terça-feira, 27 de maio de 2014

Os Presentes e os Pardais


Um helicóptero sobrevoou a cidade jogando brinquedos. Ouvi o barulho das crianças e sai até o portão. Eram dezenas delas carregando bolas coloridas e apesar de não caber mais presentes nas pequenas mãozinhas, olhavam sorridentes para o céu aguardando mais novidades. Os adultos também se mostravam surpresos e felizes, afinal um gesto de tamanha bondade era raro de se ver, quem sabe somente de ano em ano, no Natal, quando os corações ficam mais solícitos a doação.

A cena me fez refletir sobre Deus e Sua bondade. Todos os dias Ele enviapresentes do céu para cada um de nós. Alguns reconhecem que tudo provêmdo favor Divino, os bens mais preciosos que de tão acostumados que estamos com eles, sequer lembramos de agradecer : o ar que respiramos, a brisa que balança as folhas das árvores, os sorrisos que atravessam nossos caminhos. E estamos sempre aguardando mais do que nos falta ou do que temos de sobra.

Tudo é milagre, mas não nos damos conta, até que a ausência de qualquer coisa nos assalte e percebamos o imenso valor do que se perdeu. Usando um exemplo próximo e real, meu amado esposo Franklin quebrou um ossinho do pé direito chamado quinto metatarso, faz dois meses e já está recuperado, mas ficou a lição: o pequeno se tornou gigante e tivemos que mudar toda rotina. Quanta falta fez caminhar!

Durante esse período, constatamos o desprezo das instituições para com oscadeirantes: dificuldade para encontrar rampas e cadeiras de rodas em bom estado para movimentar-se, lembro de passar sufoco em um supermercado empurrando uma cadeira com pneu furado . E só nos demos conta da dimensão do problema, quando passamos por ele. Todos os dias pessoas com necessidades especiais são ignoradas em seus direitos de ir e vir, mas como estamos tão ocupados conosco, não nos incomoda.

E essas lições fazem falta em nossas igrejas. Imploramos por milagres, coisas grandiosas e sobrenaturais, enquanto isso o sobrenatural milagre do amor e da gratidão está distante, perdido em lugares sedentos e secos que aguardam pelo menos gotas de águas que sejam. Estamos como as crianças com olhos fitos nocéu, de mãos cheias e querendo mais. E se pelo menos nossos corações tivessem a pureza da infância, o mundo seria outro, nós seríamos o outro, o amor seria viver e não 'troco'.

Lucas 22:35 “E perguntou-lhes: Quando vos mandei sem bolsa, alforje, ou alparcas, faltou-vos porventura alguma coisa? Eles responderam: Nada.”

Essa passagem do Evangelho, sempre fala muito comigo. O tempo era distinto: sem a tecnologia, os muitos shoppings , lojas de luxo, mas o cuidado de Deuspara com seus filhos não mudou. Salvar pessoas era mais importante que demonstrar riquezas. Humildade, simplicidade e fé eram prioridades. Será essa uma mensagem ultrapassada?!

Por que se fica tão ansioso com tudo e se precisa comprar tanto?

As maiores riquezas não estão à venda, são gratuitas e vêm de Deus em favordiário para nós. Que possamos olhar para o céu, sabendo que Deus nos deutudo que é necessário para sermos felizes, Ele colocou a Eternidade em nós e através de Jesus Cristo até a morte foi vencida. Sim, Ele quer que sejamos prósperos e gratos e não andemos murmurando.

Me permitam finalizar com um testemunho que muito me marcou: o homem que interpretou o super-homem no cinema, Christopher Reeve. Após sofrer um acidente caindo do cavalo, perdeu os movimentos do corpo e ao perguntarem-lhe do que sentia falta na vida, respondeu: “ É incrível, as coisas que antes não pareciam ter valor algum são as que mais me emocionam hoje. Passo horas admirando os pardais saltitando, me traz conforto, a liberdade deles me dá liberdade”.

É isso amados leitores, que possamos contemplar o céu e a maravilhosa graça Divina como milagres diários em nossos dias e sejamos felizes!

Deus o abençoe.

O Orvalho do Hermon



Salmo 133 

“Oh, quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união... É como o orvalho de Hermon, que desce sobre os montes de Sião, porque ali o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre”. Salmo 133: 1,3.

O que há de tão especial no monte Hermon para que seja comparado a união fraternal e abençoada por Deus? Conhecer a geografia do monte ajudará a desvendar a simbologia usada por Davi nesse cântico de peregrinos.

O Monte Hermon está localizado no extremo norte de Israel, ao norte de Dan e leste de Tiro. É um dos pontos mais altos da região. Também é chamado de 'monte grisalho' por ser constantemente coberto de neve, o orvalho que desce sobre suas alturas está em contraste permanente com a aridez das áreas circundantes. Rega toda a terra, alimentando corregos e rios, inclusive o Rio Jordão, principal fonte de água na região. Esse banho de orvalho torna a região fértil e cercada por carvalhos, pinheiros e vinhas abundantes.

Visitantes acampados ao pé do Hermon, relatam que suas barracas foram molhadas pelo orvalho durante à noite, como se houvesse chovido: “Fomos suficientemente instruídos sobre o Salmo de Davi “.

Meditando no orvalho...O orvalho é enviado do céu como um refrigério para a terra, tornando-a tão fértil que floresce e frutifica o ano inteiro. Assim é a união entre os irmãos: funciona como um bálsamo, desfazendo a contenda, os ânimos, as paixões carnais. A união é como o orvalho que prepara a igreja para frutificar emboas obras, modificando o mundo, tornando-o um lugar mais cheio de amor e agradável.

O orvalho é a Palavra de Deus no coração dos homens, Ela tem poder de transformar e produzir frutos dignos e abençoadores. Há um verso Bíblico que diz: 'Inclinai os ouvidos, ó céus, e falarei; e ouça a terra as palavras da minha boca.Goteje a minha doutrina como a chuva, destile a minha palavra como oorvalho, como chuvisco sobre a erva e como gotas de água sobre a relva.' Deuteronômio 32:1-2

Que em momentos críticos de nossa convivência, possamos recordar esse Salmo para agirmos sob a direção do Espírito Santo, gotejando o orvalho sobre os corações, proporcionando vida abundante como as águas do Jordão que nascem do orvalho do Hermon. Não foi nesse Rio que João Batista anunciou a vinda do Messias? Ali ele ordenou benção realizando o batismo do novo nascimento para vida Eterna.

Deus o abençoe.

Que Tipo de Árvore Você É?


'Do mesmo modo, toda árvore boa produz bons frutos, e toda árvore má produzfrutos maus.' Mateus 7:17

'Então Jesus proferiu esta parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha e, indo procurar nela fruto, não o achou. Pelo que disse ao viticultor: Há três anos venho procurar fruto nessa figueira, e não o acho. Corta-a! Por que ocupa ainda a terra inutilmente?' Lucas 13:6-7 

Quando Jesus ensinava as multidões, muitas vezes fazia uso de parábolas para citar fatos e situações que aconteciam naquela época. E, naquela época, assim como hoje, existiam três classes de pessoas que encontramos dentro e fora das igrejas... 

A primeira classe à qual quero me referir é comparada a uma árvore que produz bom fruto. Tais pessoas comportam-se conforme o ensino de Cristo, deixando enraizar em seus corações a semente da Palavra, produzindo frutos de amor, misericórdia, fidelidade, paz e bondade que são percebidos por todos. 

A segunda classe, segundo Mateus 7:17, é como uma árvore má, produzindofrutos maus. São pessoas que, às vezes, até vão às igrejas, ouvem a Palavra, se emocionam, mas continuam produzindo os mesmos tipos de frutos: ódio, contendas, intrigas, confusões, incompreensão, infidelidade... Endurecem seus corações e não permitem que a semente de Cristo penetre e cresça. 

Por fim existe também a árvore que não produz nenhum fruto. Pessoas que vão aos cultos, estudam a Palavra, mas não fazem nada na obra de Deus. Estão há anos na mesma estagnação espiritual, como plantações cheias de folhas, mas sem fruto algum que se aproveite... 

Reflita consigo mesmo: qual árvore você está sendo? Quais frutos Jesusencontrará em seus ramos? 

'Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto, e assim vos tornareis meus discípulos' João 15:8.

Que Deus os abençoe em Nome de Jesus Cristo!

Aparência e Conteúdo


“E eles, passando pela manhã, viram que a figueira se tinha secado desde as raízes.” (Marcos 11:20)

Indo de Betânia a Jerusalém, Jesus sentiu fome. Ao passar por uma figueiracoberta de folhas bem verdes (aparência), aproximou-se para colher alguns figos. Vendo, porém, a mais absoluta ausência de frutos (conteúdo), Jesus “amaldiçoou” a figueira, condenando-a à improdutividade permanente. “No dia seguinte, de manhã bem cedo, Jesus e os discípulos passaram perto da figueira e viram que ela estava seca desde a raiz” (Marcos 11:20).

A explicação dada por Jesus, claramente, nada tem a ver com o fato de umafigueira secar, por não possuir fruto, o que poderia ser encarado com naturalidade em uma época que não era de colheita... Mas, de repente, Ele começa a explicar sobre a fé capaz de modificar as coisas.

Mas qual seria a relação entre uma figueira amaldiçoada e a vida de fé, cheia defrutos, que o Senhor espera que tenhamos?

Tal como aquela figueira, muitos de nós conseguem impressionar e convencer à primeira vista. Nossas “folhas verdes” dão a aparência de viço, de vida, de robustez, o que não necessariamente implica em autenticidade e principalmente em produtividade.

Em tempos de números e estatísticas, ouvimos por todos os lados de índices que falam em crescimento da igreja. Alguns calculam que em duas décadas a maioria da população brasileira será evangélica. Mas seria isso suficiente para afirmarmos que a Obra de Deus está verdadeiramente arraigada e influenciando para o bem esta terra? Será que temos uma igreja comprometida com a humilde e serena verdade do evangelho? Será que essas multidões presentes em censos e pesquisas estão unidas pelo vínculo do amor e da fé? E será que como se foram um só coração dão testemunho real e com autoridade de Cristo através de suas próprias vidas? São perguntas vitais e que nos impelem a uma profundareflexão.

Muitas vezes somos apenas corpos frequentadores de igreja, bocas que berram mecanicamente seus améns e aleluias, mãos ignorantes que carregam Bíblias que nunca são lidas, ternos e gravatas que escondem uma alma maculada por pecados clandestinos. Muitas vezes somos apenas folha verdade – aparência – porém sem um único fruto verdadeiro de sincero compromisso com Cristo e Sua Palavra.

