domingo, 30 de setembro de 2012

É a religião de um candidato um fator importante para decidir em quem votar?

Sim - É a religião de um candidato importante ao decidir como o seu voto? É claro que é. Religião de um candidato deve ser tão importante para você, enquanto a votação como é importante para ele como ele recebe o seu voto, porque, uma vez eleito, ele vai estar afetando as políticas públicas através de decisões pessoais, necessariamente colorida pelas crenças religiosas influenciam cada parte de seu acordando vida, assumindo que ele é sincero e sério em manter suas crenças como verdade. Os candidatos que se opõem ao aborto, por exemplo, não tão universalmente com base em suas convicções religiosas como informá-los sobre o assunto, porque a oposição ao aborto exige objeções religiosas e objeções que decorrem diretamente das crenças filosóficas funcionando em perfeito mimetismo de opiniões religiosas, como a de que a vida começa na concepção e / ou que a vida humana é mais merecedor de preservação de vida não humana tanto no sentido metafísico e prático.
A gama de políticas públicas afetadas pelas crenças religiosas pessoais dos candidatos eleitos é amplo.O aborto é apenas a ponta do iceberg. Entre 2001-2008, George W. Bush, um cristão evangélico que não fez segredo de suas crenças ou de sua eleição é executado, nomeou uma longa lista de cristãos evangélicos para vários cargos burocráticos dentro do governo. Alguns deles permanecer nesses cargos hoje, onde eles afetam diretamente a elaboração da política pública e da divulgação de informações ao público.
Por exemplo, logo depois de Bush empilhou os painéis de direção dos Institutos Nacionais de Saúde com evangélicos cristãos nomeados direita, o site do NIH removido informações pertinentes sobre a prevenção de gravidez e doenças através do uso de tipo barreira contraceptivos, como preservativos, e substituiu-o com uma declaração cobertor aconselha os cidadãos a praticar o celibato vez. É claro que a admoestação de praticar o celibato especificamente em vez de fazer uso de generalizadas práticas de sexo seguro, incluindo o uso adequado de contracepção, vem diretamente das crenças de emissão pública morais da direita cristã. Em outras palavras, as informações divulgadas no site público do NIH veio a refletir diretamente as crenças religiosas pessoais dos diretores NIH Bush nomeou.Coincidência? Não é pouco.
A educação pública é outra área importante em que as crenças religiosas pessoais de candidatos eleitos pode criar mal terrível que ameaça diretamente a qualidade da crianças de ensino recebem. Vamos apenas de lado por um momento o fato de que muitos conservadores religiosos - incluindo candidatos eleitos cargo político - defendem abertamente para o desmantelamento do Departamento Federal de Educação, transformando o conteúdo e, portanto, a qualidade da educação por inteiro, através de conselhos escolares locais que normalmente são compostas de cidadãos que não são eles próprios educadores e nunca ter treinado para ser.
Vamos concentrar-se em dois aspectos da educação pública de que muitos candidatos religiosos falam diretamente e desprezo sobre em termos francamente religiosas: o ensino da evolução como a fundação da biologia, e os esforços para normalizar os homossexuais como pessoas totalmente iguais no estado, tanto social e política antes a lei, e, portanto, merecedor de todo o direito e privilégio de desfrutar de heterossexuais.
O conceito geral de evolução, muito simplesmente, é o processo de contabilidade biológico obrigatório para a diversidade de toda a vida neste planeta. Também é a teoria mais evidencial confirmou científica na existência, totalmente igual no que diz respeito à teoria quântica e da relatividade de Einstein na Física. "Perigosa ideia de Darwin" (como o filósofo Daniel Dennett chama) tem uma posição de consenso incontestado entre biólogos e cientistas em todos os campos relacionados à ciência, em quase todas as nações de todo o mundo (salvo os poucos existentes teocracias monoteístas, como a Arábia Saudita ) - sem contestação por motivos científicos, isto é. Mas aqui na América (e Austrália, entre os países de língua Inglês) determinadas denominações e seitas do fundamentalismo cristão rejeitam toda a evidência física para a evolução e favorece substituindo-o que equivale a um conto de fadas, em termos de verificabilidade. Os dois primeiros capítulos do Gênesis que descrevem a diversidade da vida na Terra como ocorrendo por atos individuais de fiel criação por Deus.
