sexta-feira, 12 de julho de 2013

A BÍBLIA FALA SOBRE A FAMÍLIA !!!


A família é a primeira sociedade natural, tipo e princípio de todas as outras sociedades. O baiano Ruy Barbosa explicou: "a pátria é a família amplificada", e a Igreja, diz a Bíblia Sagrada, é a família de Deus. Assim, quem destruir a família destrói a sociedade e o próprio ser humano. Os inimigos da família são conseqüência de uma concepção naturalística, materialista, mesmo, da vida: por isso, tantas separações, crianças abandonadas, filhos desobedientes. Não há motivos nobres orientando: a irreligião domina, o ceticismo, o secularismo porque os princípios espirituais e morais estão sendo destruídos, a religião é pressionada, não nasce do coração, é mecânica, ritual, mas não vivida e sentida. Não diz a Escritura que "o que perturba a sua casa herdará o vento", e que "toda mulher sábia edifica a sua casa; a insensata, porém, derruba com as suas mãos" ?

CRISES DO MUNDO MODERNO

Crise de autoridade e disciplina. O mundo sofre de uma crise de autoridade e disciplina que tem sua raiz na mesma situação porque passa a família. As causas são diversas: Conflito de Gerações, ou seja, conflito entre adultos e jovens, pais e filhos, uma forma de pensamento e outra, uma ideologia e outra. Isso não é novidade! 2Samuel 15 narra como Absalão se tornou rebelde contra o pai, e como questionou sua autoridade e subverteu a ordem reinante. Era um líder nato, conquistou muitos adeptos, e planejou derrubar o próprio pai do trono. Seu fim foi trágico, e é narrado em 2Samuel 18. 9, 14, 15. 

Há alguns anos, na China, 25 milhões de jovens, os chamados "Guardas Vermelhos", foram contra tudo o que representava herança das gerações anteriores. Houve destruição, quebra-quebra, mortes; eram iconoclastas com respeito ao passado e à tradição. De quando em vez, ressurgem manisfestações do antigo chamado movimento hippie. Os verdadeiros hippies eram jovens das classes média e alta norte-americanas que renegaram o estilo de vida de seus pais, e adotaram uma postura desleixada, desinibida, e, mesmo, anti-higiênica. O objetivo era chocar pelo contraste. Adotaram o lema "Faça o amor, não faça a guerra"; saudavam-se e aos outros com a expressão "Paz e Amor!" Afirmando amar a todos, havia muita permissividade, sexo livre e irresponsável, drogas, tóxicos, vícios. Alguém disse com muita propriedade que "hippie era alguém que amava todo mundo, menos os pais".

Uma segunda causa são as Mudanças no Ambiente Social. É a necessidade da mãe trabalhar fora (e por vezes não há outra escolha). Com isso, há pouca (ou nenhuma) oportunidade de encontro da família: pais, tanto ricos quanto pobres, vão ao trabalho e deixam as crianças entregues a elas mesmas ou a outras pessoas, algumas absolutamente sem formação, para cuidar das crianças ou à babá eletrônica, a TV, eficiente geradora de violência, reclamando a seguir que os filhos estão agressivos e rebeldes. Uma professora contou sobre um resultado típico de uma greve de professores sobre crianças urbanas. Durante os trinta dias de duração da greve, as crianças foram deixadas em casa porque os pais tinham que sair. Foram, então, aprisionadas nas quatro paredes do apartamento e entregues a elas mesmas. Quando voltaram à escola, um garoto da terceira série bateu em outro. Levado à Orientadora Educacional, não soube explicar porque batera no colega?! 

Temos em casa um grande modelador da vontade e do caráter: a TV! A propaganda por ela veiculada modela o nosso querer: cria a necessidade de coisas de que não precisamos, nivela nossa maneira de pensar, o que é bom e o que não presta são igualmente espalhados, e, inúmeras vezes, o que não presta até com mais ênfase; a moral é questionada. E tudo isso mexe com a família, com o relacionamento marido/mulher, filhos/pais, com o lar, enfim.