Nossa vocação, como cristãos, não é simplesmente oferecer abrigo, embaixo da folhagem verde dos nossos ramos. Nossa vocação, de tempo integral, é providenciar alimento para um mundo raquítico e desnutrido de Deus. Acima de tudo e acima das estações do ano, o cristão continua sua missão de realizar a obra de Cristo, isto é, de doar “vida com abundância”. O eterno é eterno porque é atemporal. A qualidade de nossa missão é eterna. Por isso, nunca devemos estar presos às limitações das estações, das culturas, das tecnologias ou dos modismos teológicos.

É bem verdade que folhas verdes são belas e dão boa impressão. Mas, para Deus, isso não basta. Não devemos ser apenas figueiras com folhas. Temos que ir além da aparência, temos que ter compromisso e conteúdo – temos que ser figueiras com frutos!

segunda-feira, 26 de maio de 2014

As três armas poderosa que estão ao alcance da igreja


Texto: (At. 4:31) “Tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo, e, com intrepidez, anunciavam apalavra de Deus”.
Introdução

As vezes, ficamos preocupados com as ondas de violência deste mundo. Satanás, ele tem um arsenal, muito poderoso de destruição. O inimigo, ele não brinca, quando ele chega é para devastar, destruir, aniquilar, e tirar fora de circulação, com todos os seus opositores. Diante de tanto poder como fica á igreja do Senhor Jesus? O que o povo de Deus tem em suas mãos para se defender de todos os ataques ardilosos de Satanás? O povo de Deus, tem algumas armas secretas e muito poderosa para enfrentar o inimigo. Deus, também tem os seus recursos e armas que vão muito além das armas do inimigo. Estas armas Deus colocado ao alcance da igreja.

Quais são as três armas poderosa que estão ao alcance da igreja?

Primeira Arma

O PODER IMPACTANTE E SOBRENATURAL DA ORAÇÃO

A oração e uma arma poderosa que Deus colocou em suas mãos, para destruir com toda obra do inimigo. Esta arma está ao alcance da igreja, ela é uma arma muito poderoso, superior a todas as armas que o inimigo tem para usar contra você e contra á igreja do Senhor Jesus. Esta ferramenta importantíssima não pode faltar em sua vida. Diante das ameaças do inimigo, você deve buscar os recursos e as providências que Deus tem deixado ao seu alcance, e através desta arma magnifica o Senhor te dará muitas vitorias sobre o inimigo. A oração é tão poderosa que ela toca o coração do criador do Deus todo poderoso que sustenta o universo. A oração alcança o impossível e faz milagres acontecer. Satanás, zomba, ri de todo o nosso esforço, garra e sabedoria, mas ele foge diante do poder da oração. - Daniel orou e Deus fechou a boca dos leões (Dn. 6:10-11,21-22). Paulo e Silas Oravam e Deus sacudiu, balançou, e estremeceu com os alicerce da prisão e as portas foram abertas. (At.16:25a -26). O profeta Elias orou e fogo do céu caiu e Deus concedeu vitória para o seu servo. (IRs. 18:36-38 ). Josué orou e o Sol parou. (Js. 10:12-14 ).Em todos estes fatos a vitória foi garantida por causa do poder da oração. Vocês viram como esta arma é poderosa. Se você quiser ter uma vida de vitória, então tome posse desta arma agora, não deixa para depois, porque a oração é arma infalível que Deus deixou a sua disposição, ao seu alcance para você lutar contra o inimigo e sair Vitorioso desta batalha.

Segunda Arma

A UNÇÃO DO ESPÍRITO SANTO EM NOSSA VIDA, NOS CAPACITA E NOS FORTALECE PARA VENCER O INIMIGO.

Esta é uma arma secreta que Deus tem deixado ao seu alcance. O Espírito Santo, ele renova as nossa força, quando nos sentimos fracos, ele nos fortalece e revigora o nosso ser e a nossa alma. O Espírito Santo, além de renovar a nossa força física, ele também renova a nossa força espiritual. Estêvão, quando estava para ser apedrejado, foi cheio do Espírito Santo. (At. 7:55) “Mas Estêvão, cheio do Espírito Santo, fitou os olhos no céu e viu a glória de Deus, e Jesus, que estava à sua direita”. Nesta hora a unção do Espírito Santo renovou as força espirituais de Estêvão. Se você está franca, sem força, sem coragem, desanimado e não consegui vencer as adversidade, se você esta prostrado diante dos problemas da vida, e o inimigo tem te humilhado, e zombado de você, e você não está conseguindo vence-lo, a razão é simples: está te faltando esta arma em sua vida”. “A arma da unção do Espírito Santo” Tome posse neste momento, o Senhor. ele te capacitará e através da unção do Espírito Santo em sua vida, você vencerá o inimigo. Se você quiser vencer busque esta arma:“O poder do Espírito Santo”. Este poder deve fazer parte da sua vida diariamente. Por que? Porque Ele te guia, ele te ensina, ele te capacita, ele te fortalece diante do inimigo, diante das lutas, diante dos problemas da vida, ele te consola nas horas de aflições, e através da presença dele em sua vida, ele te dará coragem e ousadia para enfrentar o inimigo e os problemas da vida, Esta arma poderoso, o Espírito Santo te mostrará o caminho da vitória.

Terceira - Arma

A PALAVRA É UMA ARMA PODEROSA, QUE NOS DÁ AUTORIDADE PARA VENCERMOS O INIMIGO

Por que a palavra é uma arma poderosa? Porque ela é a viva, poderosa e eficaz nos seus propósitos e efeitos. A Palavra nos ensina a lutar contra o mal, contra o pecado, porque é o pecado nos afasta da benção de Deus, o pecado nos afasta dapresença de Deus. Quando obedecemos a palavra de Deus,prosperamos em tudo que colocarmos as nossas mãos. (Dt. 28:2) “E todas estas bênçãos virão sobre ti e te alcançarão, quando ouvires a voz do Senhor teu Deus”.Ou seja, ouvir a palavra é dar crédito a palavra de Deus, é praticar a palavra. A Palavra ilumina os nossos caminhos. (Sl. 119:105) “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para os meus caminhos”. Através da palavra a igreja recebe força para enfrentar os problemas, as lutas, as adversidade, e te concede autoridade, força e fé para combater as obras do inimigo. A palavra é uma arma poderosa, porque a palavra é JESUS. Se você quiser vencer, aceite á Jesus como seu único salvador e tome posse desta arma poderosa. Esta arma é a palavra e a palavra é Jesus, e Jesus ele te guarda, ele te livra da hora da tentação que a de vir sobre o mundo. Jesus ele te protege, Jesus ele te ama, Jesus ele quer ver o seu bem. Em(Jo 14:6) Está escrito que: “Jesus é o caminho, a verdade, é a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim”. A todos que querem vencer os obstáculos da vida, e ao inimigo, a única maneira é através de Jesus. Com esta arma poderosa, você vai bombardear o território do inimigo. Satanás não vai aguentar, o inimigo não vai suportar, devido a eficácia do poder desta arma. Com Jesus a vitória é certa.

Conclusão

Diante da artilharia pesada do inimigo, Jesus colocou ao alcance da igreja, três armas poderosa e quando você fizer usa delas você destruirá com o poder do inimigo e ele ficará sem ação para te atingir. E as arma que Deus colocou ao alcance da igreja são: O poder impactante e sobrenatural da oração, a unção do Espírito Santo em nossa vida, nos capacita e nos fortalece para vencer o inimigo, A palavra é uma arma poderosa, que nos dá autoridade, para vencermos o inimigo.

Os três conselhos


Texto: (Pv.1:5) “O sábio ouvirá e crescerá em conhecimento, e o entendido adquirirá sábios conselhos;”

INTRODUÇÃO

Esta não é uma mensagem comum, mas tenho tido testemunhos de que ela tem mudado vidas por muitos lugares. Então agora, após ministrá-la em alguns púlpitos resolvi colocar em palavras aquilo que o Senhor me deu. Existe um ditado popular que diz: “Se conselho fosse bom ninguém dava; vendia”. Mas quero ir contra esta palavra, pois a palavra de Deus nos ensina que conhecimento traz crescimento e que conselhos são para os que têm entendimento. Por isso quero crer que neste momento você amigo leitor, acaba de se mostrar uma pessoa que deseja entendimento e conhecimento. Devemos lembrar que a fé vem por ouvir a palavra de Deus (Rm-10:17), e se você abrir o seu coração, o Espíritos Santo falará a você através desta mensagem. Então mais uma vez quero lhes dizer que estes conselhos irão mudar sua vida e com toda a certeza você terá vitória em sua vida. Estava pesquisando pela internet, quando vi uma história que me chamou a atenção. Essa história falava de um casal. E ao lê-la, fiquei tocado, e logo o Espírito Santo falou ao meu coração: “Filho meu! Leve esta mensagem por onde for, pois esta é a minha vontade”. Mas para que você receba a mensagem, é necessário que leia a história.

