Deus. Lembre-se sempre, mulher, que o seu lar precisa de você e que Deus lhe fez para construir, edificar, ajudar e orientar. 
Deus lhe fez para ser coluna no lar, inabalável! 

Que Deus abençoe as mulheres hoje e sempre!

ESTAS MULHERES MARAVILHOSAS


Há algum tempo, ouvi estas palavras de um esposo: "Se minha mulher não ama a si mesma, como ela irá poder me amar?"

São muitos os fatores que levam a pessoa a ter uma auto-estima baixa: crítica, rejeição, falta de afeto, falta de limites, pobreza, abuso sexual, etc. No caso da mulher, temos que levar em consideração o lugar em que ela é colocada em nosso contexto cultural. Hoje, ainda não alcançamos o pensamento de Peter Marshall, que diz: "A emancipação da mulher começou com o cristianismo. Teve início numa noite, há quase dois mil anos, quando veio a uma mulher chamada Maria uma mensagem dos céus."

Deus poderia ter enviado Jesus ao mundo através de outra estratégia, mas ele quis que Seu Filho nascesse de mulher. Com esta atitude, Deus mudou a sorte da mulher, e a elevou ao nível de merecedora de sua graça e amor.
Jesus realizou seu ministério rodeado por mulheres que criam nele, o seguiam e amavam. Jesus tratou as mulheres da mesma maneira que tratou os homens; nunca as desqualificou, rejeitou, humilhou ou envergonhou.

Mulheres, torna-se cada vez mais necessário apropriar-se dos sentimentos de valorização de si mesma, no que quer que faça; de apreciação das qualidades que possui; de certeza de ser bela, por ser mulher; de satisfação pelo seu corpo, porque foi Deus quem o criou, em todas as singularidades e mínimos detalhes e, com certeza, isto inclui sua sexualidade. Em Gênesis 1.31, encontramos: "E viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom." Se o próprio Deus achou que tudo que ele havia criado era muito bom, por que temos a tendência de não pensar assim?

Erradamente, temos visto a mulher valorizar-se apenas quando é extremamente bonita, se tem um corpo perfeito e ser jovem. Isso temos presenciado a mídia pregar aos quatro cantos do mundo. E aí, a mulher que não cabe nessa fôrma não serve; quem não se encaixa nesses moldes sente-se desprezada. Por que esse padrão está sendo vendido e tanta gente o tem comprado?

A mulher não precisa vestir manequim 36 ou fazer implantes de silicone para se sentir valorizada e aceita. Ela precisa é fortalecer seu mundo interior, acreditar em si mesma, em suas potencialidades e em sua beleza. A mulher precisa se amar mais, importar-se consigo mesma, com seu bem-estar e felicidade. O que acontece quando uma mulher vive bem consigo mesma?

Ela convive bem com sua família, quer sejam pais, irmãos, marido, filhos, e com os outros ao redor de si. Sua alegria contagia, sua disposição é considerada, sua beleza é ressaltada, sua feminilidade é respeitada. Em Provérbios 15.13 e 15.15, lemos: "O coração alegre aformoseia o rosto." e "Todos os dias do aflito são maus; mas o coração contente tem um banquete contínuo." É a Palavra de Deus que nos fala - creiamos.

É ERRADO A ESPOSA TRABALHAR FORA DE CASA?


A questão de esposas trabalhando fora de casa é uma que ela e seu marido devem chegar a um entendimento a partir de uma perspectiva bíblica, e então permitir que o Espírito Santo oriente em sua situação específica. Tito 2:4-5 ensina que as mulheres devem ser prudentes (isto é, conhecer suas prioridades). Quais são as prioridades que uma mulher casada deveria adotar? Sua primeira deveria ser satisfazer as necessidades de sua família. O versículo 4 diz que as esposas devem amar seus maridos e filhos.

Para serem “amantes do esposo” e “amantes dos filhos” (como lemos literalmente no grego), o versículo 5 diz que as mulheres deveriam ser “boas donas de casa”. Essa frase é uma palavra no grego (oikourgos) e significa “trabalhadores do lar” ou “trabalhadores no lar”. 1 Timóteo 5:14 enfatiza o mesmo ponto dizendo que as esposas devem “governar a casa”. Essa frase no grego oikodespoteo significa “guardar a casa”. A prioridade de uma esposa, portanto, é cuidar do seu lar. Ela mostra seu amor por seu esposo e filhos fazendo do lar um refúgio de paz e descanso para a família, amigos e hóspedes.

A segunda prioridade da esposa é encontrada em 1 Timóteo 2:15, que ensina que ela encontrará grande utilidade dando à luz filhos. A palavra grega para dar à luz filhos teknogonia significa não somente gerar filhos, mas também abrange a idéia de educá-los. Esse versículo ensina também que infundir valores nos filhos é parte do papel de uma mãe. (Deuteronômio 6:6-7, Provérbios 1:86 e 6:20 nos dizem que deveria ser ensinado aos filhos os princípios da Escritura (começando com a verdade do evangelho). As mães desempenham uma parte crucial nesse processo.

Uma terceira prioridade de uma esposa é encontrada na descrição da mulher diligente encontrada em Provérbios 31:10-21.8 O versículo 21 diz que ela está envolvida no cuidado para com as necessidades do pobre e desprivilegiado. Como uma crente, uma esposa cristã tem o privilégio e responsabilidade de servir aos outros. Uma área primária na qual esse trabalho se realiza é na igreja, à medida que ela emprega seus dons dentro do corpo de Cristo.

Uma esposa que satisfaz essas três prioridades provavelmente será uma pessoa muito ocupada. Se ela ainda tiver tempo sobrando, então estará livre para buscar atividades empreendedoras e criativas fora do lar. Sem dúvida, as mulheres que são mais livres para fazer isso são as solteiras e as casadas, mas ainda sem filhos. Mas mesmos essas mulheres deveriam se assegurar que estão cumprindo suas responsabilidades no lar antes de saíram para o local de trabalho.

HOMENS SÃO HOMENS/MULHERES SÃO MULHERES


Deus criou homens e mulheres bem diferentes cada um do outro.
Por exemplo,

*Ida ao shopping 
*O que esperam num cônjuge
*Troca de papéis 
*Transplante de cérebro 

Mesmo assim, vivemos num mundo em que a diferença entre homens e mulheres está ficando cada vez menor. O fato é que hoje existe uma crises de identidade sexual no nosso mundo.