O mundo é uma grande competição, e muita gente não se importa de pisar outras para subir na vida, nem de se vender. Um moço conversava conosco no Gabinete Pastoral sobre emprego. Disse ele que quando chegava ao local anunciado no jornal, já havia doze a quinze pessoas. Disse-nos que, quando falava sobre a sua pretensão salarial, outro era escolhido porque pedira menos. O vestibular para as universidades é uma tremenda competição havendo, em certos casos, vinte e sete, trinta candidatos para uma vaga! Crise de autoridade e disciplina, quando se discute a autoridade dos pais, onde se defende o sexo livre, onde há violência em todos os sentidos, onde se experimenta o vazio e a solidão, onde há desejo de ter em vez do anseio por ser.

Há famílias que em nome da democracia se tornaram uma perfeita anarquia: todos mandam e ninguém obedece, não há uma cabeça pensante. No propósito de Deus, a família é uma sociedade bem ordenada. O pai é o chefe natural tanto do subsistema conjugal (marido e mulher), quanto do subsistema fraternal (filhos). É conferir Colossenses 3.18,20 "Vós, mulheres, sede submissas a vossos maridos, como convém no Senhor.... Vós, filhos, obedecei em tudo a vossos pais; porque isto é agradável ao Senhor." O espírito de família baseado no respeito e confiança desaparece: os pais discutem com os filhos, e toleram sua falta de respeito e zombaria até; espetáculos de intimidade conjugal são testemunhados aviltando a dignidade e o decoro!

Há quem fale em conflito de gerações. Ora, sempre tem havido e sempre haverá, uma brecha entre as gerações. É preciso que exista; o que não pode é ser aumentada e abusada. O conflito de gerações não é coisa de hoje. Num túmulo egípcio de 6.000 anos atrás (c. 4000 a.C.) foi encontrado: 

"Vivemos numa era decadente. Os jovens já não respeitam seus pais. São grosseiros e impacientes. Passam o tempo nas tabernas e não possuem qualquer domínio sobre si mesmos".

E a revista Newsweek (de nossos dias, portanto): "Este não é um tempo fácil para se ser pai ou mãe". A história de Davi e Absalão é na Bíblia um registro desse conflito de gerações. Absalão, amado pelo pai, foi um moço cheio de frustrações. Belo rapaz, rebelou-se contra o pai, e fugiu de casa. Comandou uma insurreição contra Davi, que deu uma ordem aos seus oficiais. Morto, foi pranteado pelo pai.

Crise, revolução, rebelião, revolta, desespero , desconfiança, ceticismo, falta de fé, revolução em todos os quadrantes do mundo e também dentro de casa.

Crise de Identidade e Mudança de Valores. A família contemporânea tem sido abalada pela falta de identidade de alguns de seus membros,. Refiro-me à distinção entre os sexos: a homem sem acanhamento de ser homem; mulher sem pedir desculpas por ser mulher. Referimo-nos a homem com modos apropriados, vestes adequadas, comportamento de homem; refiro-me a mulher com maneiras perfeitas, gestos femininos e conduta de mulher. Sem mistura e sem unissex.