OS TRÊS CONSELHOS

Um casal recém de casados, era muito pobre e vivia de favores num sítio. Um dia o marido fez uma proposta à esposa: “Querida eu vou sair de casa e vou viajar para bem distante, arrumar um emprego e trabalhar até que eu tenha condições de voltar e dar a você uma vida mais digna e confortável”. Não sei quanto tempo vou ficar longe de casa, só peço uma coisa: que você me espere e, enquanto eu estiver fora, seja fiel a mim, pois eu serei fiel a você. Assim sendo o jovem saiu. Andou muitos dias a pé, até que encontrou um fazendeiro que estava precisando de alguém para ajudar em sua fazenda. Ele se ofereceu para trabalhar, e foi aceito. Sendo assim, o jovem rapaz propôs um pacto ao patrão: Patrão eu peço só uma coisa para o Senhor. Deixe-me trabalhar pelo tempo que eu quiser e quando eu achar que eu devo ir embora o Senhor me dispensa das minhas obrigações. Não quero receber o meu salário. Quero que o Senhor o guarde, como uma poupança até o dia que eu sair daqui. No dia em que eu sair o Senhor me dá o dinheiro e eu sigo o meu caminho. Tudo combinado, aquele jovem trabalhou muito, sem férias e sem descanso. Depois de longos vinte anos ele chegou para o seu patrão e lhe disse: Patrão eu quero o meu dinheiro, pois estou voltando para a minha casa. O patrão então lhe disse: Tudo bem, nós fizemos um pacto e eu vou cumprir. Só que antes eu quero lhe fazer uma proposta. Curioso ele pergunta a seu patrão qual era a proposta, e seu patrão lhe diz: Eu lhe dou todo o seu dinheiro e você vai embora ou eu lhe dou três conselhos e não lhe dou o dinheiro e você vai embora. Se eu lhe der o dinheiro eu não lhe dou os conselhos e se eu lhe der os conselhos não lhe dou o dinheiro. Vai pro seu quarto, pense e depois me dê a resposta. O rapaz pensou durante dois dias e depois procurou o patrão e lhe disse: Eu quero os três conselhos. Se eu lhe der os conselhos eu não lhe dou o dinheiro. Disse o patrão. Eu quero os conselhos. Respondeu o rapaz. O patrão então lhe falou, estes são os três conselhos:

Primeiro Conselho

NUNCA TOME ATALHOS EM SUA VIDA, CAMINHOS MAIS CURTOS E DESCONHECIDOS PODEM CUSTAR A SUA

Segundo Conselho

NUNCA SEJA CURIOSO PARA AQUILO QUE ÉMAL, POIS A CURIOSIDADE PRO MAL PODE SER MORTAL

Terceiro Conselho

NUNCA TOME DECISÕES EM MOMENTOS DE ÓDIO E DE DOR, POIS VOCÊ PODE SE ARREPENDER E SER TARDE DEMAIS

Após dar os três conselhos o patrão disse ao rapaz que já não era tão jovem assim: Aqui você tem três pães, dois são para você comer durante a viagem e o terceiro é para comer com a sua esposa quando chegar a sua casa. O rapaz seguiu o seu caminho de volta para casa, depois de vinte anos longe de casa e da esposa que ele tanto amava. Andou durante o primeiro dia e encontrou um viajante que o cumprimentou e lhe perguntou: Pra onde você vai? Vou para um lugar muito distante que fica a muitos dias de caminhada por esta estrada. Rapaz, esse caminho é muito longo, eu conheço um atalho que é dez vezes menor e você vai chegar em poucos dias. O rapaz ficou contente e começou a seguir pelo atalho, quando lembrou-se do primeiro conselho do seu patrão: “Nunca tome atalhos em sua vida, caminhos mais curtos e desconhecidos podem custar a sua vida”. Então voltou e seguiu o seu caminho. Dias depois ele soube que aquilo era uma emboscada. Assaltantes esperavam as pessoas para roubá-las e mata-las. Depois de alguns dias de viagem, achou uma pensão na beira da estrada onde pôde hospedar-se. Porém de madrugada acordou assustado com um grito estarrecedor e muito barulho. Levantou-se de um salto só e dirigiu-se à porta para sair. Quando lembrou do segundo conselho: “Nunca seja curioso para aquilo que é mal, pois a curiosidade pro mal pode ser mortal”.Então voltou, deitou-se e dormiu. Ao amanhecer, após tomar o café, o dono da hospedagem lhe perguntou se ele não havia ouvido um grito e ele disse que sim. Então por que não foi ver o que era, não ficou curioso? Ele disse que não. Então o hospedeiro lhe falou: Você é o único que sai vivo daqui, um louco gritou durante a noite e quando os hóspedes saiam ele os matava. O rapaz seguiu seu caminho e depois de muitos dias e noites de caminhada, já ao entardecer, viu entre as árvores a fumaça da sua casinha, andou e logo viu entre os arbustos a silhueta da sua esposa. O dia estava escurecendo, mas ele pode ver que a sua esposa não estava só. Andou mais um pouco e viu que ela tinha sentado no colo de um homem a quem estava acariciando os cabelos. Ao ver aquela cena o seu coração se encheu de ódio e amargura e ele decidiu matar os dois sem piedade. Apressou os passos, quando se lembrou do terceiro conselho: “Nunca tome decisões em momentos de ódio e de dor, pois você pode se arrepender e ser tarde demais”. Então ele parou, refletiu e decidiu dormir aquela noite ali mesmo. Ao amanhecer, já com a cabeça fria ele disse: Não vou matar minha esposa e nem o seu amante. Vou voltar para o meu patrão e pedir que ele me aceite de volta. Só que antes eu quero dizer para a minha esposa que eu fui fiel a ela. Dirigiu-se à porta da casa e bateu. Ao abrir a porta esposa reconhece o seu marido e se atira ao seu pescoço e o abraça afetuosamente. Ele tenta afastá-la, mas não consegue tamanha a felicidade dela. Então com lágrimas ele lhe diz: Eu fui fiel a você e você me traiu. Como? __ ela ainda espantada diz: _ Eu não lhe traí, o esperei durante esses vinte anos. E aquele homem que você estava acariciando ontem ao entardecer? Disse o marido. Aquele homem é nosso filho. Quando você foi embora eu descobri que estava grávida e hoje ele está com vinte anos de idade. Então ele conheceu e abraçou seu filho, contou-lhes toda a sua história. Enquanto a esposa preparava o café eles sentaram-se para comer o último pão. Após a oração de agradecimento e lágrimas de emoção ele parte o pão, e ao parti-lo, ali estava todo o seu dinheiro, o dinheiro de vinte anos de trabalho…!

A MENSGAEM DE DEUS

Talvez ao ler esta história você, meu amigo irmão, já tenha se emocionado, mas ainda muitos estão a errar, pois a própria bíblia diz que o povo sofre por falta de entendimento. Mas quero acrescentar algo a mais nesta história, algo que irá nos mostrar ainda mais que a palavra de Deus ainda é a salvação para toda a humanidade e salvação para todo aquele que crer. “O SENHOR te dê tão-somente prudência e entendimento, e te instrua acerca de Israel; e isso para guardar a lei do SENHOR teu Deus.” (ICo22:12). Vamos todos receber OS TRÊS CONSELHOS da parte do Senhor

PRIMEIRO CONSELHO

NUNCA TOME ATLHOS EM SUA VIDA, CAMINHOS MAIS CURTOS E DESCONHECIDOS PODEM CUSTAR A SUA VIDA

Atalhos parece ser a melhor saída, muitas vezes em nossas vidas. Mas nos esquecemos que para chegar a um lugar de honra e destaques, precisamos aprender, pois ninguém pode sustentar um lugar de honra ou destaque se não tiver sabedoria, conhecimento, ou então sua queda será maior do que a subida. E devemos acrescentar que a psicologia humana nos ensina que damos muito pouco valor em coisas que conquistamos sem esforços, ou seja, aquelas que não pagamos um preço. Fico a imaginar neste momento, pessoas que sofrem agora por terem escolhido os atalhos que o mundo oferece e assim acabaram por perder suas famílias, suas empresas, seus amigos, e muito mais. Pastores que tinham um chamado e por preferirem os atalhos, perderam tudo, igreja, ministério. Saiba de uma coisa, sempre haverá pessoas para lhe mostrarem atalhos, mas estes na verdade querem ver sua queda, o contrário de nosso grande Deus que pagou um alto preço pelas nossas almas. Imagine se o rapaz da história tivesse tomando aquele atalho e desprezado o primeiro conselho. Com toda certeza o resultado seria a morte e ele nunca veria sua tão amada família. Você pode estar sendo esperado por alguém.

SEGUNDO CONSELHO

NUNCA SEJA CURIOSO PARA AQUILO QUE É MAL, POIS A CURIOSIDADE PRO MAL PODE SER MORTAL

Dizem por aí que “a curiosidade matou o gato”, mas você sabe por quê? Olha, o gato foi ver o que tinha dentro da panela e acabou caindo na água fervente e morrendo. Assim é o homem, sempre curioso para as coisas do mal, nunca buscando as coisas de Deus, ou então você acha que os nossos jovens estão nas drogas por quê? Pura curiosidade. Somos curiosos para tudo o que não presta, mas a palavra curioso também tem como um de suas definições, “aquele que tem o desejo de conhecer”. Pois então por que não sejamos curiosos em conhecer as coisas do alto trono de Deus. Se o próprio Deus diz assim: “Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao SENHOR; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.” (Oséias 6 : 3) Talvez você conheça alguém (eu conheço) que acabou por se dar mau, por ser curioso para aquilo que é mal. Levantemos e sejamos curiosos em conhecer a Deus e toda a sua magnitude, pois se “Nos achegai-vos de Deus, Ele se achegará a vós”. (Tiago-4:8). E como o próprio conselho diz, a curiosidade para o que é mal, pode ser mortal. Pode matar sua família, pode matar sua vida espiritual, seu ministério, e quando nós mesmos matamos algo que Deus fez, tudo está perdido. Agora, você meu irmão, já pensou se o homem da história fosse curioso para as coisas do mal, novamente, sua vida estaria ceifada por um endemoniado, mas ao preferir seguir o segundo conselho, ele acaba por salvar a si mesmo, pois se mostrou sedento pelo conhecimento para o que é bom. Sua vida é importante para alguém. Chegamos então no último conselho, que aquele velho senhor, o patrão do jovem rapaz, lhe dá, para que ele retorne a sua amada esposa. Mas bem sabemos que todos os três conselhos desta mensagem são importantes, e não podem ser isolado. Ou nós alimentemos de toda a palavra que vem do Senhor, ou morreremos secos espiritualmente nessa vida passageira.

TERCEIRO CONSELHO

NUNCA TOME DECISÕES EM MOMENTOS DE ÓDIO E DOR, POIS VOCÊ PODE SE ARREPENDER E SER TARDE DEMAIS

Bem! Este é o conselho que diferente dos outros dois, suas conseqüências não seriam provocadas por terceiros, mas por si mesmo, pois ao desobedecer ou desprezar este conselho, ele iria tirar a vida de outros, que no caso era a sua esposa e seu filho. Muitas vezes olhamos para um andarilho, para uma prostituta, ou mesmo para um jovem drogado nas ruas e nem imaginamos que em um segundo de sua vida, tomaram decisões no momento de ira, raiva e dor, e por conseqüência estão jogados nas ruas ou encarcerados em um presídio. E o que dizer de ovelhas que por se achegarem àqueles que deveriam lhes abraçar, acabaram por serem ofendidas e maltratadas, por homens que vivem ministérios de dores, pois usam as tribunas para baterem e não para curarem, ou para matarem ou não para dar vida. Mesmo estando nos em momentos de dor ou irá, o que não é pecado, pois Paulo nos diz: “Irai-vos, e não pequeis” (Ef-4:26), devemos manter nossas mente sóbrias, livre do pecado, por que Deus ama o pecador, mas abomina o pecado. Não destrua aquilo que Deus te deu, seja sua família, sua empresa, seus amigos, seu comercio, seja o que for jamais deixe o ódio preencher seu coração, nunca se esqueça da história dos dois lobos dentro de nós. Lembre-se de Jacó, que em um dos momentos mais difíceis de sua vida, quando fugia de seu irmão Esaú, parou pegou uma pedra colocou por travesseiro e dormiu. Você já imaginou se aquele rapaz, em seu momento de ódio e dor, tivesse tomado a atitude contrária ao que diz o conselho. Com certeza os danos seriam irreparáveis. Por isso eu te digo: SIGA ESTES TRÊS CONSELHOS

CONCLUSÃO

Ao acatar, obedecer, assimilar, viver e praticar os três conselhos, o rapaz acaba por receber três recompensas. E bem sabemos que obedecer é melhor do que sacrificar.