Há muita confusão sobre os respectivos papéis de homens e mulheres. Existem homens que querem ser mulheres, e mulheres que querem ser homens. Fazem cirurgias para poderem mudar de sexo. Usam roupas que tradicionalmente pertenciam ao sexo oposto. Mulheres tem tatuagem. Homens usam brincos. Mulheres cortam seu cabelo bem cortinho e usam ternos e gravata, homens têm cabelo comprido, fazem depilação e têm traços femininos. Temos cortes de cabelo e roupa unissexo.

O resultado é um mundo confuso, caótico, em que as pessoas não sabem quem são, não ficam contentes consigo mesmas, e vivem uma miséria de esquizofrenia sexual. (Percebemos essa crise de identidade até na criação dos filhos, onde pais obedecem a seus filhos e filhos mandam nos pais!) Meus irmãos, essas coisas não devem ser assim! 

Mais triste ainda, é que essa confusão de papéis infiltrou a própria igreja. Bebemos de uma fonte contaminada, e agora partilhamos de um virus em que confusão reina na igreja. O resultado? Confusão e caos no culto e no corpo de Cristo sobre masculinidade e feminilidade, papéis, e liderança. Acredita ou não, as coisas não mudaram muito nos últimos 2000 anos.

Esses mesmos problemas já afligiam a sociedade do primeiro século e o povo de Corinto. Terminamos uma mini-série de mensagens sobre liberdade cristã em 1 Coríntios. Depois de exortar a igreja à unidade (Tema: Unidos com Cristo em sua Causa), focalizando na mensagem da cruz e não nos mensageiros, Paulo tratou de problemas em áreas como disciplina (5), litígio entre membros (6), dúvidas sobre casamento cristão (7) e liberdade cristã.

A questão de liberdade cristão levou o apóstolo a considerar uma área específica onde os corintios estavam abusando sua liberdade: o culto cristão. Mulheres libertas estavam criando confusão no culto. Hoje, vamos estudar uma nova parte da carta que vai tratar de problemas de ordem no culto e no corpo (11-14). 1 Co 14.40, o último versículo dessa divisão, resume o princípio: Tudo, porém, seja feito com decência e ordem. Acontece que nada estava sendo feito com decência e ordem. Homens e mulheres haviam trocado seus papéis. Mulheres "libertas" bandeando sua liberdade da "opressão" machista; homens "passivos" entregando o culto e a igreja para serem dirigidos pelas mulheres.

Dons espirituais, em vez de unir e edificar o corpo, estavam sendo usados de forma egoísta para dividir os irmãos. A própria celebração da Ceia do Senhor virou ocasião de regalia para os ricos e passar fome para os pobres. O texto que vamos estudar hoje lida com os papéis de homens e mulheres no culto cristão. Fala sobre como manter equilíbrio entre o ensino cristão de igualdade entre os sexos em Cristo, mas distinções entre elas desde a criação.

O foco será como manter ordem, decência, modéstia num culto sem distrações, em que Cristo Jesus é o foco, e não homens e mulheres. É um dos textos mais difíceis em todo o NT para interpretar. Tenham paciência, e tentaremos focalizar os princípios principais desse trecho. Ler 1 Co 11.2-7 Esse texto é extremamente difícil, em parte porque as pessoas se confundem na discussão de seus detalhes. Mas o princípio da passagem, seu coração, a lição eterna que ensina, fica claro: No culto e no Corpo cristão, Deus distingui entre homens e mulheres,que devem ocupar seus respectivos papéis com dignidade e honra! 

Os detalhes do texto: Mulheres têm que usar véu? Mulheres podem ou não podem falar no culto público? Homens podem ter cabelo cumprido? Mulheres são inferiores a homens? O que os anjos têm a ver? Tudo no contexto pertence a uma outra cultura, ou é aplicável a nós também? Responderemos algumas dessas perguntas.

Mas nosso foco é captar o espírito desse texto, e depois aplicá-lo para nossas vidas. No processo, teremos que lidar com questões de interpretação (hermenêutica), pois a maneira como interpretamos esse texto diz muito a respeito de como lidamos com nossas Bíblias.

Hermenêutica. Temos que tomar muito cuidado com a maneira como interpretamos um texto que apresenta costumes estranhos para nós. Defendemos uma interpretação estritamente literal, a não ser que haja evidência clara no texto de que algumas ordens são culturalmente condicionadas. Em outras palavras, que a mulher deve usar o véu, conforme esse texto ensina, a não ser que haja umas dicas claras ao contrário. Ao mesmo tempo, reconhecemos que na nossa interpretação da Bíblia, Deus está mais interessado no espírito do que na letra. Temos que descobrir os princípios de um texto e verificar a melhor maneira de praticá-los na nossa cultura. (Eu mesmo fui criado numa igreja (Casa de Oração) que defendia a interpretação literal da Bíblia, e que pregava, quase que semanalmente, o uso do véu pelas mulheres na igreja. Mas, enquanto muitas mulheres usavam algum tipo de véu, percebia que o espírito por trás não era nada digno em muitas delas. Havia divisão, insubmissão, etc. na igreja. Cumpriam a letra mas perderam o espírito.) Encontramos outros textos problemáticos em que precisamos articular bem as nossas razões por aceitar ou rejeitar determinada prática: 

Exs.: Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo; 

Lavai os pés uns dos outros 

Não comerás carne com o sangue (chouriço)Formas de batismo, governo da igreja, uso de dons espirituais, sexualidade (homossexualidade), etc., não ordenação de mulheres, etc.
Vs. 1 começa com uma palavra de incentivo. Nem tudo estava errado na igreja de Corinto. A igreja havia seguido muitas das tradições eclesiásticas entregues por Paulo (veja vs. 17, em que ele os condena por NÃO terem seguido sua instrução quanto a Ceia do Senhor.) Mas ainda havia espaço para melhorar. Havia desordem e distrações no culto público que desviaram atenção de Jesus. Vamos descobrir 3 razões por que mulheres e homens precisavam ter papéis distintos no culto cristão e manter decência e ordem no culto . . . I. 

Razões Teológicas pela Decência e Ordem no Culto (3-7): Iguais mas Diferentes O problema em Corinto é que homens e mulheres estavam invertendo seus papéis, criando distrações no Corpo de Cristo e no culto cristão. É importante notar alguns fatos contextuais e culturais daquela época.

1) A roupa era unissexo. Havia pouca diferença entre a roupa das mulheres e dos homens, e nenhuma roupa especial para os cultos.

2) A cobertura, ou seja o véu, distinguia entre homens e mulheres

3) Algumas mulheres "libertas" das convenções "machistas", haviam tirado a cobertura da cabeça para mostrar sua "liberdade" na sociedade e até na igreja (estavam atrapalhando o culto) Paulo escreve para corrigir essa confusão de papéis. Para ele, era extremamente importante manter a diferença nítida entre os sexos, especialmente no contexto da igreja. O espírito do texto aponta ao coração muito mais do que à roupa em si. A pergunta é se homens e mulheres são contentes ou rebeldes em seus papéis diante de Deus. 