A família de hoje tem sofrido de mudança de valores: o que é mau está travestido de bom, e o bom, considerado fora de moda. As drogas têm se tornado uma questão de segurança nacional em todo o mundo. Dizem as estatísticas que de cada oito americanos, um é viciado em drogas. Até há poucos anos no Irã, havia uma taxa de cinco mil suicídios/ano por causa das drogas. sexo livre e irresponsável. Não é coisa nova.. Nossa cultura está saturada de sexo como bem o demonstra os títulos de alguns filmes. A experiência sexual antes do casamento e a permissividade têm virado normalidade e rotina nas novelas de TV e na vida das famílias. O homossexualismo tem sido aceito por segmentos da família brasileira sem restrições. Aliás, é chamado de "preferência ou opção sexual"(?!). O número especial de Ultimato sobre "A Questão Gay" (abril de 1987) traz um comentário sobre um documento publicado pelo Grupo Gay da Bahia. É documento dirigido aos crentes em Jesus Cristo, e tem o título O que todo crente deve saber sobre o homossexualismo apresentando um sem número de aberrações de hermenêutica bíblica. Por exemplo: "Não há na Bíblia nenhuma só vez a palavra homossexual nem homossexualidade". É verdade, mas aparecem as palavras impuros, efeminados e sodomitas.. "A prática homossexual foi proibida porque é uma relação não reprodutiva". A resposta é muito elucidativa. O homossexualismo é chamado de "amor inocente", mas a resposta se encontra em Romanos 1. 26, 27 onde a prática homossexual é chamada de torpe e depravada. O problema destes dias é condenar a conseqüência e não a fonte: condena-se a AIDS, mas não o homossexualismo, e nessa base estão as campanhas dos nossos governos pelos jornais, revistas, outdoors e TV. Lembremos que condenamos o pecado, mas amamos o pecador, por isso temos que estender-lhe a mensagem de purificação, de mudanças, de salvação em Jesus Cristo.

Não é novidade a subversão de valores. Isaías, o profeta, há 2.700 anos denunciava a subversão de seus dias: 

"Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que põem as trevas por luz, e a luz por trevas, e o amargo por doce, e o doce por amargo!"

"O vosso país está assolado; as vossas cidades abrasadas pelo fogo; a vossa terra os estranhos a devoram em vossa presença, e está devastada, como por uma pilhagem de estrangeiros."

Todos falam da crise moral e espiritual que tenta dominar nosso país; a ética sofre de anemia porque Deus e Sua Palavra não são prioridade para nosso povo. A lei de Deus tem sido ignorada, e, no entanto, a Escritura diz que Deus é o Senhor das nações: 

"Todas as nações que fizeste virão e se prostrarão diante de ti, Senhor, e glorificarão o teu nome."

"Portanto, ide, fazei discípulos de todas as nações". 

Na sociedade de hoje, parece que o bem virou mal e o mal se tornou correto; vive-se a cobiça do dinheiro, do luxo desenfreado; vive-se a desumanização da personalidade por uma época dirigida pela máquina.

Crise de fé. A irreligião, quando não a anti-religião, é vivida: leviandade quanto à fé, coração vazio de nobreza e fé, frivolidade no lar, falta de vida na família, falha de pais que não vivem o que pregam. Talvez resultado de um tempo quando a máquina substitui o músculo, e, até, o cérebro. Talvez porque seja in descrer do espiritual e crer na tecnologia. Há o caso da fé mal-dirigida. Aliás, na Antigüidade, famílias inteiras mal-dirigiam sua atitude de fé: 

"Os filhos apanham a lenha, e os pais acendem o fogo, e as mulheres amassam a farinha para fazerem bolos à rainha do céu, e oferecem libações a outros deuses, a fim de me provocarem à ira".

Não parece o quadro das procissões marítimas, ebós e semelhantes?

É tempo de orar pela família; é tempo de orar por essa falta de autoridade e disciplina; é tempo de orar pela falta de identidade, mudança de valores e suas conseqüências; é tempo de orar pela falta de fé.

AJUDANDO A FAMÍLIA

Ajudando os pais. Espera-se que os pais cristãos sejam pessoas que amem a Palavra de Deus e a repassem aos filhos. A Bíblia pontua a disciplina, e com a Bíblia os pais cristãos hão de vencer a crise de autoridade e disciplina. A Bíblia ensina que é preciso firmeza e que o "sim" há de ser "SIM", e o "não" há de ser "NÃO". A crise de mudança de valores será vencida quando os pais derem tempo e mais de si aos filhos. Um adesivo no vidro de um carro dizia: "Você já abraçou seu filho hoje?"