Veja bem a recompensa para o justo:

1. Ele pode desfrutar da fidelidade real de sua esposa.

2. Ele pode ver e abraçar seu filho.

3. Ele pode ter a recompensa de seus vinte anos de salário.

Talvez neste momento você esteja se lamentando por algo que perdeu, mas saiba. Se colocado aos pés do Senhor Jesus, talvez ainda haja uma chance para você. A bíblia diz que tudo é possível ao que crer. Creia nesses conselhos e viva cada um deles, e verá que sua vida irá mudar. E que Deus te abençoe, te livre e te guarde.

Os equipamentos de segurança, que são vitais para a nossa sobrevivência


Texto (Ef. 6:10-17)

Introdução

Quando trabalhamos em uma empresa, ou até mesmos andando pelas ruas, dirigindo um automóvel, pilotando um avião, conduzindo um trem e até mesmo um navio, temos que tomar cuidado, temos que respeitar as áreas de risco e os sinais de advertência, em alguns segmentos, fazermos o uso de alguns equipamentos de segurança obrigatório, e todos que usam os equipamentos de segurança adequadamente estão protegendo as suas vidas, pode até sofrer acidentes, mais os danos serão pequenos, por que? Porque estão usando os equipamentos de segurança obrigatório corretamente.

Veremos quais são os equipamentos de segurança obrigatório para a nossa sobrevivência.

Primeiro Equipamento 

A ARMADURA DE DEUS, QUE TE DARÁ FIRMEZA E RESISTÊNCIA PARA VOCÊ VENCER AS CILADAS DO DIABO

No livro de Efésios encontramos este equipamento (vs.11,13) “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau, e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis”. Paulo, nos orienta, que a nossa luta não é contra a carne e sangue, mais é contra os principados, as potestades, os dominadores deste mundo tenebroso, e contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. Se você quiser vencer, você tem que fazer uso desta armadura. Porque aqueles que a usarem, vencerão o mal e depois de terem vencidos tudo, permanecerão firmes e inabaláveis. A sua vitória dependerá do uso correto desta armadura. A armadura de Deus, ela é uma peça fundamental para a nossa vitória e para a nossa sobrevivência. O apóstolo Paulo, comparou a armadura espiritual do cristão, com a armadura para confrontos militares das legiões romanas. Cada peça da armadura romana tem o seu devido símbolo e aplicação no âmbito espiritual. Quando Paulo escreveu aos cristãos da cidade de Efésios sobre a armadura de Deus, muito provavelmente ele tinha em mente a imagem de uma armadura de soldado romano: Couraça, Sandálias, Escudo, Cinto, Espada, e Capacete.

Segundo Equipamento da Armadura

O CINTO DA VERDADE, QUE TE DARÁ FIRMEZA E AGILIDADE PARA VOCÊ VENCER O INIMIGO

(vs. 14a) “Estais, pois, firmes, Cingindo-vos com a verdade”. Cingidos com a verdade, ou cingindo o lombo com a verdade Significa: Estar usando o cinto da verdade. E o que é a verdade? Jesus disse aos seus discípulos: (Jo 14:6) “Eu sou o caminho a verdade e a vida” Ou seja, estar com o cinto da verdade é você está firmado em Jesus, é você ter Jesus e aceitar a salvação que ele tem te oferecido.Para vencermos nesta terra, para vencer as lutas, as provações o inimigo você tem que pegar este equipamento: “O cinto da verdade”. O cinto da armadura do soldado romano tinha cerca de 15 a 20 cm de largura, era de couro e, toda a armadura estava presa nele. Era o cinto que dava firmeza e permitia o soldado movimentar-se com agilidade. Jesus, ele te dará firmeza e agilidade para você vencer o inimigo. Veremos alguns princípios fundamentais para não fazermos uso da mentira.

Primeiro Motivo: A bíblia diz que o diabo é o pai da mentira. (Jo 8:44c) “Quando ele profere a mentira fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira”. Eis ai um motivo muito sério para você não mentir. Ou seja. Se você faz uso da mentira, você está se tornando filho do diabo, porque se ele é o pai da mentira.

Segundo Motivo: Aquele que faz uso da mentira, não há de ficar na presença e na cada de Deus. (Sl 101:7) “Não há de ficar em minha casa o que usa de fraude; o que profere mentiras não permanecerá ante os meus olhos”. Meu amigo, se você faz uso da mentira, livre-se dela enquanto a tempo, se não veja o que está escrito no livro de Apocalipse. (Ap 21:8). “Todos os mentirosos serão lançado no lago que arde com fogo e enxofre, ou seja, morte espiritual. (Ap 22:15) “ficaram de foram todo aquele que ama e prática a mentira. A nossa primeira barreira, a nossa primeira defesa contra as astutas ciladas do Diabo é a verdade. Sem ela as demais partes da armadura não funcionam. Também temos que falar a verdade, custe o que custar, pois a mentira não pode ser o primeiro recurso. Mais o primeiro recurso tem que ser sempre a verdade. A verdade é a rocha onde podemos edificar nossa vida. Quem constrói sua vida sobre a mentira, mais cedo ou mais tarde vai vê-la ruir e se transformar em escombros.

Terceiro Equipamento da Armadura

A COURAÇA DA JUSTIÇA, QUE PROTEGE O TEU CORAÇÃO, DOS ATAQUES DIABÓLICOS DE SATANÁS

(vs.14) “E vestindo-vos da couraça da justiça”. A couraça da armadura de um soldado romanoera uma importante peça da armadura do guerreiro. Geralmente era feita de duas chapas de bronze forrada com resistentes retalhos de couro. Servia para proteger os peitos e as costas dos soldados. A couraça serve para nos proteger dos ataques diabólicos que vão direto ao nosso coração, e em nossa alma, em nosso espírito. Somente dentro da couraça é que estamos livres deste tipo de ataques. Mesmo você estando com esta proteção: “A couraça da justiça” os ataques do inimigo continuarão, mas não surtirão efeitos. Por que? Porque Jesus é a nossa couraça da justiça. (Jr 23:6) “Nos seus dias Judá será salvo, e Israel habitará seguro; será este o seu nome, com que será chamado: Senhor, justiça Nossa”.Vestir a couraça da justiça significa: Ter a certeza, e a convicção de que em Jesus estamos livres de toda a condenação. (Rm 8.1) “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus”.

Quarto Equipamento da Armadura

A SANDALHAS DA PAZ, QUE TE DARÁ FIRMEZA E SUSTENTAÇÃO E EQUILÍBRIO PARA VOCÊ NÃO CAIR DIANTE DO INIMIGO

(vs.15) “Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz”. Quem tem seus pés calçados com o Evangelho da paz não se deixa abalar pelo comportamento alheio. Não importa o que façam ou deixem de fazer. Não importa o que sejam ou deixem de ser. Os pés têm duas funções importantes: Eles são as bases do nosso corpo, e que nos faz andar e nos mover em segurança. Para lutar com eficiência, os soldados tinham que calçar sapatos que lhes davam ao mesmo tempo: firmeza e mobilidade. Quem tem seus pés calçados com o Evangelho da paz não se deixa abalar pelo comportamento alheio. Não importa o que façam ou deixem de fazer. Não importa o que sejam ou deixem de ser. A sandalha da paz estará protegendo os seus pés, e te dando firmeza e equilíbrio para você andar com segurança. Com os pés protegido você andará nos campos minados, cheios de explosivos que o diabo colocou, ou colocará em seu caminho e nada lhe acontecerá, porque o Senhor te livrará.

Quinto Equipamento da Armadura

O ESCUDO DA FÉ, NÃO PERMITIRÁ QUE VOCÊ SEJA ATINGIDO, E TE PROTERÁ DOS GOLPES FLAMEJENTES DO INIMIGO

(vs.16) “Embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno”. O escudo de um soldado romano tinha mais ou menos sessenta centímetros de largura por cento e vinte centímetros de comprimento. Ele o usava para repelir os golpes do inimigo e também para abrigar-se quando os arqueiros inimigos desferiam uma saraivada de flechas. Os romanos podiam ajoelhar-se no chão e erguer um muro de escudos ao redor deles para bloquear os mísseis flamejantes. Dardos Inflamados do Maligno. Satanás, ele tenta de todas as formas nos atingir. Nem sempre ele pode se aproximar de nós, porque o anjo do Senhor acampa-se ao nosso redor e nos livra. (Sl 34:7) “O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra”. Então o que o diabo faz: “Ele procura nos atingir de longe, lançando os seus “dardos inflamados”. Quais os dardo que inimigo lançará sobre as nossas vida?

Primeiro dardo: A incredulidade. (IICo 4:4) “Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus”. Quando permitimos permite que a incredulidade contamine o nosso pensamento, o inimigo consegue afasta todas as possibilidades de Deus operar em nosso favor. (Hb11:6) “De fato. Sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam”.

Segundo dardo: O medo. (Mt 14:30) “Pedro, reparando na força do vento, teve medo, e começou a afundar, e gritou: Salva-me, Senhor!”. As vezes sentimos medo, quando não podemos controlar uma situação. Quando o inimigo se apresenta mais forte e mais poderoso do que nós, temos medo. O medo é prejudicial e nos leva a Ter uma vida de derrotas. Para vencermos temos que fazer uso deste equipamento:“O escudo da fé”.