1. No Culto Cristão, demonstramos a ordem e hierarquia do plano divino. No vs. 3, estabelece a hierarquia divina: Deus-Cristo-Homem-Mulher. O princípio de subordinação e autoridade permeia todo o universo. Mas cuidado para não associar hierarquia com superioridade ou inferioridade. Não é isso! Um funcionário pode ser mais inteligente que seu chefe, mas segue as linhas de comando. Um cidadão talvez seja mais forte que o policial, mas não significa que pode fugir dele.
Uma esposa talvez seja mais competente que seu marido, mas ainda deve se submeter a ele. É uma questão funcional, não existencial (essencial). Uma questão de ordem e complementação, não de valor! De função, não unção. O mundo não funciona sem hierarquia. Quando todos são iguais, temos anarquia, confusão, caos. Satanás é o autor de confusão, Deus, de ordem.

Movimentos feminista e machistas vem de Deus ou de Satanás? Perpetuam valores bíblicos ou satânicos? Qual seria o interesse de Satanás em diluir as diferenças entre os sexos? Resposta: Ofuscar a imagem de Deus no homem, manifesta pela heterossexualidade, e não a homossexualidade unissexualidade (no sentido de que todos são do "mesmo" sexo). Deus quer manter a distinção entre os sexos, pois assim a imagem dEle é mais claramente refletida no homem.

Assim a própria ordem na Santa Trindade se manifesta mais claramente: Deus Pai, Filho e Espírito Santo, iguais no ser, diferentes no fazer. Perfeitamente compatíveis, contentes, dignos em seus respectivos papéis. Heresias antigas sempre tentavam diluir as diferenças entre os 3 membros da Trindade, mesclando suas pessoas. O movimento feminista e homossexual faz a mesma coisa com o homem, imagem de Deus.
2. No Culto Cristão, refletimos a Glória de Deus (4-7).
No vs. 4, Paulo aplica esse conceito teológico à prática do culto. No culto cristão, não temos liberdade (veja cps 8-10) de abandonar a ordem original, o plano de Deus, para nossas vidas. O homem não deve participar do culto com sua cabeça coberta. (Lembre-se de que, naquela cultura, ter a cabeça coberta significava diluir a única marca que distinguia entre homens e mulheres).

A razão é citado no vs. 7: o homem foi criado primeiro, como imagem e glória de Deus, ou seja, um reflexo da glória de Deus. Em outras palavras, deve ficar descoberto para que sua cabeça reflita (especialmente no caso dos carecas!) a glória de Deus. Ele faz isso, representando o que Deus representa no mundo-Ele é o cabeça de Cristo. O homem com boné ou chapéu ou até mesmo cabelo comprido está dizendo, "Eu não quero refletir Deus na terra; não quero ser cabeça; quero mostrar minha submissão."

Ele acaba desonrando sua própria cabeça, um jogo de palavras em que "cabeça" representa sua própria vida (ele envergonha-se a si mesmo) e Deus (o cabeça do homem). Como vamos ver depois, algumas das maneiras culturais de expressar liderança e submissão na nossa sociedade mudaram.

Mas o ponto é claro: para o homem realmente refletir a imagem de Deus Pai, precisa ser distintamente homem, especialmente no culto. MacArthur: O homem mostra que criatura fantástica Deus pode fazer se Si mesmo, enquanto a mulher mostra que criatura fantástica Deus pode fazer do homem. Cada um reflete a glória da Sua fonte.

No vs. 5 Paulo trata das mulheres libertas. Enquanto alguns homens estavam diluindo a diferença e os papeis de homens e mulheres, algumas mulheres libertas estavam jogando fora seu véu, e, simbolicamente, negando sua posição como subordinada à liderança masculina.
Paulo não nega que havia um espaço para ela participar do culto público (orar e profetizar, mas dentro das limitações impostas no cp. 14.34,35). Mas precisa manter a dignidade de seu papel de mulher como ordenado por Deus.

De fato, no reflexo da imagem de Deus, ela ocupa o lugar de Cristo Jesus, que era submisso à sua cabeça, Deus Pai. Para ilustrar esse, seu papel, era necessário traçar as marcas distintivas naquela sociedade de mulher, alguém contente, alegre, e digno com seu papel.

A mulher sem véu estaria dizendo, "Eu quero ser Deus no relacionamento! Não aceito meu papel como submissa ao meu marido." Neste caso, ela desonra a si mesma, e desonra a seu marido. Mas a mulher distintamente mulher, diria, "Eu estou contente com o papel que Deus me deu!
Eu quero mostrar de forma externa o que está no meu coração-estou feliz em meu papel de submissão ao meu marido." Conforme vs. 7b, ela acaba sendo a glória do homem. 

No vs. 5b e 6 Paulo usa o efeito de choque para fazer as mulheres acordarem à seriedade da sua auto-proclamada liberdade da hierarquia divina: Se elas quisessem ser libertas do plano de Deus, então tira toda a cobertura dada por Deus-rape todo o cabelo também (assim ela também ficaria careca e poderia refletir mais claramente a vergonha de fugir do plano de Deus).
Naquela cultura, uma mulher pega em adultério ou prostituição foi rapada, tosquiada, ficando careca e assim passando vergonha que a impedia de praticar sua imoralidade.

Paulo coloca feminismo no mesmo patamar com prostituição e adultério, como sendo desvios e abusos do plano perfeito e original de Deus.

II. Razões Trans-Culturais pela Decência e Ordem no Culto (8-12) Vss. 8-10 alistam mais razões por trás dessa ordem divina. Já descobrimos que a distinção entre homem e mulher tem de ser mantido na igreja por causa da imagem de Deus que se manifesta em macho e fêmea, cada um complementando o outro.
Também vimos que qualquer desvio desse plano cria distúrbios no culto e no Corpo de Cristo. Mas Paulo alista mais 3 razões por que as estruturas de autoridade criadas por Deus precisam continuar em Cristo. 1. Por causa da ordem da criação (8).

O homem foi criado primeiro. Esse fato precede a Queda, e tira a desculpa de que tudo que Paulo fala é devido ao pecado, mas que "em Cristo" fica abolido. Paulo cita o estado do homem no Jardim. Ele foi a coroa da criação, e seria complementado pela mulher. 2. Por causa do propósito da criação da mulher (9).
A mulher foi feita para complementar o homem. Foi chamada de "auxiliadora idônea" (não um capacho eficiente)-um complemento justamente nas áreas onde faltava-lhe alguma coisa, um refúgio, um socorro, uma representante de Deus ao lado do homem. Mas desde o princípio, ela era sub-missa ao marido, ou seja, a missão dela seria subordinada à missão do seu marido. Essa linha de distinção entre os sexos nunca foi abolida (cf. Ef. 5.22-24). 3. Por causa de seres sobrenaturais (10).

