quarta-feira, 5 de junho de 2013

A ESCOLHA DE DEUS NUNCA É EQUIVOCADA !!!

João 15: 16


A vontade divina manifestada numa verdadeira Palavra de Deus é uma porta aberta para muitas experiências. Is. 55: 11. Nós poderíamos resumir a vontade de Deus da seguinte maneira: “Deus pensa o que Ele sente e fala tudo aquilo que Ele deseja criar”. No conjunto de Suas atividades ao criar o universo da nossa existência podemos perceber que tudo o que foi declarado, estabeleceu um resultado visível do que Ele estava imaginando fazer. Dentro desse padrão criativo, todas as coisas convergirão de volta para Ele. Gên. 1; Heb. 11: 3; Rom. 4: 17b.

Um dos maiores atributos de Deus é a Sua vontade criativa. Tudo o que Ele cria tem o objetivo de frutificar e ministrar de volta. O sentimento de Deus é abençoado quando o fruto da Sua Vontade expressada em Sua Palavra volta para o Seu trono de glória. O ser humano deve entender que o ciclo da eternidade passa continuamente por esse processo de Deus receber os frutos da Sua criação. Nós precisamos estar dentro desse ciclo, pois todo o resto será considerado refugo que servirá apenas para ser queimado. Jo. 15: 1-6; Apoc. 20: 15; 21: 27; 22: 14-15.

Existe uma urgência de recondicionar nossas mentes e considerar como prioridade máxima o exercício da vontade de Deus. O mundo cristão está mergulhado dentro uma mentalidade que acredita que Ele existe em função de responder aos caprichos de nossos desejos e orações. A maioria das orações que fazemos não será respondida por causa dessa violação. Algumas pessoas só conseguirão entender como isto funciona quando ouvirem da boca do próprio Senhor como Ele pensa sobre o assunto. Mat. 7: 21-23; Tg. 4: 1-3; Jo. 9: 31. 

O acesso ao reino eterno do Pai está diretamente relacionado à nossa capacidade de andarmos nesses princípios que foram ensinados minuciosamente por Cristo. Jo. 5: 30; Luc. 12: 47. Na realidade o caminho para a vida eterna é bastante estreito, mas a porta do Reino estará amplamente aberta para aqueles que determinaram em seus corações fazer a vontade de Deus exatamente como ela é revelada nas Escrituras. II Pe. 1: 5-11. O Reino de Deus antes de ser algo físico e exuberante é um estado de espírito que se inicia dentro de cada um de nós. Luc. 17: 20-21; II Tess. 1: 7-12.

O povo de Deus está precisando de um tratamento de choque para ser despertado de sua dormência espiritual. Muitos púlpitos estão pregando para o povo um Deus irreal. Tanto a teologia do medo quanto a da prosperidade, motivada por interesses obscuros, apresenta ao mundo um Deus que não existe. Este “evangelho” está trazendo uma idolatria com cara de religião para dentro das igrejas e iludindo as pessoas com mentiras vindas diretamente das profundezas do inferno. Gál. 1: 6-9; Ef. 5: 6-16. Quando começam a orar pelas bênçãos prometidas nesse evangelho diluído, elas são confrontadas com um céu de bronze e aquele temido silencio no lugar das respostas necessárias. Sl. 115: 2-8. A busca por um deus irreal causa nas pessoas a mesma reação que os filhos de Israel viram dos profetas de Baal no monte Carmelo: Ausência absoluta de qualquer sinal de vida! I Rs. 18: 26-29.

No sermão da Montanha o Senhor Jesus ensinou em dois momentos de ouro o tipo da oração que Deus está pronto a responder. As duas exigem que a prioridade seja colocada no Reino e na vontade de Deus. Mat. 6: 9-10 e 6: 32-34. Faça uma analise apurada do que Ele fala nas entrelinhas desses dois textos. Tudo o que nós realmente precisamos para uma vida abundante está embutido nesse espaço. O propósito de Deus para com Seu povo começa com a nossa habilidade de fazer Sua vontade e termina na manifestação da justiça do Seu reino na terra. Simples assim!!

A geração que viveu e presenciou a primeira vinda de Cristo perdeu esta oportunidade porque ficaram confundidos na sua expectativa messiânica. O Messias que eles aguardavam quase nada tinha a ver com o que Jesus ensinou e operou diante deles. Na rejeição incrédula que demonstraram ao Senhor perderam o direito de participar do reino de Deus e não conheceram o dia de Sua visitação. Mat. 21: 42-46; 23: 37-39. 

Que o Senhor Deus tenha misericórdia dessa geração no cristianismo atual e nos dê em Sua graça a capacidade de não incorrermos no mesmo erro daquela. Vamos injetar bastante fé e atitudes agressivas para andarmos com muito temor na Palavra que Deus nos tem falado. Está é uma formula divina pela qual obteremos resultados permanentes em toda nossa existência como povo de Deus. Heb. 4: 1-3.