Terceiro dardo: A dúvida. Satanás, ele fará de tudo para você duvidar, mais duvidar do que? da palavra de Deus, do amor de Deus. A dúvida dificulta a operação de Deus em nossas vidas. Não deixa e não permita que o diabo coloque a dúvida no seu coração. Porque se ele assim proceder ele certamente te destruirá. Jesus disse para termos fé, e se tivermos fé sem duvidar, alcançaremos tudo o que quisermos, conforme a sua vontade. Nunca se esqueça disto: Tudo é possível ao que crê.

Quarto dardo: A culpa. Satanás tenta nos imobilizar usando a estratégia da acusação. Seu objetivo é manter sempre as nossas consciências sobrecarregadas com o peso da culpa. Ele está sempre procurando trazer a nossa memória a lembrança dos nossos erros e pecados passados. Com isto seu propósito é nos roubar a paz e a confiança no Senhor, e nos fazer sentir rejeitados por Deus. Mais lembre-se de que o sangue de Jesus nos purificou de todo o pecado, e que agora nenhuma condenação há para aqueles que estão com Cristo Jesus. Se você já aceitou a Jesus, e obedece a palavra de Deus, não permita que o inimigo venha te

Sexto Equipamento da Armadura

O CAPACETE DA SALVAÇÃO, PROTERÁ A SUA MENTE DAS OPRESSÕES MALÍGNAS

(vs.17a) “Tomai também o capacete da salvação”. A armadura do soldado romano era posta no chão, peça por peça, e o soldado ia vestindo as diversas peças de seu equipamento. Depois o seu escudeiro lhe entregava o capacete, o escudo e a espada. Veremos a importância do Capacete da Salvação e qual a sua finalidade. O capacete tem a função específica de proteger a cabeça, é o equipamento de segurança obrigatório para quem pratica esportes radicais, o capacete protege a caixa craniana de traumatismos. Na guerra espiritual, precisamos guardar a nossa mente, pois é na mente o maior campo de batalha espiritual. Satanás, sabendo disto, ele investirá, todas as suas estratégia para atingir a sua mente. O capacete da salvação nos foi dado por Deus para guardar a nossa mente de todo e qualquer ensino contrário à Palavra de Deus, e cobrir a nossa mente. A cabeça é a área mais exposta e vital do corpo humano. É na cabeça que está a sede do intelecto de nossa mente de onde fluem os pensamentos, as imaginações e a memória. Estas faculdades são terrivelmente visadas pelo inimigo. Satanás sabe que se ele puder semear os seus pensamentos na mente de uma pessoa, está ficará sob o seu domínio. Por isso use o capacete da salvação para proteger a sua mente das astúcias ciladas do diabo.

Sétimo Equipamento da Armadura

A ESPADA DO ESPÍRITO, É A ARMA OFENSIVA DO PODER DA PALAVRA DE DEUS, QUE DEUS COLOCA EM SUAS MÃOS, PARA VOCÊ DESTRUÍR COM AS FORTALEZAS DO INIMIGO

(vs.17b) “E a espada do Espírito, que é a palavra de Deus”. A Palavra de Deus é uma arma muito poderosa, precisamos conhecê-la. Um soldado, antes de aprender a atirar, deve primeiro conhecer a arma que vai usar. Você precisa conhecer muito bem a palavra de Deus, para poder usa-la com eficácia. Há muitas pessoas que estão usando a bíblia, como um amuleto da sorte, achando que simplesmente deixando ela aberta no Salmo 91 vai livra-lo de algum mal. Você deve conhecer muito bem este equipamento da armadura, e para você conhecer, é preciso ler, meditar, e estudar a palavra de Deus. Satanás, ele sabe que quando a espada do Espírito for liberada pela sua boca, ele não tem mais chance, e nem poder para te vencer. Portanto use a espada do espírito com sabedoria, ousadia crendo que ela tem poder para destruir com os planos diabólico de Satanás, pois nem uma arma forjado contra você prevalecerá, porque o Senhor teu Deus através da espada do espírito te fará uma vencedor. Entre nesta batalha crendo que você já venceu. Somos mais do que vencedores em Cristo Jesus.

Conclusão

Deus está convocando todos os soldados para vestir a armadura, tome nesta hora a armadura de Deus, o cinto da verdade, a couraça da justiça, as sandálias da paz, o escudo da fé, o capacete da salvação, e a espada do espírito, para lutar contra os principados, as potestades , os dominadores, contra as força espiritual do mal, deste mundo tenebroso. E depois de terdes vencido, permanecei firme e inabalável.

Fé !!!


A Rocha

Um homem estava dormindo a noite no interior quando, de repente, sua casa encheu de luz e o Senhor apareceu. O Senhor disse ao homem que ele tinha um trabalho para ele e mostrou uma rocha enorme na frente da sua casa. O Senhor explicou que o homem deveria empurrar a rocha com toda sua força.

Isso o homem começou a fazer, dia após dia. Por meses o homem se esforçou do amanhecer até o por do sol, seus ombros empurrando a superfície da rocha enorme e fria, mas a rocha não mudava.

Cada noite o homem retornava a sua casa, cansado, músculos doendo e sentindo derrotado porque não havia conseguido mudar a grande rocha.

Vendo que o homem estava mostrando sinais de desistir, O Maligno começou a colocar pensamentos negativos na cabeça dele. De repente o homem se achou pensando “Você está tentando ha muitos meses mudar essa rocha e nunca conseguiu nada. Para que você está se desgastando? Isso aí não dará resultado nenhum.”

Mais tarde o homem começou a duvidar assim “Será que Deus queria que eu continuasse esse tempo todo? Ele só disse para eu empurrar a rocha, ele não disse por quanto tempo. Já faz alguns anos que estou empurrando, talvez eu posso desistir agora. Pelo menos, eu não preciso empurrar o dia todo e com tanta força. Eu posso me dedicar uma parte do dia a este trabalho e passar o resto fazendo outras coisas.”

Ele decidiu fazer isso mesmo, mas depois ele chegou a pensar que seria bom orar ao Senhor sobre o caso.

“Senhor,” ele falou, “eu trabalhei duro e por muito tempo no serviço que o Senhor me deu. Eu dei toda minha força para conseguir o que o Senhor quis. Mas, depois desse tempo todo ainda não consegui mudar aquela rocha nenhum centímetro. O que está errado? Por que eu estou sendo derrotado?”

O Senhor respondeu com compaixão. “Meu amigo, quando eu lhe pedi para me servir e você aceitou, eu lhe disse que sua tarefa era de empurrar aquela rocha com toda sua força, o que você fez até agora. Em nenhum momento eu disse que eu esperava que você mudasse a rocha. Sua tarefa era de empurrar. E agora você chega para mim pensando que você fracassou. Mas, será que foi assim, mesmo?”

“Olhe para você mesmo,” disse o Senhor. “Seus braços estão fortes e musculosos. A musculatura das suas costas agora é bem desenvolvida e vigorosa. Suas pernas estão duras e robustas, suas mãos firmes. Enfrentando a resistência você cresceu muito e agora suas habilidades ultrapassaram em muito o que você era antes.

Mas, você ainda não mudou a rocha. Porém, sua tarefa não era de mudar a rocha e sim de ser obediente e empurrar com toda sua força. Isso você fez, e fez bem. Ao contrário de ser um fracasso você foi bem sucedido e venceu. Eu apenas queria que você exercitasse sua fé e confiasse na minha sabedoria. Isso você fez. “Eu, meu filho, agora vou mudar a rocha.”

Às vezes quando ouvimos uma palavra de Deus queremos usar nosso próprio raciocínio para decidir o que Ele quer, quando, o que Deus realmente quer é apenas uma simples obediência e fé nEle. Com certeza, devemos ter a fé que pode mover montanhas, mas lembrar ainda que quem de fato move as montanhas é Deus.

Vencendo A Angústia


Texto (Sl.137) Às margens dos rios da Babilônia, nós nos assentávamos e chorávamos, lembrando-nos de Sião.

2 - Nos salgueiros que lá havia, pendurávamos as nossas harpas,

3 - pois aqueles que nos levaram cativos nos pediam canções, e os nossos opressores, que fôssemos alegres, dizendo: Entoai-nos algum dos cânticos de Sião.

4 - Como, porém, haveríamos de entoar o canto do SENHOR em terra estranha?

5 - Se eu de ti me esquecer, ó Jerusalém, que se resseque a minha mão direita.

6 - Apegue-se-me a língua ao paladar, se me não lembrar de ti, se não preferir eu Jerusalém à minha maior alegria.

7 - Contra os filhos de Edom, lembra-te, SENHOR, do dia de Jerusalém, pois diziam: Arrasai, arrasai-a, até aos fundamentos.

8 - Filha da Babilônia, que hás de ser destruída, feliz aquele que te der o pago do mal que nos fizeste.

9 - Feliz aquele que pegar teus filhos e esmagá-los contra a pedra.

Introdução

Angústia é um sentimento de tristeza profunda contínua. Uma estranha dor intensa é um dos principais sintomas de uma pessoa angustiada. O grande perigo é se tornar uma doença conhecida como depressão. O povo de Israel foi cativo na Babilônia por setenta anos. E por isso estavam angustiados como descrevem as palavras do Salmo 137. Como vencer a angústia? Com as palavras deste texto aprendemos o que fazer para a angústia pode ser vencida.

Primeiro

DEVEMOS CHORAR

(v.1) “Às margens dos rios da Babilônia, nós nos assentávamos e chorávamos, lembrando-nos de Sião” O povo de Deus chorava ao se lembrar de que estavam longe de Sião. Sentiam-se tão desmotivados que sentavam a beira de um rio para lamentar. A angústia faz chorar. Esta é a melhor forma de desabafo. Quando a pessoa passa por uma perda ou sofrimento agudo e não chora é pior porque a dor fica presa dentro de seu coração. Se você estiver angustiado, não reprima seu choro. Desabafe porque “Os que com lágrimas semeiam com júbilo ceifarão” (Salmos 126.5). Não tenha vergonha de expressar seu sentimento. Abra o peito e deixe toda tristeza sair. Até “Jesus chorou” (João 11.35)"Jesus Chorou" para mostrar que não é pecado chorar. Ele mesmo prometeu que “Deus lhes enxugará dos olhos toda lágrima” (Apocalipse 1.7). Você sem forças para chorar? Derrame suas lágrimas diante do Senhor.

