sábado, 25 de agosto de 2012

AS QUATRO LEIS ESPIRITUAIS DO CASAMENTO

Gênesis 2.24 

1. Introdução

Amados irmãos e amigos. Sejam bem vindos para este culto de adoração ao Senhor nosso Deus, onde este casal nos recebe para invocar a bênção de Deus sobre o seu casamento.

Assim como existem leis na sociedade e na natureza, o casamento tem suas leis, tem os seus princípios, que precisam ser respeitados para que a vida a dois, se torne bem sucedida.
2. Nesta ocasião, gostaríamos de falar sobrequatro princípios ou leis espirituais que se aplicam ao casamento, que podem ajudar um casal a ter uma vida conjugal bem sucedida:
2.1 Em primeiro lugar, temos a subtração.

O casamento começa com a subtração… é quando o homem deixa seu pai e sua mãe para unir-se à sua mulher. A Bíblia fala sobre isso em Gn. 2.24: “…o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua mulher, e os dois se tornam uma só pessoa”.

Primeiro se deixa para depois se unir.

Então, chega uma hora, chega um dia, que os pais precisam liberar os filhos para que eles, verdadeiramente, batam asas do ninho e comecem uma nova jornada na vida… a partir de então, os pais não devem mais interferir tanto na vida dos filhos, porquanto, agora estão casados, constituindo uma nova família.

Por outro lado, os filhos precisam de independência emocional e financeira. Isto é o que chamamos de amadurecimento. Para isso acontecer o cordão umbilical da dependência emocional e financeira precisará cortado.

Poderíamos até dizer que esta é a primeira operação matemática no casamento: a subtração… o deixar pai e mãe. Deus mesmo estabeleceu assim.
2.2 Depois da lei da subtração, vem a lei da adição.

O homem depois que deixa pai e mãe deve unir-se à sua mulher… é a soma, é a união dos dois!
E essa união é, conforme Deus planejou, indissolúvel… é uma união de sonhos, de alvos, de propósitos…

E é também uma união física… no casamento o homem e a mulher se tornam uma só carne.

Está escrito, não é? “…o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua mulher, e os dois se tornam uma só pessoa”.

Na criação, a Bíblia revela que Deus formou Adão e dele formou Eva… então, de um, Deus fez dois; mas no casamento, de dois Deus faz um: faz uma só carne.

Por isso, amados irmãos, o casamento de vocês é uma adição.

E deve haver esforço constante para haver adição de amor, adição de afeto, de respeito, perdão, troca de experiências, e aprendizado com os próprios erros.

Saibam irmãos, que no casamento, quando se adiciona, se recebe de volta, seja o bem ou o mal, pois aquilo que semeamos colhemos, seja em forma de bem ou mal. É o princípio da semeadura: o que você planta, você colhe…

Se vocês adicionarem o perdão, ou respeito, será isso que vocês irão colher em maior quantidade.
2.3 A terceira lei espiritual do casamento é a multiplicação.

Um casamento que passou pela subtração e adição é completo em si mesmo, e como consequência Deus ainda dá a bênção da multiplicação.

A benção da multiplicação vem: 
Quando Aprendemos a ser fieis a Deus nas pequenas coisas. Lembremos as palavras de Jesus em Mateus 25:21: “….foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei…”. 
Por meio de filhos. Quando os filhos vem, com eles se multiplicam também os sonhos, pois a Bíblia ensina que filhos são herança de Deus e que são também como flechas nas mãos do guerreiro. 
Quando colocamos o que temos a disposição de servir o reino. Ela veio para alimentar uma multidão que tinha mais de cinco mil pessoas. Veio quando um rapaz que tinha apenas cinco paes e dois peixinhos colocou-os a disposição do Reino. 

No casamento, como está acontecendo hoje com vocês, Deus abre o portal da esperança para o mundo, pois ao mesmo tempo em que uns estão encerrando a carreira, outros estão começando; enquanto uns estão descendo a ladeira da vida, outros estão subindo sua colina, cheios de esperança em Deus.

Portanto, recebam a multiplicação como benção. Que “…a misericórdia, a paz e o amor vos sejam multiplicados…”. (Judas verso2).
2.4 A quarta lei espiritual do casamento é a da divisão.

No casamento, não se deve acumular coisas, acumular experiências… mas se deve repartir, se deve compartilhar.

O marido nunca deverá querer tudo para si mesmo e nem a esposa deverá querer tudo para si mesma… mas devem dividir o que se tem com alegria.

Assim sendo, no casamento de vocês, que começa hoje, Deus espera mais investimento do que cobrança… no casamento, Deus espera que vocês venham dar mais do que receber… que vocês venham repartir mais do que reter.

No casamento de vocês não deverá haver espaço para o egoísmo, mesmo porque o amor não é egoísta, não visa seus próprios interesses, mas busca a realização da pessoa amada.

Quem ama dá. Quem ama reparte. Quem ama divide o que tem.

E vocês sabem que na matemática, quando dividimos o que temos, ficamos com um saldo menor… mas, no casamento, quanto mais vocês compartilharem, quanto mais vocês repartirem, quanto mais vocês dividirem com outros, maior será o saldo de vocês, maior será o crescimento de vocês!
3. Conclusão

Assim, meus irmãos é a matemática do casamento: 
É preciso deixar para se unir. 
É preciso unir para multiplicar. 
E é preciso dividir para continuar crescendo, ter saldos maiores. 

Estes princípios são importantes porque, “…todo casamento precisa ser uma casa solidamente edificada sobre a rocha, capaz de permanecer em pé ainda que haja chuva no telhado, rio nos alicerces, vento nas paredes”.