Cristã Evangélica toco candidatos político abertamente ou para substituir evolução com o criacionismo nas escolas públicas, ou com o seu primo beijando igualmente inverificáveis ​​"design inteligente", ou para ensinar o criacionismo e / ou ID lado a lado com a evolução para que os alunos possam decidir por si mesmos o que vista da biologia é a correta, como se há legitimidade existente em qualquer debate entre divulgando fatos obtidos cientificamente e teorias objetivas e subjetivas da propagação de crenças religiosas. Assim, facilmente se ver que, uma vez eleito, um candidato religião pode obrigá-lo a tentar minar a qualidade do ensino de ciências nos Estados Unidos.
A normalização das percepções sociais sobre os homossexuais também é algo que as escolas públicas têm uma mão ocasional, seja diretamente através de aulas de estudos sociais e discussões sobre eventos atuais, ou, concebivelmente e mais indiretamente, por meio de aulas dadas em outras classes também. Há poucos ou nenhuns motivos não religiosos não para normalizar a percepção dos homossexuais como "apenas" pessoas cuja única diferença significativa para os outros é uma preferência de parceiros sexuais. (Sim, há muitas vezes uma culturalmente inculcado "fator eeew" sobre o comportamento homossexual, mas considerar sua origem: a religião-instiladas atitudes que se tornaram tão onipresentes através da cultura que a sua fonte não está mais aparente e, deve ser feita, desde quando. fez uma reação de "eeew!" a qualquer coisa se tornar uma justificação viável para uma posição de ditar moral pública, em oposição à mera racionalização para ditar um?)
É claro que a normalização cultural da percepção de gays como "apenas pessoas, como ninguém", abre o caminho para os homossexuais a receber o complemento total dos direitos sociais, privilégios e benefícios qualquer outro cidadão goza. Mas muitos insistem pessoas religiosas, porque o Antigo Testamento diz que os homossexuais estão entre o pior tipo de pecador, uma "abominação" aos olhos de Deus, e, como tal, não são dignos ou merecedores da igualdade social. Este é o mesmo tipo de atitude preconceituosa que foi aplicado para os negros na época da escravidão, quando foi pregado (principalmente dos púlpitos do Sul) que os negros eram negros porque eles eram os descendentes de Cam, filho de Noé, que foi amaldiçoado junto com todos os seus descendentes, porque ele viu seu pai nu, bêbado e desmaiado, obcecado sobre o primeiro lote de vinho feito após a arca atingiu a costa.
De acordo com muitos dos cristãos da época (convenientemente, principalmente no Sul escravista), a pele negra foi o sinal exterior da maldição lançada sobre Ham, e, os negros sendo a descendência igualmente maldito de que o filho de Noé, tornou-se a obrigação dos bons homens tementes a Deus em todos os lugares para aumentar o sofrimento do povo negro como uma forma de provar a fé (e ganhar bênçãos maiores) antes de um Deus irado, mas justo. E uma das maneiras de fazer isso era tornar os negros escravos de bons homens cristãos.
É esta mesma atitude ignorante que condena os homossexuais no mentes de muitos cristãos, incluindo muitos políticos cristãos - a noção de que, porque os atos homossexuais são denunciados como uma abominação diante de Deus, os homossexuais são por extensão lógica abominava a si mesmos e, portanto, não são merecedores da igualdade social em qualquer cultura dominada por cristãos. E há uma atitude semelhante religiosa entre muçulmanos fundamentalistas também.
Aqui, novamente, vemos que o candidato sinceramente observadora da fé religiosa (pelo menos de certas cepas conservadores fundamentalistas da fé) deve sentir-se obrigado por suas crenças a agir para restringir as liberdades civis de certos grupos de religião desaprova como uma questão de dogma. Tal funcionário eleito é incapaz de agir politicamente para todos os barcos flutuam sobre um mar de liberdades civis e, ao mesmo tempo permanecer fiel a um conjunto de convicções religiosas dizendo-lhe há alguns barcos que ele deve trabalhar ativamente para afundar. Ele deve escolher um ou o outro - ou a flutuar todos os barcos, ou afundar alguns deles - porque ele não pode optar por fazer os dois.
Assim, vemos que as opiniões religiosas de um candidato são de fato, não só apenas importante, mas de vital importância para a maneira como ele vai agir politicamente, na suposição de suas crenças estão sinceramente realizada em vez de cinicamente apresentada ao seu eleitorado como uma espécie de vitrine pública.
Evangélicos estão mudando a identidade política do Brasil, diz especialista