Paulo introduz algo totalmente inesperado e inédito no argumento. As mulheres devem manter a dignidade da sua posição no culto por causa dos anjos! Mais uma vez o argumento transcende cultura. Paulo eleva o argumento para uma esfera sobrenatural e espiritual. Alguns sugerem que "anjos" aqui representam os "mensageiros" da igreja, ou seja, os pastores. Outros dizem que mulheres "libertas" e descobertas no culto público representariam uma tentação (sedução) para anjos, assim como lemos em Gn 6.
Outros afirmam que os anjos são membros invisíveis, assistentes de culto cristão, que se ofendem quando as normas de culto são descartadas.

Creio que essa posição tem mérito. Mas acho que a razão principal por que os anjos são citados aqui é pelo fato de que anjos representam os seres mais dignos, espirituais e ao mesmo tempo submissos no universo. Hebreus 1.14 diz, "Não são todos eles espíritos ministradores enviados para serviço, a favor dos que hão de herdar a salvação?" Em outras palavras, anjos são seres dignos, que ocupam um papel digno, ficam contentes com esse papel, e assim são subordinados a Deus. Quando assistem mulheres libertas e homens "bananas", mulheres que querem ser homens e homens que querem ser mulheres, ficam profundamente ofendidos. 

É interessante notar que os anjos que deixaram seu estado original (Judas 6), mas abandonaram o seu próprio domicílio, são chamados "demônios". Não é de estranhar que os anjos são citados por Paulo como motivo de não abandonar os papéis distintivos ordenados por Deus. Tendo dito tudo isso, cabe uma palavra de cautela (vs. 11-12).
Paulo lembra os corintios mais uma vez de que não está falando de inferioridade, mas de hierarquia, não de ser mas de fazer.
Em Cristo, homens e mulheres são interdependentes. Cada um precisa do outro. A primeira mulher veio do homem, mas depois disso, todo homem no mundo procedeu de uma mulher.

Esse texto não é desculpa para machismo, chauvinismo, opressão de mulheres, diminuição do sexo feminino, etc. O homem que fica batendo na tecla da submissão revela mais sobre sua dignidade do que talvez queira admitir.

III. Razões Culturais para a Expressão de Decência e Ordem (13-16) Chegamos à parte prática do ensino. Se aceitamos a Palavra de Deus e a ordem divina para decência no culto, temos que determinar exatamente COMO podemos cumpri-la em nossos dias. Essa é a questão mais problemática da passagem. 

Fica muito claro que na cultura do primeiro século a maneira principal de demonstrar submissão e satisfação com seus respectivos papéis foi quando os homens ficavam sem véu e as mulheres cobriam a cabeça.

E temos que admitir a possibilidade, como algumas igrejas em nossos dias, de que a Bíblia tem o direito de mandar na cultura, de determinar práticas culturais.
Os Menonitas e a Casa de Oração tem essa prática, assim como a Congregação Cristã do Brasil e outras igrejas. Mas parece que a ênfase do texto recai muito sobre normas e expressões culturais para cumprir o ESPÍRITO do texto.

É por causa desses "poréns" que creio que nossa prática de decência e ordem nos papéis na igreja deve ser diferente, enquanto mantendo o princípio de que homens e mulheres devem ser distintamente homens e mulheres. Vs. 10 diz que o véu serve como "sinal de autoridade".
De fato, a palavra "sinal" não consta no texto original, mas sua ideia está implícita. "A mulher deve ter autoridade sobre a cabeça dela".
A ideia é que, de alguma forma ou alguma maneira, ela manifeste a dignidade de mulher. Vs. 13 contém um desafio: "Julgai entre vós mesmo: é próprio que a mulher ore a Deus sem trazer o véu?" O fato é que nós, hoje, teríamos que dizer que não tem nada a ver.
A diferença entre homens e mulheres na nossa cultura não tem nada a ver com o véu na cabeça. Vs. 14 usa mais um argumento da natureza: "Ou não vos ensina a própria natureza ser desonroso para o homem usar cabelo comprido?

" Paulo apela para outra diferença usada para marcar os sexos-o comprimento do cabelo. Nesse caso, poderíamos abrir um grande debate. A nossa sociedade ainda distingue entre homens e mulheres pelo comprimento do cabelo?
Eu daria um "Sim" cauteloso. As normas mudaram muito nos anos 60, como manifestação aberta de rebeldia e "anti-estabelecimento", uma libertação em que os papéis foram trancados e homens pareciam como mulheres.

Mas novamente, o argumento do apóstolo apela para a natureza. Vs. 15 nos dá mais uma dica de que formas culturais estão em vista. Diz que o cabelo foi dado para a mulher no lugar de mantilha (ou véu). É fato cientificamente comprovado de que Deus fez o cabelo da mulher para crescer mais rápido e por mais tempo que o homem.

A palavra para "cabelo comprido" também pode significar "cabelo arrumado", ou seja, feminino e lindo. Mas o próprio cabelo ajuda a distinguir mulheres de homens. Deus deu o cabelo mais comprido como sinal dessa autoridade, mais uma ajuda para manter as distinções entre os sexos. Vs. 16 termina com mais um argumento de convenção, de tradição e costume.

Paulo diz que qualquer um que rejeita essas distinções necessárias para ter um culto decente e que reflete a ordem do universo está sendo contencioso e está rejeitando o que se pratica comumente nas igrejas. Concluímos que a ênfase do texto não está no véu ou no cabelo em si, embora certamente não existe nada que proíbe os dois.

O ponto é que, no culto e no corpo cristão, mulheres são mulheres, e homens são homens. Cada um tem seu papel distintivo. Cada um tem sua própria dignidade em Cristo. Cada um deve ficar contente e alegre com sua posição. Ficar "liberto" desses papéis significa voltar a escravidão outra vez do diabo.

SEJA UM INFLUENCIADOR DE SUA FAMÍLIA


Um homem temente a Deus é uma arma tremenda nas mãos de Jesus. Portanto se você sabe exatamente quem você é e o que está fazendo aqui, pode perceber as pessoas sem orientação de Deus, arriscando perder a identidade familiar, devido à influência das tradições e paixões dominadoras do mundo. Sua inspiração vai sugerir incutir a quebra desses paradigmas para excitar a renovação das coisas que não funcionam.