Segundo

DEVEMOS CANTAR

(v.2-4) “Nos salgueiros que lá havia, pendurávamos as nossas harpas, pois aqueles que nos levaram cativos nos pediam canções, e os nossos opressores, que fôssemos alegres, dizendo: Entoai-nos algum dos cânticos de Sião. Como, porém, haveríamos de entoar o canto do SENHOR em terra estranha?” O Salgueiro é uma árvore que tem suas folhas caindo, por isso é apelidado de ‘chorão’. Até nisto percebemos o contexto de tristeza dos judeus. Penduraram suas harpas porque não tinham mais motivação para tocar e cantar. O louvor tem um poder imenso de curar e libertar vidas angustiadas (Atos 16.25,26) 25 - Por volta da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam louvores a Deus, e os demais companheiros de prisão escutavam.

26 - De repente, sobreveio tamanho terremoto, que sacudiu os alicerces da prisão; Por isso a primeira coisa que o inimigo coloca na vida da pessoa é o desânimo para distanciar sua vida do louvor. Se você estiver angustiado, procure ouvir louvores. Cante para Deus mesmo que seja com lágrimas, mas não pare de louvar. Suas forças serão renovadas e a angústia terá que sair quando Deus te der alegria e força (Neemias 8.10) Disse-lhes mais: ide, comei carnes gordas, tomai bebidas doces e enviai porções aos que não têm nada preparado para si; porque este dia é consagrado ao nosso Senhor; portanto, não vos entristeçais, porque a alegria do SENHOR é a vossa força.Está sem ânimo para cantar? Cante ao Senhor de todo seu coração.

Terceiro

DEVEMOS SONHAR

(V.6) “Apegue-se-me a língua ao paladar, se me não lembrar de ti, se não preferir eu Jerusalém à minha maior alegria” Uma secura na boca era a conseqüência de não cantar. Suas mentes estavam tão cansadas e cheias de tristeza que não conseguiam pensar em mais nada. A única coisa que conseguiam lembrar é de Jerusalém. Por isso ficavam imaginando quando voltariam para a cidade santa. Certa vez ouvi que ‘um homem sem sonho é um homem morto’. O sonho é um motivo de viver. Quando você sonha, consegue visualizar o impossível. Por um ideal a pessoa é capaz de fazer os maiores sacrifícios e realizar as maiores conquistas. Se você estiver angustiado, procure sonhar. Crie expectativas de uma nova realidade e lute pelo seu objetivo. Não pense que tudo acabou, mas que tudo pode ser recomeçado. Mesmo que não possa fazer nada, mas se puderem fechar os seus olhos para contemplar o invisível pela fé (Hebreus 11.1) Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem. Assim você poderá dizer “Posso todas as coisas naquele que me fortalece” (Filipenses 4.13). Um grande problema para a pessoa angustiada é não conseguir visualizar o futuro. Por isso somente pensa que tudo acabou. Sua vontade é desistir. Por isso é importante sonhar, fazer projetos e planos para o futuro, programe algo para a próxima semana, mês e ano. Assim você sempre vai ter um motivo para viver o amanhã. Isso gera esperança no coração. Você não consegue mais sonhar? Deus tem um grande sonho para você! Você Pode Vencer a Angústia!m” O povo de Israel estava angustiado porque não via saída para seu cativeiro. Pediam a Deus para se lembrar deles constantemente. O tempo passou e o grande dia de saírem da Babilônia chegou. Talvez você pense que Deus se esqueceu de você, mas ele nunca esquecerá. O Senhor nem pisca os olhos para ficar cuidando de você o tempo todo até quando você dorme(Salmos 121.4) É certo que não dormita, nem dorme o guarda de Israel. Se você estiver angustiado, não deixe de chorar, para desabafar toda tristeza, de cantar para buscar alegria em Deus e de sonhar em busca de esperança. Estas três ações vão fortalecer sua vida. Está lutando contra a angústia? Deus quer te ajudar a vencer a angústia!

CONCLUSÃO

(v.7) “lembra-te, SENHOR, do dia de Jerusalé

segunda-feira, 12 de maio de 2014

A Palavra que Determina seu Futuro...


“Veio a mim a palavra do Senhor dos Exércitos, dizendo: Assim diz o Senhor dos Exércitos: Tenho grandes zelos de Sião e com grande indignação tenho zelos dela. Assim diz o Senhor: Voltarei para Sião e habitarei no meio de Jerusalém; Jerusalém chamar-se-á a cidade fiel, e o monte do Senhor dos Exércitos, monte santo. Assim diz o Senhor dos Exércitos: Ainda nas praças de Jerusalém sentar-se-ão velhos e velhas, levando cada um na mão o seu arrimo, por causa da sua muita idade. As praças da cidade se encherão de meninos e meninas, que nelas brincarão. Assim diz o Senhor dos Exércitos: Se isto for maravilhoso aos olhos do restante deste povo naqueles dias, será também maravilhoso aos meus olhos? – diz o Senhor dos Exércitos. Assim diz o Senhor dos Exércitos: Eis que salvarei o meu povo, tirando-o da terra do Oriente e da terra do Ocidente; eu os trarei, e habitarão em Jerusalém; eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus, em verdade e em justiça. Assim diz o Senhor dos Exércitos: Sejam fortes as mãos de todos vós que nestes dias ouvis estas palavras da boca dos profetas, a saber, nos dias em que foram postos os fundamentos da Casa do Senhor dos Exércitos, para que o templo fosse edificado. Porque, antes daqueles dias, não havia salário para homens, nem os animais lhes davam ganho, não havia paz para o que entrava, nem para o que saía, por causa do inimigo, porque eu incitei todos os homens, cada um contra o seu próximo. Mas, agora, não serei para com o restante deste povo como nos primeiros dias, diz o Senhor dos Exércitos. Porque haverá sementeira de paz; a vide dará o seu fruto, a terra, a sua novidade, e os céus, o seu orvalho; e farei que o resto deste povo herde tudo isto. E há de acontecer, ó casa de Judá, ó casa de Israel, que, assim como fostes maldição entre as nações, assim vos salvarei, e sereis bênção; não temais, e sejam fortes as vossas mãos. Porque assim diz o Senhor dos Exércitos: Como pensei fazer-vos mal, quando vossos pais me provocaram à ira, diz o Senhor dos Exércitos, e não me arrependi, assim pensei de novo em fazer bem a Jerusalém e à casa de Judá nestes dias; não temais. Eis as coisas que deveis fazer: Falai a verdade cada um com o seu próximo, executai juízo nas vossas portas, segundo a verdade, em favor da paz; nenhum de vós pense mal no seu coração contra o seu próximo, nem ame o juramento falso, porque a todas estas coisas eu aborreço, diz o Senhor. A palavra do Senhor dos Exércitos veio a mim, dizendo: Assim diz o Senhor dos Exércitos: O jejum do quarto mês, e o do quinto, e o do sétimo, e o do décimo serão para a casa de Judá regozijo, alegria e festividades solenes; amai, pois, a verdade e a paz. Assim diz o Senhor dos Exércitos: Ainda sucederá que virão povos e habitantes de muitas cidades; e os habitantes de uma cidade irão à outra, dizendo: Vamos depressa suplicar o favor do Senhor e buscar ao Senhor dos Exércitos; eu também irei. Virão muitos povos e poderosas nações buscar em Jerusalém ao Senhor dos Exércitos e suplicar o favor do Senhor. Assim diz o Senhor dos Exércitos: Naquele dia, sucederá que pegarão dez homens, de todas as línguas das nações, pegarão, sim, na orla da veste de um judeu e lhe dirão: Iremos convosco, porque temos ouvido que Deus está convosco” (Zacarias 8).

Depois da mensagem de advertência no capítulo 7, o capítulo 8 traz uma mensagem encorajadora. Uma criança castigada também precisa ser consolada. Oséias diz que o Senhor despedaça, mas também sara, faz a ferida, mas também a liga (Os 6.1). O período de luto deve chegar ao fim e o tempo de jejum deve tornar-se um tempo de alegria (Zc 8.19). O Senhor encoraja Seu povo com as palavras: “Sejam fortes as mãos de todos vós que nestes dias ouvis estas palavras da boca dos profetas, a saber, nos dias em que foram postos os fundamentos da Casa do Senhor dos Exércitos, para que o templo fosse edificado” (v.9). Os profetas mencionados são Ageu e Zacarias, que estavam em Jerusalém quando as obras de reconstrução do templo recomeçaram (Ed 5.1). Em outra passagem o Senhor diz:“...não temais, e sejam fortes as vossas mãos... não temais!” (vv.13,15).

Zacarias 7 termina com a frase: “Espalhei-os com um turbilhão por entre todas as nações que eles não conheceram; e a terra foi assolada atrás deles, de sorte que ninguém passava por ela, nem voltava; porque da terra desejável fizeram uma desolação”.

O capítulo 8 apresenta um tom diferente, falando da reunião de Israel nos últimos tempos e de sua renovação, pois quando o Senhor enviou esta profecia o povo já havia voltado da Babilônia. “Eu os trarei, e habitarão em Jerusalém; eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus, em verdade e em justiça” (v.8).

Neste artigo trataremos de quatro pontos principais:
Quem determina o futuro.
Para que serve o futuro.
O que o futuro traz.
Aprendendo da história para encarar o futuro.
Quem determina o futuro

Israel não está sujeito a nenhuma força do destino, a nenhum governante ou dominador terreno nem ao transcorrer da História, mas a Deus.

Não são os povos que determinam o futuro de Jerusalém. Nem resoluções ou sanções da ONU, nem a vontade do islã decidemsobre o futuro de Israel. Israel não está sujeito a nenhuma força do destino, a nenhum governante ou dominador terreno nem ao transcorrer da História, mas a Deus: “Veio a mim a palavra do Senhor dos Exércitos, dizendo: Assim diz o Senhor dos Exércitos: Tenho grandes zelos de Sião e com grande indignação tenho zelos dela” (Zc 8.1-2). Esses dois versículos soam como um trovão vindo da eternidade. São palavras para Israel, mas dirigem-se contra as nações. Por assim dizer, trata-se do eco das palavras de Zacarias 1.14-15: “Comgrande empenho, estou zelando por Jerusalém e por Sião. E, com grande indignação, estou irado contra as nações que vivem confiantes”. Aqui fala o Senhor dos Exércitos. É palavra Sua que o profeta recebe. Esta declaração de que é o Senhor falando se estende por todo o capítulo (vv. 1, 2, 3, 4, 6, 7, 9, 14, 17, 18, 19, 20, 23).

O futuro de Israel não está baseado em uma invenção humana, da mesma forma como Israel também não é um produto de conquistas humanas ou fruto do acaso. A recondução dos judeus ao seu lar e a formação do Estado de Israel em 1948, assim como a tomada de Jerusalém em 1967, são provas da força da Palavra de Deus. O fato de os judeus viverem novamente em sua terra é uma prova da verdade e da confiabilidade da Palavra de Deus. Passado, presente e futuro de Israel estão submissos às declarações de Deus, de Suas profecias e promessas.