O fenômeno do crescimento dos evangélicos no Brasil está mudando a identidade política do Brasil, segundo professor da Escola de Comunicações e Arte da Universidade de São Paulo, Eugênio Bucci. Em dez anos, o número de evangélicos no Brasil cresceu em 16 milhões de pessoas, chegando a 42,3 milhões, segundo dados do Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) 2010.

Frente a esse crescimento, o professor, jornalista e colunista da Época, Eugênio Bucci, afirmou que com essa mudança na identidade religiosa, o Brasil também estaria mudando sua identidade política. “O que vai se transformando, diante de nossos olhos, não é meramente a identidade religiosa do Brasil, mas sua identidade política”, afirmou em sua coluna nesta segunda-feira (30).

Eugênio aponta para movimentos notórios como a Marcha para Jesus, que, segundo ele, estão servindo para firmar legitimidade de poder, levando milhares de evangélicos às ruas. Ele destaca a observação do presidente da Marcha, Estevam Hernandes, fundador e líder da Igreja Apostólica Renascer em Cristo, de que o “Brasil será o maior país evangélico do planeta”.

“Se a previsão se confirmar, o Brasil político será outro”, afirmou Bucci. Ele reitera dizendo que o Brasil político já mudou, pois a bancada evangélica representa um dos segmentos mais ativos e influentes no Congresso Nacional: “O peso desses líderes religiosos na vida partidária é notório e crescente”.

Dando suporte a afirmação do professor, está o anúncio recente de uma das maiores igrejas evangélicas do Brasil, a Assembleia de Deus, que diz que terá como meta eleger um vereador em cada uma das 5.565 cidades brasileiras.

O fenômeno da influência evangélica na vida partidária, segundo o estudioso, é resultado do desenvolvimento da comunicação social, com a presença de líderes das igrejas no controle de estações de rádio e de televisão, e que vem se expandindo sem restrições.

O crescimento evangélico pode estar não somente influenciando na área política, mas em todas as esferas da sociedade. De acordo com teólogos e antropólogos, citados em uma reportagem notória sobre o crescimento evangélico da revista Época em 2010, a população evangélica estaria influenciando em todas as esferas da vida brasileira.
Fonte: The Christian Post

Evangélicos e política

Nepotismo, igrejas que impõem candidatos, política fraca e não influenciadora, eis alguns aspectos da política evangélica. Nesse artigo serão analisados mais alguns aspectos da política evangélica.

Política fraca e insuficiente 

A política evangélica no Brasil não produziu diferenças significativas no país, isso é um fato incontestável, pois se resume a obter concessões de TV e rádio para mega-igrejas. Os poucos pontos positivos da política evangélica foi mudar alguns artigos do código civil e a política sobre o aborto mais abrangente, mas até isso é muito deficiente, pois o aborto já é praticamente liberado no país, pois qualquer mulher pode abortar dizendo que foi estuprada sem apresentar boletim de ocorrência nos hospitais do SUS. 


Em grande parte, o aborto não é totalmente liberado no país por causa da atuação da Igreja Católica Romana. Os políticos evangélicos, sim, têm sua contribuição sobre o assunto, mas a Igreja Católica foi e continua sendo mais atuante. Muitos ditos políticos evangélicos, inclusive, são a favor do aborto, principalmente aqueles ligados a Igreja Universal do Reino de Deus. 