Conheço uma família com um filhinho de dois anos. Fiquei impressionado. A influência do pai sobre a criança é tanta que ele chama sua mãe de "a papai". Isso mesmo. Um contraste do que vimos na série de TV "A Família Dinossauro". No cotidiano da família Silva Sauro, o bebê chamava seu pai, "não é a mamãe".
Por ausência da influência paterna, muitos filhos não conseguem assimilar a personalidade do pai e terminam imitando a mãe.

O sucesso profissional que trouxe a estabilidade financeira ou a disposição na luta cotidiana para o sustento da família; a libertação iniciada por Jesus com a conversão, não foram dados por Deus para serem confinadas em si, como uma vitória individual, mas para se tornar conhecida e contagiar a todos principalmente os que vivem sobre sua influência. Do contrário você pode se distanciar demais, afetando o entusiasmo da família (Mc. 4: 21-25).

A sociedade capitalista fez com que os pais perseguissem o desejo da estabilidade financeira porque afirma trazer brio junto à família. Tomado como legitimação pelo desejo de ver os filhos seguros e assistidos, mesmo porque o que o governo garante como saúde, escola, morada, transporte e outras necessidades básicas é uma vergonha; os pais são tentados a negar radicalmente a função de influenciador, entregando-a a qualquer autoridade escolar ou forma de sociedade o que de direito exclusivo recebera de Deus.

Se você se preocupa de fato com seu filho, seja uma influência positiva para ele e ele te elogiará (Rm 13.3), mas se você quer ser deus, senhor e juiz absoluto para seu filho, dando toda segurança que o mundo não pode dar, mas, contudo sem a presença influenciadora do seu amor, se prepare para testemunhar o dia da revolta dele contra toda estrutura que você lhe deu.

Os filhos com formação sem limites ao completarem dezoito anos, a primeira coisa que eles dizem aos pais é que agora já podem ser preso, portanto não são mais obrigados a irem à igreja. Dependendo do seu próprio zelo (por não terem influência paterna), terminam encontrando numa grande árvore no meio da madrugada, a morte precoce entre as ferragens do seu carro novo - presente do pai por entrar na faculdade "particular", embora o presente mais pareça um "cala a boca". Isso quando não perdura transformando o dito em uma espécie de "filho cangurú" envelhecendo em casa as custa dos pais.

Sem constituir família embora possa, tornam-se como galhos secos sem fruto.
Atrase um pouco seu passo caso você possa fazer isso com mais facilidade que os outros. Não compensa se distanciar demais dos seus filhos, mesmo que isso seja para trazer mais êxito financeiro. Melhor, é andar junto daqueles a quem você ama para não perder a influencia do amor familiar.

Seja um influenciador da sua família e viva feliz.

DESCUBRA O PODER DE UMA DECLARAÇÃO DE AMOR


"E do céu veio uma voz, que disse: - Este é o meu Filho amado, que me dá muita alegria" (Mt 3.17)

"O amor é a única razão pela qual se dá a vida"

Se Deus dissesse que hoje seria o último dia que você passaria com a sua família, o que você faria nessas vinte quatro horas? Amar e ser amado é a necessidade mais básica da alma humana. Quem ama demonstra, declara, deixa vazar esse sentimento como água que nutre a alma do outro. A escritora Lya Luft, em seu livro Perdas e Ganhos, ao abordar sobre o tema família, escreve uma verdade sobre a qual precisamos refletir: "Se viver sozinho já é duro, viver em família pode ser onerado e oneroso. Sofremos com a precariedade dos laços amorosos. Sofremos com falta de dinheiro e de tempo. Sofremos com a necessidade de suprir cada vez mais os mandatos do consumo. Sofremos com o pouco espaço para o diálogo, a ternura e a solidariedade dentro da própria casa. Principalmente, não temos tempo ou disponibilidade para o natural exercício da alegria e do afeto".

2 Com razão, disse o escritor Matthew Kelly, em seu livro Os Sete Níveis de Intimida-de, "Dar e receber amor é a maior vocação do ser humano".3 Infelizmente, muitos pais nunca se deram conta da importância e do valor de uma declaração sincera de amor ao filho. A Bíblia diz que antes de Jesus ser levado para o deserto a fim de ser tentado pelo diabo, Deus, o Pai Eterno, fez uma declaração de amor que foi decisiva para a sua vitória sobre o diabo: "Este é o meu filho amado em quem eu tenho muito prazer!" (Mt 3.17). Nossos filhos precisam sair de casa (quando vão estudar, trabalhar ou passear) sabendo que são amados incondicionalmente. Conheço muitos filhos que nunca ouviram dos seus pais uma única declaração de amor.

Certo dia, quando terminei de ministrar em uma igreja sobre a importância do carinho, do afeto e de uma declaração de amor, uma jovem procurou-me e, com os olhos cheios de lágrimas, disse-me: - Pastor, eu tenho dezessete anos e sofro de uma carência crônica de afeto paterno. Meu pai nunca me abraçou, nunca me deu parabéns no meu ani­versário, nunca me fez uma declaração de amor. Pelo contrário, já ouvi dele algumas vezes: "Você deveria ter nascido morta".

Amar e ser amado é imprescindível para a saúde emocional do(a) filho(a). As coisas que mais têm valor no relacionamento familiar não custam dinheiro. Quanto custa uma declaração de amor? Se você tem filho, por que não fazer, hoje mesmo, uma linda declaração de amor para ele? Alguém me enviou um texto que nos faz refletir por que não devemos deixar para amanhã o que podemos fazer hoje. É uma mensagem que foi deixada pelo marido de uma das aeromoças que morreram no acidente que houve com o avião da TAM em que ela trabalhava. Ele jamais poderia imaginar que aquela seria a última saída de sua esposa de sua casa para trabalhar. Por isso ele escreveu... se o amanhã não vier...

"Se eu soubesse que essa seria a última vez que eu veria você dormir, Eu aconchegaria você mais apertado e rogaria ao Senhor que protegesse você. Se eu soubesse que essa seria a última vez que eu veria você sair pela porta, Eu abraçaria, beijaria você e a chamaria de volta Para abraçá-la e beijá-la uma vez mais. Se eu soubesse que essa seria a última vez que eu ouviria a sua voz em oração, Eu filmaria cada gesto, cada palavra sua, para que eu pudesse vê-la e ouvi-la de novo, dia após dia. 

Se eu soubesse que essa seria a última vez, Eu gastaria um minuto extra ou dois, para parar e dizer: eu te amo ao invés de assumir que você já sabe disso. Se eu soubesse que essa seria a última vez, Eu estaria ao seu lado, compartilhando do seu dia, ao invés de pensar: Bem, tenho certeza de que outras oportunidades virão. Então eu posso deixar passar esse dia. É claro que haverá um amanhã para se fazer uma revisão. E nós teríamos uma segunda chance para fazer as coisas de maneira correta. 

É claro que haverá outro dia para dizermos um para o outro: eu te amo, e certamente haverá uma nova chance de dizermos um para o outro: 'Posso te ajudar em alguma coisa?' Mas, no caso de eu estar errado, e hoje ser o último dia que temos juntos, eu gostaria de dizer-lhe o quanto eu amo você" 
Espero que nunca nos esqueçamos disso! O dia de amanhã não está prometido a ninguém, seja ele jovem ou velho. E hoje pode ser sua última chance de segurar bem apertado a mão da pessoa que você ama.

Se você está esperando pelo amanhã, por que não fazer hoje? Porque se o amanhã não vier, você, com certeza, se arrependerá pelo resto de sua vida de não ter aproveitado aquele tempo especial com um sorriso, um abraço ou um beijo. Tudo porque você estava muito ocupado para dar àquela pessoa o que acabou sendo o último desejo que ela queria. Então, abrace o seu amado, a sua amada, o seu fi­lho, a sua filha hoje.

E dê esse abraço bem apertado. Sussurre no seu ouvido, dizendo o quanto você o(a) ama e o quanto o(a) quer junto de você. Gaste um tempo para dizer: desculpe-me; por favor; me perdoe; obrigado; ou ainda, não foi nada; está tudo bem.
Isso porque, se o amanhã jamais chegar, você não terá que se arrepender pelo dia de hoje. Pois o passado não volta e o futuro talvez não chegue.
Papai, mamãe, marido e esposa: parem agora por alguns minutos e reflitam sobre essa mensagem.

E pratiquem-na! Lembrem-se, amor em família é uma arte, um malabarismo, por vezes um heroísmo: essencial como o ar que respiramos.

AGRADE SUA ESPOSA






"10 dicas para que agrade sua amada"

1. Surpresa, a mulher adora ser surpreendida.
2. Carinho, para a mulher carinho é mais importante que orgasmo.
3. Atenção, gastar tempo com ela fazer-lhe pequenos favores, tem mulher que precisa contratar um marido de aluguel.
4. Emoção, fazer alguma coisa que deixe ela sem fôlego, café na cama, uma declaração de amor autentica.
5. Romance, nem sempre sexo é romance, arrotar e soltar pum não tem nada de romântico.
6. Ela quer ser desejada. Descobrir que, mesmo depois de muitos anos, ele continua atraído por ela.
7. Diálogo, de que adianta um jantar em um restaurante chique se ele come sem parar e só responde por monossílabos.
8. Gentilezas, como abrir a porta do carro, oferecer uma rosa, puxar a cadeira, as outras mulheres ficarão com inveja dela.
9. Mais do que fazer, falar, a porta do coração de uma mulher é o ouvido. Uma mulher nunca cansa de ouvir "eu te amo".
10. Não se esqueça do presente.

COMO ESTA SEU CORAÇÃO?


"O homem vê o exterior, porém, o Senhor, o coração" (1 Sm 16.10). Este tem sido o grande problema de nós cristãos e pastores: Costumamos analisar a vida de uma pessoa por aquilo que ela aparenta ser e por aquilo que faz. Quando Samuel escolheu a Saul como rei de Israel 27 anos antes, por indicação de Deus, observou que Saul era formoso e o mais alto dentre os homens de Israel. "Era o mais alto e sobressaía de todo o povo do ombro para cima" (1 Sm 10.22).

No jantar na casa de Jessé, Samuel se deixou enganar pelas aparências ao observar a beleza e o porte físico de Eliabe, o primogênito dos filhos de Jessé. Os profetas também erram. Mas, não quero falar sobre os erros dos profetas. Poderia citar o "fora" de Gade em 1 Crônicas 17 e poderíamos desestruturar alguns dos profetas do Antigo Testamento.

Quero lhes falar do coração do homem, porque é sobre isto que se refere o Senhor a Samuel. E Deus acentua a maneira como ele vê e como nós vemos: Nós conseguimos avaliar uma pessoa pelo exterior, mas Deus não olha para o homem nem o escolhe para si por ser este alto, forte, musculoso, loiro, negro, moreno, baixo, magro ou gordo. Deus não escolhe uma pessoa porque é rica ou pobre, porque sabe falar bem ou não. Seus critérios de escolha são-nos ocultos, apenas temos um indicativo de que ele vê o coração. A propósito, como está seu coração?

Deixamo-nos impressionar por pregadores eloqüentes; por fazedores de milagres, por teleevangelistas - com alguns deles que se apresentam com os ternos mais caros da praça, unhas bem feitas, polidas e pintadas, bem maquiados, em que as câmeras trabalham para que o homem apareça bem. Deixamo-nos impressionar por músicos e cantores que tocam bem, que têm boa voz, que choram, riem e se condoem enquanto cantam; deixamo-nos impressionar pela intelectualidade de alguns pregadores, etc.

E Deus, como vê essa gente? Desculpe-me dizer-lhe, mas às vezes sinto que Deus anda enojado de nós. O pregador que ouvi outro dia contou tanta vantagem sobre si mesmo, falou tanto de sua prosperidade, das riquezas que amealhou em tão pouco tempo que senti que Deus havia fechado os ouvidos para não ouvir tanta baboseira. E disse tantas incoerências bíblicas e teológicas que Paulo deve ter se mexido no sepulcro à procura de sua cabeça que havia rolado no tronco em que foi decepada do corpo. Deus procura corações sinceros. Esta é a tônica nas Escrituras. Davi sabia disso, por isso dizia em sua oração: "Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos". 

E ele não procura apenas os corações sinceros: Procura os que têm motivações corretas. Veja como pode ser a motivação do nosso coração:

1. A pessoa dá o dízimo, porque tem medo de ser amaldiçoada. Não o dá de coração.

2. Dá ofertas na igreja porque espera receber em troca alguma dádiva divina. E os pregadores sabem barganhar com isso. Semeie e você colherá. A questão não é a semeadura cujo princípio é natural e bíblico - mas semear para poder lucrar.

O coração quer mais. A ganância está dentro do coração. A mesma ganância financeira de obter lucros nos negócios é transferida para as ofertas que são trazidas a Deus. 