Mas também todo aquele que crê em Jesus, todo cristão renascido pelo Seu Espírito está sob as firmes promessas de Deus em Jesus Cristo: “A palavra do Senhor, porém, permanece eternamente. Ora, esta é a palavra que vos foi evangelizada” (1 Pe 1.25). Israel é um povo de maravilhas, pois tem um Deus maravilhoso: “Assim diz o Senhor dos Exércitos: Se isto for maravilhoso aos olhos do restante deste povo naqueles dias, será também maravilhoso aos meus olhos? – diz o Senhor dos Exércitos” (Zc 8.6). A Palavra de Deus sobrepuja qualquer idéia humana. Provavelmente os próprios israelitas quase não conseguiam acreditar no que estavam ouvindo. Mas alguma coisa seria impossível para Deus? Na verdade, todas as coisas são possíveis para Ele! Ele ajuda a sair de situações completamente 
sem perspectiva e ilumina a mais profunda escuridão. Ele levou Seu povo vindo do terrível Holocausto de volta para casa, deu-lhe as maiores vitórias sobre seus inimigos, e também lhe dará o futuro messiânico. Já no capítulo 3.8 ouvia-se esta mensagem: “Ouve, pois, Josué, sumo sacerdote, tu e os teus companheiros que se assentam diante de ti, porque são homens de presságio; eis que eu farei vir o meu servo, o Renovo”.

As maravilhas em Israel referem-se, na verdade, a um único homem: Jesus Cristo. Ele é o Renovo, o Maravilhoso Conselheiro (Is 9.6), que veio e virá para Israel, que fez e fará maravilhas. Será que alguma coisa seria difícil demais para Ele (Gn 18.14)? Quando Manoá, pai de Sansão, perguntou pelo nome do Senhor, Ele respondeu: “Por que perguntas assim pelo meu nome, que é maravilhoso?” (Jz 13.18). Este Deus determinará e conduzirá o futuro de Israel de forma maravilhosa.

Ainda precisamos de uma prova do poder da Palavra de Deus? Aqui está: “Eis que salvarei o meu povo, tirando-o da terra do Oriente e da terra do Ocidente; eu os trarei, e habitarão em Jerusalém; eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus, em verdade e em justiça” (Zc 8.7-8). A frase “da terra do Oriente e da terra do Ocidente” muito provavelmente simboliza o mundo inteiro, que experimenta o nascer e pôr do sol (confira Is 11.12; 43.5-6).

Naquela época, a saída de Israel da Babilônia foi uma condução de todo um povo de volta para sua pátria vindo de um único lugar. Em nossos dias, a volta de Israel à sua terra acontece a partir dos quatro cantos do mundo. Nunca houve coisa igual na história de Israel. Isto prova a confiabilidade mas também a atualidade da Palavra de Deus em nosso tempo. A condução de Israel em direção ao Messias não pode ser detida. Nada pode impedir que Deus realize Seu plano. O Holocausto não conseguiu impedir os planos de Deus, e qualquer outro poder do mundo tampouco o conseguirá.

A história recente de Israel assemelha-se ao cheiro bom que vem da cozinha quando o almoço está quase pronto e falta pouco para nos sentarmos à mesa. A restauração de Israel em nossos dias é o aperitivo para o cumprimento completo no Milênio (v.8).
Para que serve o futuro

O futuro serve à glória do Senhor Jesus. Isso é depreendido de Zacarias 8.3: “Assim diz o Senhor: Voltarei para Sião e habitarei no meio de Jerusalém; Jerusalém chamar-se-á a cidade fiel, e o monte do Senhor dos Exércitos, monte santo”. Quem volta? Aquele que já esteve aqui uma vez: Jesus Cristo!

A restauração de Israel serve para um único e elevado propósito: que o Senhor Jesus possa voltar para instalar o Seu reino em Israel, com Israel e por meio de Israel.

A restauração de Israel serve para um único e elevado propósito: que o Senhor Jesus possa voltar para instalar o Seu reino em Israel, com Israel e por meio de Israel. Entendemos isso pelas palavras de Tiago em Atos 15.15-16: “Conferem com isto as palavras dos profetas, como está escrito: Cumpridas estas coisas, voltarei e reedificarei o tabernáculo caído de Davi; e, levantando-o de suas ruínas, restaurá-lo-ei”.

Jesus é o Deus de Israel, e Ele leva Seu povo de volta à Sua terra, com o único objetivo de tornar-se o Deus de Israel de forma visível para todo o mundo: “Eu os trarei, e habitarão em Jerusalém; eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus, em verdade e em justiça” (Zc 8.8). O versículo 3 fala que Jerusalém será chamada de cidade fiel, e o versículo 8 menciona que a verdade será uma das características dessa cidade. Nessas duas vezes, tanto fidelidade como verdade dizem respeito à verdade de Deus. Na primeira vez Jerusalém é chamada de “cidade fiel” porque esta cidade lembra a fidelidade de Deus. Aqui torna-se visível que o Senhor cumpriu as Suas promessas. Então Ele será o seu Deus “em verdade e em justiça”. Todas as nações se admirarão disso, incluindo o próprio Israel. Por essa razão, o futuro de Israel também serve para:

– Cumprir a promessa dada por Deus a Abraão: “E há de acontecer, ó casa de Judá, ó casa de Israel, que, assim como fostes maldição entre as nações, assim vos salvarei, e sereis bênção; não temais, e sejam fortes as vossas mãos” (Zc 8.13). Deus prometera a Abraão:“De ti farei uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome. Sê tu uma bênção!” (Gn 12.2). Esta aliança com Abraão baseava-se em uma promessa livre e soberana de Deus (Gn 12.1,3; 15.7-18; 22.16-18). Em Deuteronômio 29 Moisés faz uma aliança com o povo (v. 1) e fala sobre a bênção que Israel receberia pela sua obediência (vv. 1-2ss), mas também sobre a maldição pela desobediência (vv. 15ss). A maldição de Moisés referia-se ao rompimento da aliança do Sinai que Deus havia feito com Seu povo. Em Êxodo 19.5-8 o povo concordou com a aliança de Deus oferecida por meio de Moisés, isto é, a aliança condicionada pela obediência. Mas Israel desobedeceu e foi castigado. Assim como a maldição de Moisés sobre Israel se tornou verdade, também a promessa de Deus para Abraão se cumprirá.

– As nações. A tarefa de Israel como nação é ser uma bênção para todos os povos. Isto ainda está por vir. “Assim diz o Senhor dos Exércitos: Ainda sucederá que virão povos e habitantes de muitas cidades; e os habitantes de uma cidade irão à outra, dizendo: Vamos depressa suplicar o favor do Senhor e buscar ao Senhor dos Exércitos; eu também irei. Virão muitos povos e poderosas nações buscar em Jerusalém ao Senhor dos Exércitos e suplicar o favor do Senhor. Assim diz o Senhor dos Exércitos: Naquele dia, sucederá que pegarão dez homens, de todas as línguas das nações, pegarão, sim, na orla da veste de um judeu e lhe dirão: Iremos convosco, porque temos ouvido que Deus está convosco” (Zc 8.20-23).

A notícia de que o Senhor reina em Jerusalém se espalhará como um fogo na estepe seca. Nações inteiras virão para buscar ao Senhor. Haverá um despertamento mundial e inédito entre as nações, e elas reconhecerão algo maravilhoso: “que Deus está convosco”. Hoje Israel ainda é o povo desprezado e menosprezado pelas nações. É ridicularizado, levado aos tribunais dos povos e condenado. Não se vê nada de especial em Israel – então por que justamente este povo seria o povo de Deus? Mas isto não ficará assim (cf. Zc 2.11; 14.16-19; Is 2.3).
O que o futuro traz

Os efeitos do Milênio sobre Israel serão uma bênção inimaginável. Juntamente com as ruínas da cidade de Jerusalém sendo reedificadas, as pessoas também serão restauradas: “Ainda nas praças de Jerusalém sentar-se-ão velhos e velhas, levando cada um na mão o seu arrimo, por causa da sua muita idade. As praças da cidade se encherão de meninos e meninas, que nelas brincarão” (Zc 8.4-5).

Depois da destruição de Jerusalém o profeta Jeremias chorou e lamentou-se: “Sentados em terra se acham, silenciosos, os anciãos da filha de Sião; lançam pó sobre a cabeça, cingidos de cilício; as virgens de Jerusalém abaixam a cabeça até o chão. A língua da criança que mama fica pegada, pela sede, ao céu da boca; os meninos pedem pão, e ninguém há que lho dê” (Lm 2.10; 4.4). Os judeus ainda viam estas imagens com clareza diante de seus olhos. Como esta promessa deve tê-los encorajado! Parecia que Deus havia feito referência àquele sofrimento para lhes dar nova esperança para o futuro: Deus despertará nova vida, as pessoas ficarão velhas, e as crianças brincarão novamente nas ruas, livres e desimpedidas e não ameaçadas pelo terrorismo (cf. Is 65.19ss). Hoje quase não conseguimos imaginá-lo, mas um dia isto acontecerá.

Mas não só a cidade despertará para uma nova vida, não só as pessoas nem só as nações, mas também a terra e o campo.

Mas não só a cidade despertará para uma nova vida, não só as pessoas nem só as nações, mas também a terra e o campo:“Mas, agora, não serei para com o restante deste povo como nos primeiros dias, diz o Senhor dos Exércitos. Porque haverá sementeira de paz; a vide dará o seu fruto, a terra, a sua novidade, e os céus, o seu orvalho; e farei que o resto deste povo herde tudo isto” (Zc 8.11-12).Quando Deus perdoa, nova vida surge! Deus perdoa o pecado dos homens, mas também anula a maldição da terra, o que terá como conseqüência a restauração da natureza: “...e tirarei a iniqüidade desta terra, num só dia. Naquele dia, diz o Senhor dos Exércitos, cada um de vós convidará ao seu próximo para debaixo da vide e para debaixo da figueira” (Zc 3.9-10). Onde hoje ainda espreitam terroristas e há constantes ataques, perigo de guerra e destruição, um dia brotará a semente da paz que o Senhor realizou na cruz e completará na Sua volta. Hoje Israel é constantemente ameaçado pela falta de água, mas então uma corrente de água viva fluirá do templo e tornará a terra extremamente fértil (Ez 47).