Enquanto entre os parlamentares verdadeiramente católicos há unidade em torno do assunto, no meio evangélico existe uma grande divisão. Ora, isso mostra a fraqueza dessa política em assuntos básicos. A atuação de um político evangélico que tem se destacado é na política contra a pedofilia, sendo, ainda, uma exceção. 

Mudança do sistema 

Há pessoas bem intencionadas ao entrarem no sistema político-partidário, mas os mesmos continuam bem intencionados, porém conformados com a corrupção do sistema. É necessária a mudança no sistema e nunca se conformar com a podridão do mesmo. Onde a cosmovisão cristã entra para quebrar o caciquismo, populismo e outras mazelas? 

Nepotismo e os políticos evangélicos 

O nepotismo nasceu em meio à cristandade, pois os Papas colocavam em cargos importantes seus sobrinhos e até filhos secretos. O nepotismo, arraigado na cultura ibérico-católica contaminou o meio evangélico brasileiro. Os políticos, acostumados com o nepotismo eclesiástico, transferem os mesmos erros para os seus gabinetes. Nepotismo é antiético, vergonhoso para aqueles que dizem rezar a cartilha da práxis cristã. 

Igrejas que impõem candidatos 

Há muitas igrejas nesse dias que apresentam ou impõe seus candidatos, muitas vezes não diretamente a Igrejas, mas aos pastores pertencentes ao ministério ou denominação. Denominações, como agências do Reino de Deus, devem ensinar princípios a serem observados pelos crentes na hora de votar, mas nunca, de forma alguma, colocar um nome como a única opção do membro daquela igreja. Como disse o sociólogo evangélico Paul Freston: “Nossa preocupação tem que ser com a promoção do Evangelho e não com a promoção dos evangélicos” e o teólogo Paulo Romeiro completa: “Precisamos de candidato evangélico e não candidato dos evangélicos”. 

Há denominações ou congregações locais que lançam candidatos oficiais segundo a conveniência política e vantagens financeiras, literalmente falando: compra de voto, com trocas ou ganho de terrenos, bens etc. Isso é o cúmulo do absurdo elevado ao quadrado!!! 

Pode pastor ser candidato? 

Não há uma proibição bíblica a respeito, mas pelo uso mínimo do bom-senso, o pastor deve evitar envolvimento com política-partidária, pois o mesmo terá que defender os interesses do partido e se comprometer com as manobras naturais da campanha. Pastor já é uma ocupação muito sublime, mas muitos com sede de poder não se conformam e logo entram nessas disputas. Fica o ecoar de alerta proferido pelo pastor Claudionor de Andrade:

Se o atalaia menospreza as honras do ministério cristão, como poderá enaltecer a cidadania celeste? O Senhor o chamou, pastor, para o ministério da Palavra, mas você tem obsessão pelo ministério público. Quer uma cadeira no parlamento, e reputa por nada a cátedra doutrinal que, em sua igreja, está sempre vazia. Deixe a política aos políticos, zele pelo bem comum das ovelhas que o Senhor lhe entregou. 

Muitos estão falando se perguntando, se o pastor pode ser advogado, jornalista, médico, empresário, filósofo, porque o mesmo tem que evitar a política? A resposta é simples. Política é demasiadamente delicada, pois muitos membros da igreja ficaram ofendidos ao verem seus pastores aliados a um partido que nunca lhes agradou ou então fazendo o lobby daquele político que arruinou a cidade na última gestão. O pastor sábio evita confusão e deixa a política para os verdadeiramente preparados! 

Conclusão 

A política evangélica tem muito que melhorar, pois os mesmos não têm feito diferenças significativas na sociedade. Alguns buscam seus próprios interesses ou interesses da denominação (como concessões de rádio e TV). O político cristão deve basear sua vida nos princípios da Palavra de Deus e agir eficazmente na função em que foi eleito. 

Deixe o seu comentário se Gostou desta mensagem.