3. Pergunte a uma pessoa por que ela está jejuando e se consagrando? Ela lhe dirá: Estou jejuando porque quero ter mais poder. Por que você quer ter poder? Ela responderá: Para curar os enfermos e expulsar os demônios. Mas, pra que expulsar demônios e curar os enfermos? Ao fim e ao cabo você descobrirá que a motivação do jejum é para obter poder, para ter um grande ministério, para ter uma igreja e poder se sustentar.
Este é o coração de muitas pessoas que jejuam, oram e se consagram a Deus. O interesse delas é no que poderão realizar como resultado de sua consagração. Não é o que Deus irá obter; mas o que ela obterá. 

4. Pergunte a alguém por que quer ser pregador da palavra de Deus; por que quer trabalhar na igreja e verá que a motivação é sempre a própria pessoa, ainda que se oculte sob a capa de santidade e do poder de Deus. E nesse sentido o cantor grava seu Cd não porque tem uma missão a fazer, mas porque acha que é importante que todos saibam que ele é um bom compositor e que canta bem. Da mesma forma os pregadores. O foco não é Deus, mas eles mesmos.

Como é difícil ser honesto consigo mesmo! 5. Nos dias de Pedro e João havia dois apóstolos e um Simão. Hoje são milhares de Simão e nenhum apóstolo. Quando Pedro e João pregavam em Samaria, Simão, o mago ficou impressionado com os milagres que os dois apóstolos realizavam. "O próprio Simão abraçou a fé", diz o texto e ficava extasiado "observando os sinais e grandes milagres" que os apóstolos faziam. Ele também queria realizar milagres, e ofereceu dinheiro aos dois para receber o Espírito Santo.

Ele queria ter poder para impor as mãos e as pessoas ficarem cheias do Espírito Santo. O que Pedro lhe respondeu? "Não tens parte nem sorte neste ministério, porque o teu coração não é reto diante de Deus".

Hoje pregadores e cantores são abertamente discípulos de Simão, porque seus corações não são retos diante de Deus. Ora, um cantor que cobra a exorbitância de 5 a 35 mil reais para apresentar algumas músicas; e opta por cantar em rodeios e shows mundanos mostra descaradamente que o seu coração não é reto diante de Deus. E canta para igrejas lotadas de pessoas cujos corações não são retos diante de Deus. E o povo que não é reto diante de Deus sustenta essa malignidade gospel em nossa nação. Pregadores há que cobram a exorbitância de 5 mil a 15 mil reais por pregação, porque seus corações não são retos diante de Deus. Em vez de a igreja ouvir a João e a Pedro, está ouvindo os discípulos de Simão.

Simão deu a volta por cima; ficou famoso. Afinal, tem dinheiro, aparece na mídia, e conseguiu obscurecer os verdadeiros apóstolos. Deixe-me dizer-lhe esta palavra séria, meu irmão: Às vezes percebo que os membros das igrejas preferem dar ouvidos a Simão, o mágico, que canta e dança bem; que prega e convence, que faz milagres e é eloqüente, porque eles também têm um coração como o de Simão. Veem nele o protótipo do cantor e do pregador, do fazedor de milagres que gostariam de ser um dia. 

Será que Deus não está ficando enojado disso tudo? "Ele te declarou, ó homem, o que é bom e que é que o que o Senhor pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus". Meu irmão. Como está seu coração? O que o motiva a louvar, a contribuir, a adorar e a pregar o evangelho? O que o motiva a ouvir Simão realizar milagres, cantar e pregar?

Sua motivação é Deus ou Deus é apenas a motivação que por fim trará sucesso a você? E o pior é que, muitos deles não terão tempo sequer de se arrepender de suas práticas erradas. Pense nisso.

ATÉ QUE A MORTE OS SEPARE


Casar é fácil. Difícil é permanecer casado e viver feliz em meio à rotina do casamento. Nossas atitudes devem revigorar a chama da felicidade , trazendo luz e calor nos momentos de frieza e nas horas escuras das dificuldades. Mas, na prática, acontece o inverso.

Muitos se casam por motivações erradas: ter direito de usufruir do sexo ilícito, fugir dos problemas familiares, sair da tutela e vigilância de pais opressores, ter uma pessoa com quem compartilhar despesas, dar nome a um filho indesejado, satisfazer as exigências da sociedade, ser dono do próprio nariz, encontrar a felicidade.

No entanto, ainda que sua escolha tenha acontecido por razões incompatíveis com o amor, separar-se nunca é a melhor solução. Não desista! Erros passados não anulam o direito de ser e de fazer o outro feliz. "E serão os dois uma só carne e, assim, já não serão dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou, não o separe o homem (Marcos 10:8,9).

Separação nunca foi e jamais será o plano de Deus. Divórcio só acontece por causa da dureza do coração do homem. "Disse-lhes ele [Jesus]: Moisés, por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, ao princípio, não foi assim" (Mateus 19:8).

É a dureza do coração irreconciliável que aventa a possibilidade da separação. O divórcio sempre promete mais do que produz. Em vez de estimulada com palavras e atos irracionais, a separação deve ser banida do relacionamento a partir do perdão e da tolerância.

Antes do divórcio, o Altíssimo ensina acerca do perdão, da reconciliação, do amor e da paz. Por causa da dureza do coração, a misericórdia de Deus tolera a separação. No entanto, a vontade absoluta do Senhor é frustrada com o divórcio. Jesus gostaria que o casamento jamais chegasse ao fim.

A separação quebra a união feita na presença do Senhor. O rompimento desse pacto traz resultados drásticos, tanto para o casal como para os filhos e os parentes. As feridas abertas enfrentam uma longa e dolorosa jornada para a cura.
O casamento é um pacto de fidelidade pelo qual ambos os cônjuges prometem viver lado a lado na alegria e na tristeza, na fartura e na pobreza, na saúde e na doença, na juventude e na velhice; fiéis um ao outro nos melhores e nos piores momentos. O que diz a Palavra do Senhor? "Não quebrarei o que saiu dos meus lábios" (Salmo 89:34).

Lute pelo seu casamento, independente da pessoa com a qual você se uniu. Não perca a esperança. Nada é impossível para Deus. Ele é o Todo-poderoso que pode curar a sua dor, sarar as suas feridas e arrancar o veneno de seu coração. Se Ele quiser, pode operar algo inesperado, e trazer a solução. Não queira operar o milagre que somente Deus pode fazer. Não há nada que Ele não possa executar.

O Criador tem poder para tirar você de um lugar de infelicidade e colocá-lo num palácio maravilhoso, onde reinam o amor, a paz, a alegria de um coração feliz, amável, perdoado e perdoador.

Um Grande Abraço Pr-Valni Borges

"Nos momentos difíceis, olhem nos olhos um do outro e resgatem o amor verdadeiro que os uniu. E lembre-se o que Deus uniu homem nenhum separa...."

AS JÓIAS PRECIOSAS DO CRENTE


Precioso significa: valiosíssimo, inestimável, excelente A Bíblia mostra-nos que há coisas que o crente deve considerar e ter como preciosas Contudo, há uma coisa que, por incrível que pareça, o crente não deve ter como preciosa

NUNCA A NOSSA VIDA

“mas em nada tenho a minha vida como preciosa para mim, contando que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus” Act 20:24

Deus pode tirar-nos o que erradamente julgamos ser mais precioso

“Quando com repreensões castigas o homem por causa da iniquidade, destróis, como traça, o que ele tem de precioso; na verdade todo homem é vaidade” Sl 39:11

O verdadeiro crente está pronto a ser prejudicado e até pôr em risco a sua vida para ser fiel e cumprir a vontade de Deus

“Então Paulo respondeu: Que fazeis chorando e magoando-me o coração? Porque eu estou pronto não só a ser ligado, mas ainda a morrer em Jerusalém pelo nome do Senhor Jesus” Act 21:13 

O verdadeiro crente é capaz de desprezar a sua vida por amor ao Senhor

“Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte o dia todo; fomos considerados como ovelhas para o matadouro” Rm 8:36

A Bíblia fala de crentes que venceram porque não amaram as suas vidas 

“E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até a morte” Ap 12:11

Quantos crentes não são derrotados por amarem demais a sua vida, tendo-a como preciosa

A NOSSA FÉ 

“Para que a prova da vossa fé, mais preciosa do que o ouro que perece, embora provado pelo fogo, redunde para louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo”

A nossa fé é muito mais preciosa que o próprio ouro

“Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, aos que connosco alcançaram fé igualmente preciosa na justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo” IIPe 1:1 

Por ser mais preciosa que o ouro, a nossa fé tem que ser provada. Temos que admitir essa verdade e não estranhar quando nos surgem provas ou tentações. 

AS PROMESSAS DE DEUS 

“Pelas quais ele nos tem dado as suas preciosas e grandíssimas promessas, para que por elas vos torneis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo. Temos que encarar as promessas de Deus como preciosas” 

Para cremos nelas. Para aceitá-las. Para dependermos delas no nossa dia-a-dia.

“mas com precioso sangue, como de um cordeiro sem defeito e sem mancha, o sangue de Cristo” IPe 1:19 

Pelo sangue precioso de Cristo fomos reconciliados com Deus; temos acesso a Deus; temos purificação para todos os nossos pecados. 

A BENIGNIDADE DO SENHOR 

“Quão preciosa é, ó Deus, a tua benignidade! Os filhos dos homens se refugiam à sombra das tuas asas” Sl 36:7 

Por causa da benignidade do Senhor, temos refúgio e abrigo. Ela é a causa de não termos sido consumidos.

A UNIÃO ENTRE OS IRMÃOS

“Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união! É como o óleo precioso sobre a cabeça, que desceu sobre a barba, a barba de Arão, que desceu sobre a gola das suas vestes” Sl 133:1-2

Devemos ter como preciosa a nossa união como crentes, irmãos em Cristo, e como igreja 

A SABEDORIA

“Feliz é o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire entendimento; pois melhor é o lucro que ela dá do que o lucro da prata, e a sua renda do que o ouro. Mais preciosa é do que as jóias, e nada do que possas desejar é comparável a ela” Pr 3:13-15

Devemos encarar a sabedoria como preciosa: porque nos tona felizes; porque é um grande lucro ou uma mais-valia para aquele que a acha. 

A VINDA DO SENHOR

“Portanto, irmãos, sede pacientes até a vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba as primeiras e as últimas chuvas”



A MORTE DOS SANTOS

“Preciosa é à vista do Senhor a morte dos seus santos” Sl 116:15 

Para nós pode ser uma triste separação, mas para Deus é algo precioso.

As Tribulações do Crente

“Porque por muitas tribulações nos importa entrar no Reino de Deus” (Atos 14.22).

"Aqueles que se dedicam a Cristo como Senhor, e que um dia entrarão no reino do céu, hão de sofrer “muitas tribulações” ao longo do seu caminho. Por viverem em meio a um mundo hostil, têm que se engajar na guerra espiritual contra o pecado e o poder de Satanás (Ef 6.12; cf. Rm 8.17; 2 Ts 1.4-7; 2. Tm 2.12). Por outro lado, a vida verdadeiramente cristã é uma contínua batalha contra os poderes do mal. (1) Os que são fiéis a Cristo, à sua Palavra e aos caminhos da justiça, terão problemas e aflições neste mundo (Jo 16.33). Somente o “crente” morno ou de meio termo viverá em paz com este mundo (cf. Ap 3.14-7). (2) O presente mundo ímpio, bem como os falsos crentes, continuarão como adversários do evangelho de Cristo até quando o Senhor derrubar o sistema maligno deste mundo, na sua vida (Ap 19.20). Entrementes, a esperança do crente “está reservada nos céus” (Cl 1.5) e está “já prestes para se revelar no último tempo” (1 Pe 1.5). Sua esperança não consiste nesta vida, nem neste mundo, mas no aparecimento do seu Salvador para levá-lo para si (Jo 14.1-3. 1 Jo 3.2,3)” (Comentários da Bíblia de Estudo Pentecostal).

“E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz paciência; e a paciência, a experiência; e a experiência, a esperança” (Rm 5.3-4).

“Paulo alista “tribulações” como uma das bênçãos da salvação em Cristo. (1) A palavra “tribulação”refere-se a todos os tipos de provações que podem nos afligir. Isto inclui coisas como necessidades financeiras ou materiais, circunstâncias difíceis, tristeza, enfermidade, perseguição, maus tratos ou solidão. (2) Em meio a estas aflições, a graça de Deus nos capacita a buscar mais diligentemente a sua face e produz em nós um espírito e caráter perseverantes, que vencem as provações e as aflições da vida. A tribulação, ao invés de nos levar ao desespero e à desesperança, produz a paciência (v.3), a paciência produz a experiência (v.4), e a experiência resulta numa esperança madura que não decepciona (v. 5). (3) A graça de Deus nos capacita a olhar além dos nossos problemas presentes, nossa ardente esperança em Deus e a certeza garantida da volta do nosso Senhor para estabelecer a justiça e a piedade no novo céu e nova terra (1 Ts 4.13; Ap 19 – 22). Entrementes, enquanto estivermos na terra, temos o amor de Deus derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, a fim de nos consolar em nossas provações e trazer até nós a presença de Cristo (Jo 14.16-23)” (Comentário da Bíblia de Estudo Pentecostal).