Esta promessa também tem um aspecto muito sério, que não pode ser ignorado, pois o Senhor diz: “Farei que o resto deste povo herde tudo isto”. E em Romanos 9.27 o apóstolo Paulo diz claramente: “O remanescente é que será salvo”. Para este remanescente o luto se transformará em alegria: “Assim diz o Senhor dos Exércitos: O jejum do quarto mês, e o doquinto, e o do sétimo, e o do décimo serão para a casa de Judá regozijo, alegria e festividades solenes; amai, pois, a verdade e a paz” (Zc 8.19). O versículo 19 se reporta à pergunta feita pelo povo de Betel em Zacarias 7.3 e à resposta negativa dada por Deus no capítulo 7.5-6. Mas agora Israel recebe uma resposta positiva, que vai muito além daquilo que eles tinham imaginado: mais dois períodos de jejum são acrescentados aos do quinto e sétimo meses, que eles já realizavam, isto é, no quarto e no décimo mês, mas estes jejuns serão tempo de festa e motivo de celebração para Israel.

Deus pode transformar luto em alegria! Quando uma pessoa recebe o perdão do Senhor Jesus, nada permanece como estava. A parábola do filho pródigo é um bom exemplo dessa verdade: “Porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. E começaram a regozijar-se” (Lc 15.24). Essa parábola refere-se primeiramente a Israel, o filho perdido que um dia voltará à casa do Pai, mas também a toda pessoa que volta para Deus, que se arrepende e passa a seguir a Jesus. O Senhor Jesus disse que a alegria que Ele nos dá jamais será tirada de nós (Jo 16.22).
Aprendendo da história para encarar o futuro

Essas promessas tremendas e essas grandiosas perspectivas de futuro para Israel não podem servir de carta branca para uma vida superficial, que não tenha Deus como objetivo ou até mesmo seja uma vida voltada para o pecado. Por isso vamos voltar mais uma vez às palavras já lidas no capítulo 7.9-10: “Eis as coisas que deveis fazer: Falai a verdade cada um com o seu próximo, executai juízo nas vossas portas, segundo a verdade, em favor da paz; nenhum de vós pense mal no seu coração contra o seu próximo, nem ame o juramento falso, porque a todas estas coisas eu aborreço, diz o Senhor” (Zc 8.16-17). E no versículo 19, versículo de alegria, lemos: “Amai, pois, a verdade e a paz”.

A comunhão com Deus sempre inclui uma vida santificada. Ninguém pode crer sinceramente na bondade de Deus e ao mesmo tempo viver em pecado. Na verdade, a fé precisa ser aprovada por meio das obras. Não podemos fingir amar a Deus enquanto odiamos o nosso irmão. Também não podemos dizer que seguimos a Deus enquanto O traímos. Do mesmo modo, não podemos nos alegrar com a verdade da Palavra ao mesmo tempo em que mentimos: “Quem entre vós é sábio e inteligente? Mostre em mansidão de sabedoria, mediante condigno proceder, as suas obras. Se, pelo contrário, tendes em vosso coração inveja amargurada e sentimento faccioso, nem vos glorieis disso, nem mintais contra a verdade” (Tg 3.13-14). Quem tem Jesus tem a vida, e essa vida deve e tem de caracterizar o nosso dia-a-dia! Senão estaremos nos enganando a nós mesmos.

Noé Oito Sobreviveram...


A despeito da ausência de aparelhagens meteorológicas sofisticadas, o Dilúvio dos tempos de Noé não veio
sem aviso. Deus revelou Seu plano de um juízo global catastrófico aproximadamente um milênio antes a Enoque, que deu a seu filho o nome de Metusalém para celebrar a memorável revelação. O nome Metusalém transmite um mau presságio e significa literalmente, “Quando ele morrer, isso será enviado”.[1] Não é por coincidência que Metusalém morreu apenas alguns meses antes do grande Dilúvio e que sua vida seja a mais longa registrada em toda a história.

Desde o tempo da expulsão de Adão e Eva do jardim do Éden até o Dilúvio, houve uma determinação cada vez maior por parte da humanidade em desafiar os preceitos de Deus:

“A maldade do homem se havia multiplicado na terra e [...] era continuamente mau todo desígnio do seu coração. [...] Todo ser vivente havia corrompido o seu caminho na terra” (Gn 6.5,12).

A humanidade não estava apenas corrompida, mas era cheia de violência; o mundo estava pronto para o juízo (v.11). E, embora Deus tenha suspendido a execução da raça humanapor muitos anos, Ele finalmente cumpriu o que havia prometido.

Além da rebelião humana coletiva contra Deus, muitos estudiosos da Bíblia crêem que também houve rebelião dos anjos. Embora haja outras interpretações para Gênesis 6.4, uma visão bastante respeitada é que alguns anjos caídos deixaram sua habitação normal, escolheram viver no âmbito físico e coabitaram com mulheres terrenas [veja também Jd 6-7]. Essas uniões produziram “valentes, varões de renome”, ou descendentes super-humanos que podem ter sido a origem de mitologias e lendas antigas.

Como apenas seres humanos podem ser redimidos, o objetivo provável desses anjos caídos era saturar toda a raça humana com uma linhagem demoníaca, tornando impossível a salvação da humanidade.[2] O plano redentor para a humanidade precisava eliminar um mundo corrompido pelo cruzamento com demônios, pela maldade e violência desenfreadas. Por isso, Deus anunciou: “Resolvi dar cabo de toda carne [...] eis que os farei perecer juntamente com a terra” (Gn 6.13).

Em preparação para o Dilúvio, Deus ordenou que ele construísse uma arca de refúgio (v.14). Assim que foi terminada, a arca era um sinal de juízo iminente, uma vez que Noé continuava pregando para um mundo que não se arrependia.

Deus preveniu a humanidade por meio de uma família de profetas começando com Enoque; depois, o filho de Enoque, Metusalém; o neto, Lameque; e finalmente, o bisneto, Noé. Noé pregou sobre a vinda do julgamento global a uma geração cada vez mais perversa. Em preparação para o Dilúvio, Deus ordenou que ele construísse uma arca de refúgio (v.14). Assim que foi terminada, a arca era um sinal de juízo iminente, uma vez que Noé continuava pregando para um mundo que não se arrependia.

Então, “aos dezessete dias do segundomês [no ano em que Metusalém morreu],[3]nesse dia romperam-se todas as fontes dogrande abismo, e as comportas dos céus se abriram” (Gn 7.11).
Horríveis Geysers de Água e Gás

O juízo profetizado veio com a força de um tsunami. Pesquisadores que estudam catastrófes em placas tectônicas apresentam um modelo de Dilúvio que é nada menos que medonho. Eles sugerem um cenário aterrador, começando com terremotos que agitaram o planeta à medida que as placas pré-diluvinas do fundo oceânico se soltaram e rapidamente afundaram em direção ao centro da Terra. Placas continentais foram velozmente tragadas para dentro dessas “zonas de subdução”, como tapetes gigantes que estavam sendo arrancados de debaixo dos habitantes da Terra.[4]

As pancadas da crosta continental nas placas oceânicas causaram um levantamento do fundo oceânico, deslocando enormes quantidades de água dos mares do mundo para cima de terras secas. Um cientista estima um aumento no nível do mar “de mais de um quilômetro a partir apenas desse mecanismo”.[5]

Materiais derretidos escorrendo através de fissuras que iam avançando vaporizaram os oceanos e aqueceram os reservatórios subterrâneos, criando geysers lineares de água e gases quentes de milhares de quilômetros de extensão. À medida que esses gases e vapores esfriaram, eles condensaram, fornecendo a fonte principal das chuvas torrenciais durante os primeiros 40 dias e noites do grande Dilúvio.[6]

Exclusiva do mundo antediluviano era a abóbada de água-vapor que cobria a Terra e que criou o efeito-estufa que regulava as temperaturas globais. Os eventos destrutivos que se desenrolaram sobre o planeta fizeram desmoronar essa abóbada que os cientistas criacionistas estimam que continha o equivalente a alguns centímetros até 12 metros de água. Em pouco mais de um mês, a água cobriu cada centímetro do globo com 15 côvados (aproximadamente 6,60 metros) acima do ponto mais elevado da terra (Gn 7.20).
Pelo Menos 235 Milhões Morreram

Deus tinha anunciado: “Estou para derramar águas em dilúvio sobre a terra para consumir toda carne em que há fôlego de vida debaixo dos céus; tudo o que há na terra perecerá” (Gn 6.17). A Bíblia registra: “Pereceu toda carne que se movia sobre a terra [...] foram exterminados todos os seres que havia sobre a face da terra” (Gn 7.21,23).

O grande Dilúvio destruiu uma população global estimada em pelo menos 235 milhões de pessoas, de acordo com o Dr. Henry M. Morris. Segundo esse autor, “mais de 3 bilhões de pessoas poderiam facilmente estar na terra nos tempos de Noé”.[7] A não ser por Noé e sua família, toda a humanidade pereceu.

Ainda que o grande Dilúvio seja uma demonstração sem precedentes do juízo de Deus, ele também é um testemunho de Sua graça, disponível para todos que a aceitam.

O Dilúvio foi um julgamento destruidor terrível sem paralelos na história. O fato de que grupos de pessoas de todas as regiões do globo conservem uma “tradição de Dilúvio” não apenas reforça a historicidade, mas também estabelece uma conexão de ancestralidade comum com aqueles que realmente experimentaram o evento.[8] As milhares de histórias folclóricas de um dilúvio global em si já corroboram o relato de Gênesis.

A etimologia do nome de Noé e as palavras associadas com o Dilúvio também apresentam um vínculo intrigante com as oito pessoas que sobreviveram na arca que repousou sobre as montanhas de Ararate. Com os fatos horríveis gravados indelevelmente em suas memórias, essas oito pessoas saíram da arca para repovoar a terra, gravando a experiência de sua sobrevivência nas mentes de seus descendentes.

A rebelião aberta contra Deus acompanhada pela depravação completa do mundo antediluviano precipitaram a subseqüente destruição de quase toda a carne por parte de Deus. Embora Sua promessa de um juízo global não tenha sido cumprida imediatamente, ela finalmente o foi; e apenas oito almas que atenderam a admoestação de Deus sobreviveram.

Ainda que o grande Dilúvio seja uma demonstração sem precedentes do juízo de Deus, ele também é um testemunho de Sua graça, disponível para todos que a aceitam.