Compreendendo os filhos. Paulo diz em Efésios 6.4 e Colossenses 3.21: "não provoqueis à ira vossos filhos" e "não irriteis a vossos filhos". Na verdade, colhemos o que plantamos: se plantamos amor e compreensão, colheremos compreensão e amor. Há um ministério em escutar: de escutar os filhos. Há um ministério de comunicar: o modo como se fala com os filhos diz se eles são aceitos, se criticados, rejeitados ou amados. Há um ministério no disciplinar: disciplina adequada, equilibrada, apropriada, graduada, disciplina com amor. Há um ministério no respeitar: o respeito pelas opiniões e decisões dos filhos porque podem ser diferentes das suas, respeito pelos seus direitos pessoais, a sua privacidade.

Amar os filhos. Por isso passar-lhe o ensino da lealdade, da honestidade, do respeito, do amor, das coisas do Espírito, da confiança em Deus. Tudo em nome do amor: 

"coisas que temos ouvido e sabido, e que nossos pais nos têm contado. Não os encobriremos aos seus filhos, cantaremos às gerações vindouras os louvores do Senhor, assim como a sua força e as maravilhas que tem feito, a fim de que pusessem em Deus a sua esperança, e não se esquecessem das obras de Deus, mas guardassem os seus mandamentos";

Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele". 

Pais necessitam possuir um alicerce moral e espiritual sobre o qual apoiem suas vidas e que possa suportar a prova do tempo, que seja eterno. Isso em nome do amor, e assim os filhos se identifiquem com os pais de modo que aceitem e incorporem os seus valores. Assim foi com Abraão: 

"Visto que Abraão certamente virá a ser uma grande e poderosa nação, e por meio dele serão benditas todas as nações da terra? Porque eu o tenho escolhido, a fim de que ele ordene a seus filhos e a sua casa depois dele, para que guardem o caminho do Senhor, para praticarem retidão e justiça; a fim de que o Senhor faça vir sobre Abraão o que a respeito dele tem falado".

Ajudando os filhos. Que linda oração no Salmo 144, 12,15: 

"Sejam os nossos filhos, na sua mocidade, 

como plantas bem desenvolvidas 

e as nossas filhas como pedras angulares lavradas,

como as de um palácio. 

Bem-aventurado o povo a quem assim sucede! 

Bem-aventurado o povo cujo Deus é o Senhor", 

Porque a Bíblia vê os filhos como bênção de Deus. Por isso, há um enorme privilégio e maior dever, ainda, em serem os filhos bênçãos, luzes, esperança para seus lares e famílias, e, por extensão, para sua nação, a "família amplificada". Assim: 

"Filho meu, ouve a instrução de teu pai, e não deixes o ensino de tua mãe"; 

"Um filho sábio alegra a seu pai; mas um filho insensato é a tristeza de sua mãe" ; 

"O que aflige a seu pai, e faz fugir a sua mãe, é filho que envergonha e desonra." 

Essa ajuda se manifesta pela orientação a vencer a crise de identidade pela construção do auto-conceito, pelo orgulho de ser homem ou de se mulher com as características próprias de seu sexo, pelo assumir a identidade como crente em Jesus Cristo.

A vencer a crise de fé ensinando-os a orar com regularidade, honestidade e perseverança, despertando, assim, a sua sensibilidade espiritual. Estabelecendo alvos nos quais esqueçam o passado (como Paulo ensinou, "esquecendo-me das coisas que para trás ficam..."), e prossigam adiante.

Filhos abençoados... No Antigo Testamento, a submissão aos pais é o segredo da bênção: 

"Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa), para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra". 

Afinal, receber uma herança é receber bênçãos, e a Bíblia diz que os filhos são herança de Deus. A oração do Salmo 144.12: 

"Sejam os nossos filhos, na sua mocidade, como plantas bem desenvolvidas, e as nossas filhas como pedras angulares lavradas, como as de um palácio", 

está na linha da ordem de Deus a Abraão em Gênesis 12.2b : "Tu, sê uma bênção". Filhos que promovam bênçãos nesse mundo de barulho, violência e frustração, mundo, porém, que herdaram das gerações que os antecederam. 

