segunda-feira, 12 de maio de 2014

Provações: Confiando na Palavra de Deus...


O que todo crente precisa, mas não quer; tem, mas não sabe o que fazer com elas? A resposta é: provações. Não as queremos, mas as temos. Quando as temos, não sabemos o que fazer com elas. E, embora elas sejam sempre individualizadas, todas envolvem a mesma questão subjacente: confiar na Palavra de Deus e viver por ela.

O Livro de Tiago tem muito a dizer sobre passarmos por provações e confiarmos na Palavra. Ele foi escrito pelo meio-irmão de Jesus, que era o líder espiritual da igreja de Jerusalém. Ele estava escrevendo aos milhares de crentes judeus que foram forçados a fugir de Jerusalém devido à intensa perseguição. Essas pessoas haviam perdido seus empregos, suas casas, e seus bens. Em alguns casos, haviam também perdido sua família e seus amigos. A vida para elas estava extremamente difícil, e Tiago escreveu para encorajá-las, confortá-las e ajudá-las a direcionarem seus caminhos.
A sabedoria é a chave

Primeiro, ele lhes lembrou que as provações produzem a maturidade; portanto, devemos aceitá-las com alegria: “Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações” (Tg 1.2). As provações deveriam nos fazer antever o que Deus realizará. Devemos aceitá-las com alegria, não porque gostamos de provações, mas porque gostamos dos resultados.

Para agirmos assim, precisamos da sabedoria de Deus: “Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida” (v.5). Alguns de nós estamos enfrentando o desemprego, problemas familiares,questões de saúde, ou lutas relacionadas ao futuro de Deus para nós. Em todos esses casos, precisamos da sabedoria de Deus. Devemos nos perguntar: “Como estou reagindo a esta situação? Qual é o caminho de Deus? Qual é o plano dEle para mim nas circunstâncias que estou enfrentando?”.

As Escrituras dizem: “Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança” (v.17). Tiago estava se referindo às provações. Deus as deu a você com amor. A frase “todo dom perfeito”descreve o dom em si e o fato de que ele foi perfeitamente projetado para a sua situação.

Deus dirige e supervisiona tudo o que Ele lhe dá. Ele sabe quanto você pode suportar e o que é necessário para que você amadureça. Deus vê o seu potencial. Ele é como um 
professor

gabaritado e um pai perfeito em uma só pessoa, e quer apenas o melhor para você. Ele usa de provações para ajudá-lo a crescer, para que você possa maximizar seu serviço em Seu Reino.

A chave para suportarmos as provações é a sabedoria de Deus, que vem apenas por meio de Sua Palavra. Conseqüentemente, devemos aplicar as Escrituras às nossas situaçõesdiárias com diligência, sendo “praticantes da Palavra, e não apenas ouvintes” (v.22). A sabedoria de Deus sempre funciona. Ela é perfeita. Quando obedecemos à Palavra, superamos o pecado e impedimos a provação (que é neutra) de se transformar em uma tentação (que é negativa).

Segundo, Tiago relembrou a esses crentes em sofrimento que, se uma pessoa tem fé, mas não tem obras, ela realmente não tem fé: “Assim, também a fé, se não tiver obras, por si só está morta” (Tg 2.17). Esta afirmação não é sobre ser nascido de novo ou ser salvo do pecado. É sobre ser livre das provações. Quando Tiago perguntou: “Qual é o proveito, se alguém disser que tem fé, mas não tiver obras? Pode, acaso, semelhante fé salvá-lo?” (v.14),a resposta é “não”. A fé sem obras não ajudará você a passar pelas lutas. Sua fé tem que ser ativa.

Deus vê o seu potencial. Ele é como um professor gabaritado e um pai perfeito em uma só pessoa, e quer apenas o melhor para você. Ele usa de provações para ajudá-lo a crescer, para que você possa maximizar seu serviço em Seu Reino.

Por exemplo: “Não foi por obras que Abraão, o nosso pai, foi justificado, quando ofereceu sobre o altar o próprio filho, Isaque?” (v.21). Aqui a palavra justificadonão significa “nascido de novo”. No versículo 23, Tiago citou o fato que Abraão recebeu vida espiritual em Gênesis 15, quando creu na promessa de Deus de que o Senhor lhe daria um filho. Aqui Tiago explicou que Abraão demonstrou que era justo quando se preparou para sacrificaraquele filho aproximadamente 40 anos mais tarde. Abraão tinha 75 anos quando ganhou vida espiritual, e tinha 115 anos quando colocou Isaque sobre o altar. Abraão estava disposto a crer nas instruções de Deus e a responder combase na Palavra de Deus, a despeito do fato de que não entendia como tudo iria se realizar.

Romanos 4.19 diz: “Abraão, esperando contra a esperança, creu”. É isto que Deus quer que façamos. Ele está apenas nos dizendo: “Quando você estiver passando por um momento difícil, confie em Mim. Viva pela Minha Palavra. Deixe-Me fazer de você uma pessoa a quem eu possa usar de maneira maravilhosa em Meu Reino”.
Conselhos são baratos

Quando você estiver buscando a sabedoria de Deus, evite conselhos baratos. Tiago 3.1 diz:“Não vos torneis, muitos de vós, mestres”. Este versículo não se refere ao papel formal de um professor. O contexto envolve provações. Quando vemos alguém passado por provações, amamos dar conselhos. Adoro dar minha opinião. Se você quiser saber que tipo de carro deve dirigir, que tipo de cereal deve comprar, que tipo de loção funciona melhor, pergunte para mim. Eu entendo disso!

Todavia, as Escrituras nos advertem que sejamos cuidadosos para não darmos conselhos errados. A maior parte das pessoas reage emocionalmente às coisas. Pedro reagiu assim depois que “começou Jesus Cristo a mostrar a seus discípulos que lhe era necessário seguir para Jerusalém para sofrer muitas coisas dos anciãos, dos principais sacerdotes e dos escribas, ser morto e ressuscitado no terceiro dia” (Mt 16.21). Ele afirmou: “Tem compaixão de ti, Senhor; isso de modo algum te acontecerá” (v.22). Jesus, então, repreendeu-o e disse que a reação dele não era de quem cogitava “das coisas de Deus, e sim das dos homens” (v.23).

Os cristãos podem dar conselhos ímpios. Às vezes, é um conselho motivado pelas emoções, às vezes é motivado por atitudes práticas. Seja de uma forma ou de outra, não vem de Deus. Para sabermos o conselho de Deus, temos que consultar Sua Palavra.

Talvez, se estivéssemos com Jesus quando Satanás O tentou a ordenar “que estas pedrasse transformem em pães” (Mt 4.3), poderíamos ter dito: “Não acho que Deus vai ficar chateado se Você transformar uma dessas pedrinhas em um Big Mac. Afinal, Você já está aqui há 40 dias sem comer nada. É lógico que Deus não espera mais de Você do que Você já fez”.

Quantas vezes você já tentou consolar um amigo, dizendo: “Você já sofreu por tanto tempo. Você não acha que é hora de parar com suas perdas? Você já tem se esforçado o suficiente. Certamente Deus não espera mais de você do que o que você já passou”. Talvez, como o de Pedro, seu conselho não venha de Deus.

Existem duas fontes de sabedoria neste mundo, a de Deus e a do Diabo; e elas nos levam a dois diferentes caminhos:

“Quem entre vós é sábio e inteligente? Mostre em mansidão e sabedoria, mediante condigno proceder, as suas obras. Se, pelo contrário, tendes em vosso coração inveja amargurada e sentimento faccioso, nem vos glorieis disso, nem mintais contra a verdade. Esta não é a sabedoria que desce do alto; antes, é terrena, animal e demoníaca. Pois, onde há inveja e sentimento faccioso, aí há confusão e toda espécie de coisas ruins. A sabedoria, porém, lá do alto é, primeiramente, pura; depois, pacífica, indulgente, tratável, plena de misericórdia e de bons frutos, imparcial, sem fingimento” (Tg 3.13-17).

O rei Salomão falou sobre isto da seguinte maneira: “Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte” (Pv 14.12). A opinião da maioria das pessoas é geralmente conforme o mundo. Deus nos diz: “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o Senhor, porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos” (Is 55.8-9).

Existem duas fontes de sabedoria neste mundo, a de Deus e a do Diabo; e elas nos levam a dois diferentes caminhos.

Deus opera em um plano completamente diferente do plano dos seres humanos. Ele tem um conjunto diferente de valores e maneiras diferentes de agir e de reagir. Ele quer que nós abracemos Sua verdade, caminhemos com Ele e entendamos para onde Ele está indo.

Precisamos da sabedoria de Deus para suportar as provações. Também precisamos de fé. Devemos estar dispostos a confiar em Deus, humilhando-nos debaixo de Sua poderosa mão, para que Ele nos erga e nos leve à maturidade.

Você está com problemas financeiros, situações difíceis de saúde, dificuldades em casa? Então, ajoelhe-se e peça que Deus lhe proporcione o que você precisa. Dê os passos indicados em Sua Palavra e aguarde por Ele (Tg 5.7). Enfrentar provações requer persistência paciente, que confiemos em Deus no dia-a-dia e que aguardemos que Ele faça com que as coisas aconteçam.

No final, Jesus prometeu uma coroa da vida àqueles que O amam a despeito de suas provações e que as suportam confiando em Sua Palavra (Tg 1.12).

Não sei o que você pensa, mas eu quero crescer. Ainda estou trabalhando nisso. Quero me apresentar diante de Jesus e ouvi-lO dizer: “Você cresceu bem. Levou bastante tempo, mas você cresceu. Muito bem, servo bom e fiel”. Quando esta vida terminar, nossas lutas terão valido a pena.