O segredo do sucesso e crescimento da família cristã é o próprio Senhor Jesus Cristo. Em Efésios 5 e 6, Jesus Cristo é o filtro em cada relacionamento no lar: entre a esposa e o marido, o marido e sua mulher, entre os filhos e os pais, entre os pais e os filhos, entre os empregados e os patrões, e entre os patrões e os empregados. Família unida é a que desenvolveu o senso de comunhão: a que ama a Deus, a que ama a Sua Palavra, a que ama a seus membros individualmente. Mesmo a Bíblia fala de pais vivendo na compreensão, no amor, na amizade dos filhos, e de filhos se pautando e retornando essa compreensão, amor e comunhão: 

"E ele converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha, e fira a terra com maldição" . 

Pedro apóstolo fala da "estrela d'alva ", estrela da manhã, que é Jesus, nascendo em nosso coração: 

"E temos ainda mais firme a palavra profética à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma candeia que alumia em lugar escuro, até que o dia amanheça e a estrela da alva surja em vossos corações", 

e diz Malaquias 4.2: 

"Mas para vós, os que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça, trazendo curas nas suas asas; e vós saireis e saltareis como bezerros da estrebaria." . 

Não há alternativa: é Jesus primeiro, pois "buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serào acrescentadas". Esse é o segredo do viver cristão individual e da vida cristã na família. Trevas não afastam trevas, mas a luz, sim: ódio não espanta ódio, mas o amor, sim, a fonte, porém, da luz, do amor, o caminho da vida é Cristo Jesus, o Filho de Deus, nosso Salvador.

Se for o caso, que haja refeitura do ambiente familiar. A família não se compra feita, ela se constrói: uma casa você adquire, mas um lar é construído a custa de sacrifício, trabalho, sofrimento, até. Que haja dignidade da pessoa humana. A criança tem dignidade, pois Cristo disse: 

"Deixai as crianças e não as impeçais de virem a mim, porque de tais é o reino dos céus", 

e João registrou, "Eu vos escrevi, meninos, porque conheceis o Pai". 

O adolescente e o jovem têm dignidade: 

"Jovens, eu vos escrevo, porque vencestes o Maligno. Eu vos escrevi, jovens porque sois fortes, e a palavra de Deus permanece em vós, e já vencestes o Maligno" . 

O adulto tem dignidade: 

"Pais, eu vos escrevo, porque conheceis aquele que é desde o princípio". 

"Eu vos escreví, pais, porque conheceis aquele que é desde o princípio". 

O idoso tem suprema dignidade: 

"Os vossos anciões terão sonhos"

Há que inspirar a fé. O crente em Jesus Cristo entende que a fé é para a família inteira, razão porque o policial de Filipos ouviu: "Crê e serás salvo, tu e a tua casa", e se o amor é o fundamento do casamento e da conseqüente família, dois outros elementos teológicos não podem ser afastados: paz e segurança. O amor traz o senso de serviço o prestar atendimento, a fé faz o amor se enraizar em Deus, e a esperança baseia-se na fé porque é crer nos bens e bênçãos familiares que possuímos em semente; é crer que o outro pode chegar à plenitude como ser humano e cristão e trabalhar para isso em amor.

Nossa oração é que possamos afirmar como Josué o fez, "eu e a minha casa serviremos ao Senhor" . Com Cristo, a família será ajudada, instruída: 

"Congrega o povo, homens, mulheres e pequeninos, e os estrangeiros que estão dentro das vossas portas, para que ouçam e aprendam, e temam ao Senhor vosso Deus, e tenham cuidado de cumprir todas as palavras desta lei; e que seus filhos que não a souberem ouçam, e aprendam a temer ao Senhor vosso Deus", 

e nós chegaremos a conhecer a glória do Senhor: 

"Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor".